Vou festejar?

0

Necessidade de distanciamento social trouxe uma série de desafios para os festivais gastronômicos pelo Brasil

Os festivais gastronômicos oferecem uma gama de sabores, cheiros e temperos para todos os gostos. Mas esses eventos sofreram um duro golpe com a pandemia do novo coronavírus. Com restrições ao contato social, visto o caráter altamente contagioso da Covid-19, os eventos passaram a ser sistematicamente adiados e cancelados pelos quatro cantos do país, reduzindo assim as opções de lazer da população e mudando a rotina daqueles direta ou indiretamente envolvidos com as festividades.
Buscando saber como as organizações de eventos têm agido no momento, suas decisões, planejamento e modo de operar, conversamos com representantes que nos contaram mais detalhes sobre o assunto.

Relações e incentivo

Vou festejar?
O Comida di Buteco, festival gastronômico voltado para a cozinha de raiz e que, com 21 anos de existência, está presente em 21 cidades de diversos estados brasileiros, adiou sua data de realização em virtude da pandemia do novo coronavírus

O Comida di Buteco, festival gastronômico voltado para a cozinha de raiz e que, com 21 anos de existência, está presente em 21 cidades de diversos estados brasileiros, adiou sua data de realização em virtude da pandemia do novo coronavírus. A organização do evento fala sobre os motivos do adiamento.
“O concurso Comida di Buteco é uma experiência que envolve a avaliação do buteco como um todo: petisco, atendimento, higiene e temperatura da bebida. O consumidor está inserido em todas as interfaces que o estabelecimento permite. Esse fato e nossa missão, que é ‘transformar vidas através da cozinha de raiz’, através do incremento de público e consequente faturamento, só são possíveis através da relação humana presencial. Por mais que o segmento esteja sofrendo, não se trata de simplesmente realizar o concurso, mas de levar faturamento aos butecos. Qualquer iniciativa virtual não
entregaria nossa proposta”.
Também perguntamos sobre os impactos que o adiamento traz ao concurso, participantes e cidadãos.
“O setor de bares é um dos que mais perderam com a pandemia e também um dos que mais tem que se preparar e investir para retornar com segurança. As perdas financeiras abrangem tanto a organização da competição, que terá um ano mantendo equipe e custos com a realização do concurso e sem a receita respectiva ano que vem, uma vez que estamos estendendo os contratos de patrocínio para 2021; para os butecos, temos a perda mais imediata a ser percebida, já tivemos cerca de 20 dos mais de 650 participantes do concurso que fecharam suas portas em definitivo. E também para os consumidores, que perdem temporariamente um mês de alegria, confraternização, encontros com diferentes regiões da cidade, novas receitas, sabores, enfim, as descobertas que o Comida di Buteco sempre proporciona e que se renovam a cada ano”.
A organização também fala sobre a campanha #butecodicasa que tem como missão atenuar a falta que faz o festival.
“Buscamos amenizar esse abismo gerado pela pandemia com a campanha #butecodicasa, em que, através das nossas redes sociais, estimulamos os consumidores a pedirem os cardápios dos butecos, não apenas fazendo seu happy hour em casa, mas também provando outros itens ofertados. Não compensa de forma nenhuma a perda do presencial, mas ajuda a pagar minimamente as contas; em média o delivery/take away tem representado entre 25% e 30% do faturamento original dos butecos, com raras exceções maiores”.
Por fim, questionamos sobre as edições futuras do Comida di Buteco, se já existem planos de realização e possíveis mudanças em seu formato.
“Estamos adiando nossa 21ª edição para abril de 2021. Esperamos que possamos ter novamente a alegria, engajamento e acolhimento que os butecos têm com seu público. Se conseguirmos isso, já será uma vitória! E claro, vamos continuar com a Eleição do Melhor Buteco do Brasil, feita a partir dos campeões eleitos em cada um dos 21 circuitos”.

Tradição, cultura e economia

Vou festejar?A prefeitura de Catas Altas, em Minas Gerais, é responsável pela Festa do Vinho, um dos mais conhecidos festivais mineiros, onde produtores têm a possibilidade de expor seus produtos para o público, que degusta diversos tipos de vinho, além de aproveitar vários tipos de culinária especializada e grandes shows musicais.
Maria Magalhães, responsável pelos eventos da prefeitura de Catas Altas, relata como a pandemia do novo coronavírus afetou a realização da edição 2020 do festival.
“Catas Altas é uma cidade que tem na produção do vinho de uva e do fermentado de jabuticaba uma tradição passada de geração em geração pelas famílias catas-altenses. Inclusive, as bebidas fazem parte da lista dos bens imateriais do município. Para enaltecer e valorizar o produto e os produtores locais, Catas Altas realiza, desde 2001, a Festa do Vinho, perpetuando o modo de fazer artesanal das bebidas e fortalecendo a transmissão desse saber familiar. Em 2020, a Festa completaria 20 anos e os organizadores estavam programando uma grande comemoração que seria realizada de 15 a 17 de maio. Na ocasião, 14 produtores de vinhos e fermentados artesanais iriam expor seus produtos. Porém, por conta da pandemia do novo coronavírus, a Festa do Vinho precisou ser cancelada (assim como os demais eventos do município por meio do decreto nº 43/2020) e toda a produção ficou comprometida, podendo causar um grande prejuízo econômico e cultural para os produtores e para toda a cidade. O evento cultural anual une gastronomia e música popular, gerando emprego e renda para a população. Ele é uma realização da Prefeitura, em parceria com a Associação dos Produtores de Vinho, Agricultores Familiares e Outros Produtos Artesanais de Catas Altas (Aprovart)”.
A importância do festival para a cultura e economia de Catas Altas foi enfatizada pela porta-voz, que falou dos impactos da Festa do Vinho localmente.
“A festa do vinho tem como principal objetivo a difusão do bem imaterial ‘Vinho de Catas Altas’ por meio da comercialização dos produtos fermentados. Por serem fabricadas de modo artesanal, as bebidas catas-altenses não possuem conservantes e, por esse motivo, não podem ficar armazenadas por muito tempo. A realização da festa contribui com o escoamento da produção, movimentando e economia local e garantindo que essa tradição secular não se perca”.
A porta-voz também conta que a edição do ano de 2021 da Festa do Vinho ainda não começou a ser planejada e detalha as ações que a organização do festival e a administração municipal pretendem tomar para reduzir os impactos da não realização presencial da edição 2020.
“Ainda não planejamos o evento para 2021. Estamos elaborando um plano de diversificação econômica em parceria com a Vale que prevê ações de curto, médio e longo prazo em um horizonte de vinte anos. O plano tem como norteador o empreendedorismo turístico para a geração de renda e a educação como alicerce para a sua sustentabilidade. O plano pretende entender as boas práticas existentes no município e na região e somar os esforços em plano de ação robusto”.

Comida di Buteco
www.comidadibuteco.com.br
Festa do Vinho de Catas Altas
catasaltas.mg.gov.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

7 − três =