TENDÊNCIAS DE CONSUMO 2020

0

Todos os anos, a rede americana de supermercados Whole Foods Market, com base em dados de consumo das suas mais de 500 unidades e de informações organizadas junto a fornecedores, produtores, compradores e especialistas do mercado de alimentação, publica um relatório de tendências.
Para quem não conhece, a rede Whole Foods Market é pioneira no conceito de supermercado especializado em produtos orgânicos e naturais nos Estados Unidos e se tornou referência tanto pela forma como trabalha essas categorias quanto por motivar os movimentos de profissionalização e conscientização relacionados a elas.
A rede hoje é uma das empresas mais credenciadas para tratar sobre temas atuais e relevantes relacionados ao consumo de alimentos orgânicos e naturais e sua cadeia produtiva.
Um trabalho como esse não indica necessariamente os produtos que terão grande demanda em curto prazo, mas mostra para onde estão voltados o olhar e a cabeça do consumidor quando o tema é alimentação.
Abaixo os 10 principais tópicos abordados como tendências de conceitos e consumo para este ano. Bom apetite!
1-Agricultura regenerativa. A Whole Foods define a agricultura regenerativa como “práticas agrícolas e de pastoreio que restauram o solo degradado, melhoram a biodiversidade e aumentam a captura de carbono para criar benefícios ambientais duradouros, como impactar positivamente as mudanças climáticas”. O estudo indica o crescimento da produção de alimentos e de produtores usando métodos relacionados a esse conceito para os próximos anos.
2-Variedade de farinhas. O estudo prevê que 2020 será um ano de crescimento para o mercado de farinhas alternativas sem trigo. Com o crescimento da procura, a categoria se desenvolveu, e as novas soluções são tratadas como “mais interessantes”, com mais alternativas e variedade.
3-Alimentos da África Ocidental. A Whole Foods indica que alimentos e sabores típicos da região passarão a ter maior notoriedade este ano. Itens como pimentas, amendoim, erva cidreira e gengibre, que já estão em destaque há algum tempo, passarão a ter a companhia de “superalimentos” como a moringa e o tamarindo.
4-Refeições prontas como novos snacks. Se tivemos recentemente um grande desenvolvimento da categoria com surgimento de novos conceitos e quebras de paradigmas relacionados à possibilidade de snacks saudáveis, as refeições rápidas em porções menores passam este ano a fazer frente para as já tradicionais barras de granola e copos de frutas.
5-Evolução dos “plant baseds”. Enquanto o conceito ganhou notoriedade no mercado brasileiro em 2019, nos Estados Unidos o ano foi de fortalecimento das opções alternativas à soja. O estudo aposta no crescimento de novas opções de proteínas veganas como grãos, nozes e feijão mungo. Muitas marcas já estão trocando a soja por alimentos não alergênicos.
6-Manteigas e spreads. Novas opções de manteigas e pastas doces e salgadas devem continuar ganhando força este ano. Além da manteiga de amendoim e de outras sementes, cremes veganos e superalimentos surgirão nas gôndolas.
7-Diversidade no menu infantil. De acordo com o estudo o hábito alimentar das crianças nos Estados Unidos está mais diversificado do que nunca e a famosa “dieta bege” (a base de pães e biscoitos) está sendo substituída por outras opções de produtos que incluem vegetais, frutas, algas e frutos do mar.
8-Açúcares alternativos. A categoria já atendida por produtos mais difundidos como mel, bordo, agave e estévia, passa a ter mais alternativas como o néctar de batata-doce e o xarope de romã. O consumo dos “novos adoçantes” deve continuar crescendo em 2020.
9-Misturas de carne e plantas. Como consequência do movimento de redução do consumo de proteína animal pelos “não vegetarianos”, o estudo indica o crescimento da oferta de produtos e soluções de proteínas mistas. A carne (principalmente moída) misturada com plantas como cogumelos, trigo e fermento de cevada já é realidade em muitos países e seu consumo deve crescer em 2020.
10-Bebidas não alcoólicas para adultos. Opções de bebidas tradicionalmente alcoólicas, com menores ou zero índice de álcool, passam a ter mais opções e melhor qualidade em 2020. Gins alternativos e as tradicionais cervejas tipo “IPA” já são vistos com frequência na categoria. Cervejas famosas devem surgir este ano com opção “zero álcool”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

16 − catorze =