Sorvete um investimento assertivo

Clima favorável é um dos fatores de peso para a solidez de empresas de sorvete

0

O clima brasileiro é um dos fatores que influenciam a demanda por sorvetes no Brasil. Pensando nisso, muitas empresas de alimentação vêm investindo em novos sabores desse produto. Há quem diga que o clima é o principal fator que influencia a demanda pelos sorvetes brasileiros.

Algumas tendências chegaram ao Brasil e hoje se consolidam como um segmento maduro. Exemplo delas é a de paletas mexicanas, em que várias empresas conseguiram desenvolver o negócio e estão ativas atualmente. Outro exemplo é a de gelatos, que além das lojas físicas também chegaram ao consumidor na forma de potinhos, produzidos por grandes empresas de alimentação.

Pensando nisso, a Food Service News foi atrás das principais empresas produtoras de sorvete, como também as que produzem insumo para a fabricação. Juntas, essas marcas movimentam um mercado gigantesco de produtos e preparam-se para mostrar inovação nos principais eventos de alimentação do país.

Pesquisas

Pesquisas da Associação Brasileira das Indústrias e do Setor de Sorvete (Abis) mostram que o consumo de sorvetes no Brasil aumentou 67% no período de 2003 a 2015, passando de 685 milhões de litros por ano para mais de 1.146 milhões de litros por ano.

O consumo per capita também apresentou crescimento nesse mesmo período. De acordo com os dados da Abis, em 2003 esse consumo era de 3,83 litros, passando para 5,59 litros no último ano. Esses números mostram um crescimento de 46%.

A Abis tem por objetivo auxiliar no crescimento de toda a cadeia produtiva relacionada a sorvetes, que vão desde grandes produtoras às pequenas sorveterias. A entidade auxilia na divulgação de informações e pesquisas relacionadas ao setor, que ajudam a melhorar a produção e venda dos produtos.

Parcerias

O Burger King lançou, recentemente, uma parceria com a Nestlé para a linha de sorvetes Torta de Limão Moça. Disponível em todas as unidades da rede, o BK Mix e o milkshake da linha unem sorvete de baunilha, calda de Torta de limão e pedaços de biscoitos Moça. Já a casquinha combina sorvete de baunilha e calda de torta de limão.

“Estamos constantemente em busca de novidades para surpreender positivamente o nosso público. Com o alto verão brasileiro, nada melhor do que oferecer uma das sobremesas favoritas localmente, com este ingrediente refrescante: o limão. A linha de sobremesas é completa, para ser consumida em todos os momentos do dia”, diz Ariel Grunkraut, Diretor de Marketing do BURGER KING® no Brasil.

A nova linha de sorvetes é edição limitada na empresa, que promete movimentar as vendas no segmento de sorvetes. Além de investir em sanduíches, o Burger King tem investido nos sorvetes oferecidos. A parceria do Burger King com a Nestlé não é de hoje: as marcas já haviam feito outras combinações famosas. Exemplo disso é o Shake Negresco, elaborado com os biscoitos da empresa.

Bobs

A união está presente em outras grandes empresas de fast-food no Brasil. A rede Bob’s, por exemplo, aderiu ao cardápio fixo algumas combinações que agradaram aos clientes. O tradicional milkshake de ovomaltine é um dos maiores exemplos, que fez tanto sucesso que é um dos mais conhecidos da marca.

Pensando nisso, o Bob’s investiu em novos sabores para os seus sorvetes. Os sabores de Paçoquinha e Oreo conquistaram grande espaço na marca e fazem parte do cardápio da empresa. Além dos milkshakes, a empresa também oferece casquinhas, cascões, Bob’s Max e Sundae.

McDonald’s

Outro exemplo é o McDonald’s, que está inovando no setor de sobremesas. Recentemente, a empresa voltou a oferecer aos consumidores os milkshakes com parcerias diferenciadas, como com a Kopenhagen.

De acordo com João Branco, Diretor de Marketing do McDonald’s Brasil, as opções mais vendidas na rede são o McColosso e a Casquinha.Um dos motivos desse sucesso é o preço, menor que de outras sobremesas da marca.

sorvete
João Branco, Diretor de Marketing do McDonald’s, fala sobre o retorno dos milkshakes para o portfólio da empresa

Em compensação, o McFlurry possui grande destaque na empresa, devido ao seu alto valor agregado. Esse tipo de sorvete é resultado de várias parcerias feitas pela empresa, que variam de acordo com o período. “As inovações dessa linha são o resultado de uma série de pesquisas que fazemos com os consumidores. Nosso objetivo é surpreendê-los com algo muito delicioso e que tenha boa combinação com a nossa marca”, explica João Branco, diretor de marketing do McDonald’s Brasil.

O diretor conta que as sobremesas oferecidas pela rede, sobretudo os sorvetes, ocupam um espaço cativo no portfólio e consumo dos clientes. “Nossas sobremesas têm um papel importante no menu. Nos restaurantes, elas representam uma oportunidade de aumento de tíquete médio, tornando a experiência de consumo mais agradável e completa para o cliente. Já nos quiosques, é uma solução prática para um desejo indulgente”, ressalta.

Algumas características do Brasil chamam a atenção para o consumo de determinados alimentos. Devido ao clima da região, muitas pessoas acreditam que os sorvetes têm maior demanda. Para Branco, os sorvetes são itens importantes em qualquer restaurante, independentemente da temperatura. “O fato de estarmos em um país tropical nos oferece uma oportunidade maior em capturar o chamado ‘consumo por impulso’. Foi por essa razão que o McDonald’s do Brasil criou o modelo de negócio de quiosques de sobremesas, na época uma grande novidade dentro do nosso sistema”, relata o diretor.

Retorno

O retorno dos milkshakes às opções do McDonald’s, de acordo com o diretor, levou em conta os pedidos dos clientes. O resultado não poderia ser melhor, já que o consumo da bebida tem alcançado bons números. “Os milkshakes conquistaram rapidamente uma posição importante dentro das nossas vendas, o que confirma o acerto da nossa decisão de investir nessa plataforma”, pontua Branco.

Do último milkshake para o atual, algumas mudanças foram feitas na receita. O McDonald’s investiu em mais leite na bebida, que é batido na hora. Essa opção agora pode ser encontrada em todos os quiosques da empresa, que são grandes responsáveis pelas vendas de rua.

A parceria com a Kopenhagen rendeu diversas opções diferenciadas à empresa. Um dos exemplos é o McFlurry Chumbinho, sucesso nos pedidos do McDonald’s. “Temos uma excelente relação com a Kopenhagen e uma parceria com claros benefícios para os dois lados. Por meio dela, o McDonald’s consegue entregar produtos exclusivos para os seus clientes e a Kopenhagen pode deixar os seus produtos ainda mais conhecidos e desejados”, conta Branco.

Franquia

Também operando no modelo de franquias, a Ice Cramy, que produz sorvetes feitos na pedra, lançou um novo modelo de negócios de microfranquia e outra novidade: o sorvete tailandês. Baseado em um produto mais gourmet, a Ice Creamy trabalha com investimentos mais baixos, de R$ 24.900, e tem prazo de retorno em até 12 meses.

O sorvete tailandês é feito através de uma chapa metálica e pode ser misturado com vários outros ingredientes, de acordo com a escolha dos clientes. De acordo com o presidente da rede, Emerson Sarandim, o produto chegou em um bom período. “O sorvete é uma sobremesa que nunca sai de linha, ainda mais agora com a chegada do Outono, em que quase todo o país apresenta altas temperaturas fora de época, que ‘pedem’ um sorvete. Além disso, estamos em momento de crise e desemprego e esse modelo de microfranquia pode ser a solução de renda para muitas pessoas.”

Esse modelo de negócios não apresenta royalties e faz com que os franqueados tenham contato direto com os hábitos de sorveteiros, em um ambiente que oferece produtos de qualidade. O custo do investimento é único e pode ser parcelado em até 12 vezes. Segundo a Ice Creamy, o lucro mensal varia de R$ 25 a R$ 35 mil.

Customização

Ao fazer a opção pela microfranquia, o empreendedor terá o carrinho da empresa e todos os equipamentos necessários para produzir o seu próprio sorvete. Baseado no conceito de customização, a sorveteria permite que as escolhas sejam feitas pelo cliente – desde o sabor aos 30 itens.

Para produzir os sorvetes da marca, a manipulação e adição de ingredientes acontecem em uma pedra gelada, diferentemente das técnicas tradicionais. De acordo com a empresa, essa técnica faz com que os sorvetes desenvolvidos apresentem melhor quantidade de fibras e proteínas, menor teor de gorduras e 50% menos açúcar.

Além disso, a Ice Creamy se compromete em oferecer um produto artesanal, com textura e sabor diferentes das sorveterias tradicionais. Outro fator que é diferenciado são a cremosidade e o valor nutricional.

A empresa foi criada em 2014, por Emerson, através do mercado de franquias. O fundador já trabalhava no segmento de sorvetes há mais de cinco anos, com cursos nos Estados Unidos e na Europa.

Com crescimento médio de 14% ao ano, a Ice Creamy conta hoje com mais de 40 lojas em funcionamento, além de cem unidades ainda em fase de implementação. Para auxiliar os franqueados, a empresa possui uma série de recursos que visam melhorar a gestão da unidade. Os serviços começam desde a fase da escolha do ponto comercial, até a logística dos produtos. Dentre os suportes, materiais de divulgação, apoio arquitetônico, treinamento administrativo e de marketing, fazem parte do sistema de franquias. As unidades podem ser montadas em forma de quiosque, container, shopping, loja de rua e, agora, o carrinho.

Inverno

Clima também é motivo para a criatividade dos produtores de sorvete. Para comemorar a época mais fria do ano, o inverno, a Chiquinho Sorvetes lançou um Festival para celebrar as delícias da estação. A empresa, que é líder no segmento e maior rede de franquias de sorvetes no Brasil, faz a sexta edição do festival com novidades e prazo até dia 27 de julho. Agora, a empresa traz aos clientes 11 opções de receitas.

O Festival chama a atenção para atrair os clientes mesmo em épocas mais frias, mostrando que é possível oferecer pratos diferenciados em uma sorveteria. Uma das opções servidas é o canecake criado pela marca, que coloca o bolo de chocolate coberto com três opções diferentes de cobertura (australiano, francês e italiano). A Chiquinho também lançou opções diferentes de fondues e, para quem gosta de opções mais quentes, capuccinos com sabores especiais são destaque, como Nutella e Suflair; além de chocolates quentes.

A Chiquinho Sorvetes está há 35 anos no mercado e teve início como uma pequena sorveteria. Agora, a franquia investe em diversos formatos e sabores de sorvetes para atrair os clientes. Além dos sorvetes, a empresa investe em opções mais sofisticadas, como petit gateau e fondues.

Com 380 unidades espalhadas em todo o país, a sorveteria investiu em três modelos de negócio: unidades em shoppings, unidades na rua e quiosques.

Duas Rodas

Para produzir os sorvetes, as empresas de alimentação precisam de fornecedores atentos às principais tendências e também de qualidade. Algumas empresas são responsáveis pelo desenvolvimento de sorvetes no mercado, oferecendo produtos para pequenas e grandes sorveterias.

A Duas Rodas é uma das principais empresas fabricantes de ingredientes para o desenvolvimento de sorvetes. A empresa possui um portfólio de produtos completos de texturas, aromas, emulsificantes, estabilizantes, bases e coberturas.

Para que esses produtos atendam às necessidades de seus clientes, a Duas Rodas elabora uma série de pesquisas. “Fazemos, principalmente, três tipos de pesquisas: tendências de mercado nas diversas regiões do Brasil e do mundo; comportamento do consumidor; e pesquisas sobre inovações e novas tecnologias, sejam de sabor, textura, processo ou custos. Antes de tudo, a Duas Rodas é uma casa de aromas, portanto pesquisa, inovação e tecnologia fazem parte do nosso dia a dia”, explica Marco Paulo Pereira Henriques, gerente de marketing da empresa.

A empresa, que produz ingredientes para sorvetes desde 1948, acredita que tem estado no caminho certo desde sua criação. De acordo com Henriques, um dos objetivos da Duas Rodas é ajudar os clientes a entender as tendências no mercado, já que a empresa trabalha com aromas.

“Para conseguir isso, temos acesso às principais ferramentas de pesquisa disponíveis no mundo e aproveitamos todo esse know-how para a nossa divisão de sorvetes. No entanto, como acreditamos que o conhecimento na prática é sempre melhor, realizamos frequentemente pesquisas de mercado com consumidores, participamos de diversas feiras no Brasil e no exterior, além de estarmos constantemente junto aos nossos clientes através da nossa equipe técnico-comercial, que é a maior do Brasil”, relata o gerente.

As tendências apreendidas pela empresa também contribuem para o desenvolvimento de ingredientes que vão chegar até as mãos dos consumidores. Através disso, os especialistas da Duas Rodas conseguem desenvolver um produto mais eficaz aos clientes.

“Após o desenvolvimento com a formulação inicial, o produto segue para avaliação sensorial, tanto com consumidores como com especialistas em análise sensorial, além de testes industriais em fabricantes de sorvetes, a fim de entender se o produto desenvolvido atende o sabor e as demais características sensoriais desejadas. Tudo sempre elaborado e testado minuciosamente para garantir o sabor e as características esperadas ao produto final. Por fim, a empresa conta com uma equipe técnica-comercial que oferece todo o treinamento e suporte técnico aos clientes para a melhor aplicação dos produtos”, explica Henriques sobre a formulação dos ingredientes.

“Hoje, a Duas Rodas vende produtos Selecta e Specialitá para empresas que atendem ao segmento de sorvetes. Mas há alguns itens dessas marcas, como coberturas para gelados, preparados de frutas ou chocolates, que temos a opção de venda direta para esse segmento. Como são produtos diferenciados e de alta qualidade, certamente contribuem para diferenciar a oferta dos pequenos produtores deste mercado”, conta Henriques sobre as linhas de produtos oferecidos pela empresa.

Novidades

A empresa lançou ingredientes para a criação de gelatos, sorvetes que seguem o estilo italiano de produção. Considerado como uma tendência no mercado brasileiro, esse tipo de sobremesa é feito com a base de leite, creme e açúcar. Normalmente, a produção começa com uma etapa mais quente, em que o açúcar é dissolvido, e só depois vira a sobremesa congelada que conhecemos.

Segundo Henriques, a Duas Rodas considerou dois motivos principais para investir nesse tipo de sorvete. “Gelatos são tendência no mundo e estão chegando com força no Brasil. Outro motivo que reforça o primeiro é que o consumidor está muito mais exigente, buscando produtos mais elaborados, sofisticados e diferenciados. Podemos enxergar isso nos supermercados, verificando que, mesmo com a situação econômica atual, os produtos de maior valor agregado têm crescido. Recomendo às empresas do segmento, seja uma indústria ou uma sorveteria, a investirem em produtos mais elaborados. A nossa linha Specialitá oferece justamente isso: ingredientes elaborados que, além da alta qualidade e sabor, incorporam a sofisticação e o requinte dos gelatos italianos”, pontua.

Ao investir em uma tendência, o gerente afirma que a empresa não sente tanto os reflexos da diminuição de consumo posteriormente, já que os produtos também podem ser usados em outros negócios. Um dos exemplos, relativos ao mercado de sorvetes, é o das paletas mexicanas, que o consumo alto devido a uma tendência diminuiu após um período.

“Nossas linhas hoje podem ser utilizadas para todos os tipos de gelados comestíveis. Se por um lado o consumo de paletas diminuiu, em compensação outros aumentaram, como gelatos e produtos de venda por impulso. Hoje, por exemplo, o sorvete é a sobremesa mais consumida entre os brasileiros, tanto nas opções de levar para casa (“take home”), como para consumo externo (“on the go”). Sendo assim, não sentimos esse impacto”, afirma Henriques.

Embora não cite os valores exatos do faturamento da empresa em relação ao mercado de sorvetes, a Duas Rodas destaca que esse é um mercado importante para a marca. Prova disso é o investimento no setor nesse ano. A empresa deverá lançar produtos focados na indústria de sorvetes. “Para 2016, a Duas Rodas desenvolveu e ampliou o portfólio em mais de 50 deliciosas novidades, que serão apresentadas ao mercado na Fispal 2016. São novos sabores inspirados nas tendências do mercado de gelatos italianos e nas preferências do consumidor brasileiro. Os lançamentos não param por aí: há produtos inéditos no mercado de gelatos no Brasil, além de ingredientes desenvolvidos com tecnologias inovadoras que melhoram a qualidade e performance dos gelados. O consumidor – e a indústria – também poderá se deliciar com uma linha que oferece opções de ingredientes para quem busca os apelos de saudabilidade e bem-estar em sorvetes e picolé”, ressalta o gerente.

A Fispal Food Service 2016 acontece entre os dias 14 e 17 de junho, no Expo Center Norte, em São Paulo. Nos mesmos dias acontece a Fispal Tecnologia, no Pavilhão Anhembi, também em São Paulo, O intuito do evento é reunir representantes do setor para apresentar e expor novidades, tendências, equipamentos, conhecimento, entre outros fatores importantes para o mercado de food service. Neste ano, serão 1.500 marcas expositoras e 32 anos de experiência. Entre os comércios que devem desfrutar dos serviços na feira, as sorveterias terão lugar especial na edição 2016.

Alibra

A Alibra é uma das empresas que atuam ativamente na produção de insumos usados em sorvetes. De acordo com Marcus Lima, Coordenador Técnico de Comestíveis Gelados da Alibra, esse setor representa 15% do mercado da empresa, ocupando posição importante no volume de negócios.

Para assegurar que o setor de sorvetes continue crescendo, a empresa tem investido em inovações e tendências de mercado. Exemplo disso é o investimento em produtos lights ou com maior teor de vitaminas. Segundo Lima, que tem experiência de 12 anos no mercado de sorvetes, produtos lights tendem a ter um maior consumo no futuro.

O profissional justifica que, em uma pesquisa feita pela Mintel em 2013, aponta que os sorvetes tradicionais são considerados indulgentes enquanto os lights não são considerados como produtos prazerosos. “A quebra desse paradigma de que o sorvete light não é indulgente acontecerá como os demais mitos. Para isso a cadeia do sorvete precisa se mobilizar, se empenhar e definir ações. Isso compreende o desenho do produto (incluindo coberturas, recheios, inclusões), apresentação do produto, embalagem, denominação, formas de comercialização etc. Nós da Alibra apostamos nas opções lights e estamos fazendo a nossa lição de casa”, enfatiza Lima.

Picolés fortificados também foram o investimento da Alibra. O produto desenvolvido é fonte de vitamina C e ferro, mostrando a importância de se adequarem às tendências de alimentação. “Analisamos continuamente as tendências para o futuro da indústria de alimentos, o que pauta nossa oferta de soluções em ingredientes. Isso nos permite levar para eventos como feiras e apresentações em nossos maiores clientes, propostas de produtos alinhadas com uma visão dos movimentos futuros do mercado”, explica Lima.
Essa novidade aconteceu logo após a aquisição da Genkor pela Alibra. Segundo o coordenador, essa aquisição ajudou a aumentar o portfólio de produtos oferecidos pela empresa, que agora abrange um maior número de clientes.

Para a Alibra, a crise econômica não é a sua maior preocupação. Lima explica que, nos últimos 15 anos, a empresa teve um crescimento acelerado. Como saída para a crise, a Alibra sempre está investindo em inovações para atrair os clientes. “A demanda pelos produtos não foi tão afetada devido ao clima. É mais importante um clima para o setor de sorvetes que a conjuntura econômica, não que ela não influencie. Um exemplo é você ter uma economia excelente e fazer frio o ano todo” finaliza.

Kibon

A Kibon, marca conhecida na produção de sorvetes em potes e em quiosques, está investindo em novos produtos para atrair o consumidor. Só no primeiro semestre desse ano, a empresa já pretende lançar três novidades para os consumidores.

Atenta às necessidades dos consumidores, a marca explica que é importante saber o momento de fazer alterações, principalmente devido à situação econômica vivida pelo país. “Sabemos que nossos consumidores estão mudando seus hábitos e que a volta ao lar é uma das principais tendências, já que cada vez mais pessoas estão fazendo refeições e buscando formas de se entreter dentro do lar. Nossa linha de sorvetes para consumo no lar busca deixar os momentos em casa ainda mais gostosos e especiais. Temos uma linha de produtos completa com tamanhos, formatos e sabores diferenciados para as mais diversas ocasiões de consumo dos brasileiros”, conta Cinthia Gherardi, gerente de marketing da Kibon.

Recentemente, a empresa lançou uma linha de sorvetes Gelato. Para desenvolver esse produto, Cinthia afirma que a Kibon já tinha consciência do sucesso da sobremesa no Brasil e era preciso oferecê-la ao consumidor.

sorvete
Cinthia Gherard, gerente de marketing de Kibon, comenta sobre o mercado de sorvetes e a tendência de consumo em casa

“O consumidor está sempre no centro de tudo que fazemos, realizamos com frequência pesquisas para entendermos os hábitos do nosso público e também levamos muito em consideração o que nossos consumidores nos falam através do SAC e das redes sociais. A partir disso, trabalhamos no desenvolvimento de novos sabores e formatos para que possamos atender diversas ocasiões na vida dos nossos consumidores, dentro e fora de casa”, explica Gherardi.

Dentre as três novidades oferecidas pela empresa, está o Magnum Capuccino feito com chocolate belga, sorvete de baunilha com capuccino. Para a linha de picolés clássicos, a novidade fica por conta do Fruta + Calda, com baixa calorias. Já na linha em potes, a Kibon vai oferecer a Sorveteria Crocante, um sorvete clássico com amendoim caramelizado.

Nestlé

A Nestlé e a R&R, empresa líder de sorvetes no Reino Unido, se uniram e criaram a Froneri: uma joint venture que possui vendas estimadas em CHF 2,7 bilhões em mais de 20 países.
A Froneri deve ser responsável pela produção de sorvetes, além de lácteos, congelados, entre outros produtos.

A empresa já gerou mais de 15 mil empregos e tem sede no Reino Unido, além de ter operações que estarão localizadas, inicialmente, na Argentina, Austrália, Brasil, Filipinas, Europa e Oriente Médio – exceto Israel.

De acordo com Paul Bulcke, CEO da Nestlé, “esta é uma excelente oportunidade de crescimento em uma categoria dinâmica. Froneri capitalizará os pontos fortes complementares e a expertise em inovação, combinando as marcas fortes e bem-sucedidas da Nestlé, além da sua experiência na distribuição ‘out of home’ com o modelo industrial competitivo da R&R e sua presença significativa no varejo”.

O CEO da R&R, Ibrahim Najafi, diz estar “entusiasmado com o potencial da Froneri e a oportunidade da R&R fazer uma parceria com a maior e melhor empresa de alimentos do mundo. Nos últimos anos, R&R tem crescido significativamente, e a composição das Pessoas das duas organizações permitirá criar uma equipe líder orientada para direcionar o crescimento futuro”.

Enquanto a Froneri ainda não chega com seus produtos ao Brasil, a Nestlé segue inovando com mais itens para os consumidores. No ano passado, a empresa estreou com sua linha de gelato – L’arte Italiana. A linha estreou com quatro sabores exclusivos: Vaniglia, com favas de baunilha; Caramelo Salato, de caramelo com notas de sal marinho; Limoncello, de siciliano; e Cioccolato Nero, de cacau com gotas de chocolate.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

dezesseis + 15 =