Uma forma diferente de classificar os estabelecimentos

0

A gente sempre tenta encontrar formas lúdicas de estimular o pensamento estratégico dos empresários do food service.

Recentemente, estabelecemos um paralelo entre conceitos e metodologias consagrados de Gerenciamento de Categorias (“GC”), amplamente disseminados nas práticas de varejo, para entender e classificar os diferentes tipos de estabelecimentos de food service.

Esse paralelo visa ajudar o empresário a entender (e definir) melhor os papéis que sua loja desempenha e, consequentemente, sua forma e capacidade de atrair clientes.

Assim, tomando a licença das quatro classificações usadas em “GC”, adaptamos a seguinte visão para classificar os estabelecimentos de food service:

ESTABELECIMENTO DESTINO – é um estabelecimento que os clientes entendem como “A” referência (ou “uma das mais importantes”) quando se pensa num determinado tipo de empreendimento, uma determinada especialidade, um determinado serviço etc. Os clientes se movem até esse estabelecimento porque ir até ele tem algo que faz muito sentido para o consumidor.

ESTABELECIMENTO ROTINA – é um estabelecimento que é visitado pelo cliente normalmente como parte de uma jornada de trabalho, de compras, de estudo etc. Os consumidores raramente decidem ir até lá como principal razão, mas porque o empreendimento está no caminho, num certo raio de distância, associado a um local em que o cliente realiza outras atividades.

ESTABELECIMENTO OCASIONAL – não opera, não atende os clientes de uma forma linear e contínua ao longo do ano. Normalmente, funciona por conta de sazonalidades (temporadas de verão e inverno, por exemplo), calendários de festas regionais, motivações promocionais etc. O consumidor pode ir até o empreendimento motivado especificamente por esse estabelecimento ou pela sazonalidade de uma forma geral.

ESTABELECIMENTO CONVENIENTE – é um estabelecimento que atende especialmente desejos e necessidades pontuais de consumo, levando muitas vezes o serviço a ser até mais importante do que o próprio produto. Delivery, take-out, grab-and-go, funcionamento 24 horas etc, são ótimos exemplos no food service, em que a conveniência avança fortemente.

Vamos aprofundar mais esse conceito em próximos artigos e vídeos.
Um grande abraço e reflitam.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

vinte − dezenove =