Uso do português exige atenção

Candidatos a vagas de emprego e de estágio têm sido retidos em testes que avaliam conhecimento do português

0

A inserção no mercado de trabalho pode ser um grande desafio, principalmente para os jovens, que ainda estão iniciando na vida profissional e buscando tanto vagas de estágio quanto vagas de emprego. Tendo em vista várias questões que podem surgir neste cenário atualmente, preocupando, assim, muitos candidatos, uma delas tem chamado bastante a atenção de profissionais e também de diversas empresas dos mais diferentes segmentos: o mau uso do português e as suas implicações cotidianas.

São vários os casos de pessoas que, por não saberem usar corretamente este idioma, acabam perdendo muitas oportunidades no mercado de trabalho, oportunidades estas que poderiam ajudar a garantir a elas um bom futuro na carreira profissional. Isso porque muitas organizações, quando vão fazer seleções para as vagas que elas têm disponíveis, aplicam testes ortográficos e também solicitam que as pessoas façam redações. Muitos candidatos são eliminados ainda nesta etapa, pois demonstram pouco conhecimento em relação ao assunto.

Por isso, muitas empresas têm se preocupado em alertar as pessoas a respeito deste tema, salientando a importância que tem o uso do bom português nas mais diferentes situações. É possível, ainda, encontrar consultores de carreira que destacam muito este item como um dos principais fatores existentes para conseguir uma vaga de emprego, uma vaga de estágio e até mesmo para que se possa alcançar êxito profissional.

Em nossa editoria intitulada Carreira, que você pode acompanhar sempre em nossa publicação, tratamos também de assuntos que contribuem para que as pessoas possam se dar bem no âmbito profissional, não somente conquistando um espaço no mercado de trabalho, mas também mantendo-o de uma forma excelente, construindo, assim, um bom nome na área e se destacando em meio aos demais. Por isso, abordamos uma pesquisa que fala do mau uso da língua portuguesa e o que os jovens pensam em relação a esse quadro. Conversamos, ainda, com Rafaela Gonçalves, analista de treinamento do Núcleo Brasileiro de Estágios (Nube), que falou mais acerca deste tema, abordou aspectos da pesquisa e falou aos jovens o que eles podem fazer para contornar esse problema que tem afetado a muitos deles.

Dados

O Nube fez uma pesquisa, entre os dias 9 e 20 de maio deste ano, para checar ““Por que o Português ainda é o maior reprovador em processos seletivos”. Para obter opiniões a respeito do tema, foram entrevistadas pessoas que contam com idade entre 15 e 26 anos e que são aquelas que mais sofrem reprovações por causa deste quesito. Elas, então, deram suas opiniões a respeito deste assunto e mostraram como elas vêem as causas desse problema.

Ao todo, foram entrevistadas 11.616 pessoas, que expuseram as experiências que elas possuem relacionadas tanto ao trabalho quanto relacionadas a entrevistas. Para 32,75% das pessoas que responderam a pesquisa, “as pessoas têm preguiça de ler”. Foram 3.804 indivíduos que votaram nessa resposta. Já 28,88% dos votantes alegaram “terem se acostumado com o português abreviado nas redes sociais” e foram 3.355 votantes nessa opção.

Já 2.588 pessoas responderam que o foco do problema está relacionado ao fato de “não haver incentivo para a leitura no Brasil”, representando, assim, 22,28% dos participantes da pesquisa. Já 1.562 pessoas (13,45%) votaram na opção “a baixa formação dos candidatos” como foco do problema e 307 (2,64%) acreditam que “as empresas exigem muito”.

Avaliação

português
Rafaela Gonçalves, analista de treinamento do Nube, deu dicas a respeito do tema para os jovens se darem bem nas seleções

Rafaela Gonçalves, que é analista de treinamento do Nube, conversou com a Food Service News sobre esse assunto. Ela destacou alguns pontos da pesquisa que foi realizada pela empresa e também deu dicas em relação ao tema. Para ela, “o mau uso do português impacta na vida profissional. O primeiro desafio é a entrada na universidade, pois já no vestibular podem exigir uma redação, por exemplo, e se o candidato não se sair bem, não consegue a aprovação. E o curso superior é uma das grandes exigências das empresas atualmente. Na sequência, temos o “famoso” ditado nos processos seletivos, em que o candidato será submetido à escrita de diversas palavras, e novamente se não dominar a língua nativa, não conseguirá preencher a tal sonhada vaga de emprego. Dominar as normas de escrita, saber interpretar um texto e escrever uma boa dissertação são aspectos fundamentais no âmbito profissional, uma vez que negociamos com clientes, enviamos e-mail formal sobre procedimentos, falamos ao telefone, entre outras formas de comunicação, portanto, falar e escrever corretamente são fundamentais para ter sucesso profissional”, salienta Rafaela.

Ela também ressaltou o que mais chama a atenção dela no estudo que foi realizado, destacando o dado que ela considera bastante relevante. “O dado que considero muito relevante é de 28,88% terem alegado que “se acostumaram com o português abreviado nas redes sociais”, opção escolhida por 3.355 pessoas. Acredito que o problema não é escrever abreviado e, sim, saber separar e se posicionar adequadamente a cada situação. Os jovens precisam entender que a maneira como escrevemos nas redes sociais deve ser diferente no ambiente corporativo. Isso demonstra que a adaptação e postura das pessoas ainda é falha. Não podemos nos acostumar com as coisas! Isso é um dos desafios da nossa juventude: entender que internet e vida real exigem maneiras diferentes de se comunicar”, disse ela.

Além disso, a profissional destacou, ainda, que esse tipo de problema pode ser considerado algo característico das gerações mais recentes. “Sim, as mudanças tecnológicas sofridas na última década foram muito rápidas e, de certo modo, isso impacta no comportamento das pessoas. Percebemos que jovens que hoje utilizam whatshapp, redes sociais, mensagens de texto, possuem dificuldades em escrever corretamente, justamente por não praticar a norma culta de escrita e por lerem conteúdos extremamente informais, devido ao mau uso da internet. Precisamos deixar claro que a internet não é o problema e, sim, a maneira como as pessoas a utilizam, que não é assertiva”, ressaltou.

Dicas

A profissional também falou a respeito de como é possível amenizar esse problema. “Para minimizar estes erros, é importante praticar leitura, escrever e interpretar textos. Isso pode ser feito de maneira muito simples: Melhorar Interpretação: acesse sites de notícias, faça resumo do que entendeu; Melhorar Escrita: uma vez por semana escreva um texto sem o corretor ortográfico e depois faça a correção das palavras com dicionário; Elocução, Acentuação e Pronúncia: Leia textos em voz alta”.

Por fim, ela também deu dicas para os jovens. “Utilize as redes sociais e a tecnologia a seu favor. Além de páginas de entretenimento, curta também páginas com conteúdo que possa te manter informado, que te auxilie nos estudos e que divulguem vagas de emprego e estágio. Hoje as maiorias das empresas contratam através de sites de empregos e muitas vezes o Currículo é cadastrado online, então evite erros no seu currículo, revise todas as informações e lembre-se que o momento é de extrema competitividade, logo é importante se destacar, ter um bom português é o primeiro passo desta jornada. Boa sorte”, finalizou.

O Nube está desde o ano de 1988 no mercado e oferece vagas de estágio e também oferta vagas de emprego em todo o Brasil. O Nube conta com mais de 7.200 empresas que são clientes, 14 mil locais que ensino e já foi, ainda, o responsável por inserir mais de 650 mil pessoas no universo do trabalho. Por intermédio de relatórios e também de atividades, o Nube faz o acompanhamento do aprendiz e do estagiário e fornece a administração da parte legal.

Diante da necessidade que muitas pessoas demonstram de aprender a língua portuguesa para que possam se aperfeiçoar, cada vez mais, no âmbito profissional, há opções tanto de cursos quanto para quem deseja empreender na área. O Sebrae, por exemplo, possui um conteúdo relacionado a aulas do idioma para quem almeja oferecer curso de redação e também de língua portuguesa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

dezoito − doze =