Resgate às características artesanais

Tendo como pontos de partida a saudabilidade e a sustentabilidade, itens presentes em várias cozinhas pelo Brasil trazem à tona a singularidade das receitas caseiras

0

Entender as necessidades dos consumidores e satisfazê-las com excelência, oferecendo produtos e serviços de qualidade. Embora isso pareça fácil em um primeiro momento, a tarefa pode ser muito difícil quando uma empresa se propõe a colocar esse tipo de pensamento em prática, com todas as nuances presentes no cenário atual e um ou outro entrave que pode surgir no meio do caminho. Um dos maiores desafios para que a ideia seja realizada com êxito é o fato de os gostos dos consumidores estarem frequentemente em transformação, exigindo um acompanhamento constante do mercado e dos anseios das pessoas para que se possa acompanhá-las e garantir, assim, a proximidade delas em qualquer tempo.

Se antigamente, por exemplo, a preocupação com a saudabilidade dos alimentos não chegava a ser alta entre muitos clientes, atualmente ela marca presença entre os mais diferentes tipos de público e costuma direcionar bastante as compras, sendo um dos motivos principais, muitas vezes, para que um determinado produto seja escolhido em detrimento de outro. O mercado, nesse sentido, definitivamente já não é mais o mesmo e é preciso que haja uma adaptação a ele para que se possa continuar crescendo. Os números ilustram bem essa realidade e o quanto é importante para os empreendedores se atentarem a esse fator, para que eles tenham a possibilidade, assim, de realmente fazer com que a sua lucratividade não fique prejudicada. De acordo com um estudo feito pela agência de pesquisa Euromonitor, de 2009 a 2014, houve um crescimento de 98% do mercado de alimentação ligado à saúde e ao bem-estar, mostrando toda a sua força e potencial.

Muitas vezes, a descoberta de uma demanda dos consumidores ainda não satisfeita vem da própria experiência pessoal no mercado, quando se procura algum tipo de produto para adquiri-lo e se percebe que ele ainda não é algo, de fato, existente, apesar de tantos lançamentos e tendências atuais marcarem presença no segmento de alimentação fora do lar. Essa é mais ou menos a história da Caldo Natural, que foi fundada no ano de 2015. Tendo, como ponto de partida, a ideia de oferecer um produto que esteja na contramão dos caldos de cubinhos industrializados, que costumam conter substâncias artificiais, a empresa criou uma linha de caldos caseiros, com foco em resgatar a memória afetiva de comer bem. Desenvolvidos de maneira artesanal, os produtos são o resultado da utilização de alimentos que, muitas vezes, seriam descartados nas cozinhas, ressaltando a sustentabilidade e toda a sua importância, sobretudo nos dias de hoje, em que isso ganhou tanta força e é motivo de preocupação de diversas empresas não somente no Brasil, como em todo o mundo.

”Sempre produzi caldos em casa, com sobras e aparas de alimentos. Eu os mantinha congelados por meses no freezer, até um dia em que me vi sem caldo suficiente para fazer um jantar para alguns amigos. Foi aí que surgiu a vontade de comprar um caldo pronto, mas não achei nenhum de qualidade superior aos industrializados disponíveis no mercado. A partir daí, resolvi produzir e vender meus próprios itens”, conta o chef formado pela escola francesa Le Cordon Bleu, Rodrigo Boschi, que divide o comando da organização com a também chef Karina Zoca, profissional formada pelo Institute of Culinary Education, em Nova Iorque, nos Estados Unidos.

Praticidade

Os itens que são comercializados pela marca, de acordo com o profissional, apresentam várias diferenças daqueles que estão disponíveis atualmente no setor de alimentação. Ele ressalta que os produtos são frescos, congelados e idênticos aos caldos que são produzidos e usados por chefs renomados. São também 100% naturais, sem sal, sem conservantes e sem aromatizantes artificiais, segundo Boschi, além de realçarem o sabor dos alimentos, serem versáteis e de promoverem a praticidade para o consumidor. Já no que diz respeito ao modo de preparo, ele exige técnica e foco, uma vez que é realizado durante horas em fogo baixo.

“A produção, envase, armazenagem, distribuição e venda do caldo são feitas sob rígido controle de temperatura, mantendo as principais características do alimento e seus nutrientes, assegurando um controle de qualidade microbiológico”, diz o profissional, que também destaca as singularidades dos produtos da marca. “Cada sabor possui uma particularidade nutricional distinta. O caldo de galinha, por exemplo, é rico em colágeno. O caldo de carne é rico em aminoácidos e cálcio, extraído do tutano e ossos bovinos. Já o de legumes possui muitas fibras e tem 0% de gordura”, afirma ele.

De acordo com Boschi, o item tem sido muito bem aceito pelo mercado. Ele afirma que, para quem trabalha nas cozinhas de restaurantes, o uso de caldos naturais já é algo habitual e bastante difundido no meio, dadas as vantagens que eles oferecem aos pratos. Mas isso, para ele, é apenas o começo de uma história que deve ser de ainda mais sucesso ao longo do tempo. “A nova linha de produtos está com uma ótima aceitação, e sabemos também que é apenas o início de uma longa trajetória. Levamos a bandeira da alimentação saudável a sério e queremos difundir essa cultura mais e mais entre as pessoas”, frisa ele.
O fato de o caldo ser bem versátil é destacado pelo profissional como um dos benefícios de investir nesse tipo de produto. Ele ressalta que o item pode ser utilizado em qualquer tipo de preparação e, ainda, que ele não é sazonal, o que ajuda a garantir as vendas durante todos os períodos do ano.

Apesar de oferecer bastantes vantagens em sua comercialização, conforme o profissional descreve e reforça, existem ainda algumas situações que são desafiadoras e que precisam ser trabalhadas. A primeira delas, como Boschi destaca, é linguística, uma vez que muitas pessoas costumam confundir o caldo com uma sopa.

“Depois, vem o desafio cultural, pois usar uma ‘pedra de gelo’ para realçar o gosto da comida não é comum em algumas cozinhas. Por fim, há, ainda, o desafio no campo do varejo, pois não é habitual procurar por tempero no freezer do mercado. Estamos aqui para justamente quebrar essas barreiras e resgatar o valor de uma cozinha verdadeiramente saborosa, saudável e, ao mesmo tempo, com a mesma agilidade que se tem com o uso de um produto industrializado”, diz ele.

Segmento

Quando se trata do mercado de alimentação saudável, para Boschi, ele irá se desenvolver de acordo com a informação das pessoas. Ele afirma que é preciso entender os impactos que a alimentação provoca na saúde e na qualidade de vida de todos, o que é algo que já vem acontecendo, segundo ele, provocando, inclusive, transformações no mercado.
“Vejo que a informação está aos poucos chegando às pessoas e isso faz com que o mercado se adapte e absorva novamente essa cultura de utilização de caldos naturais. Conforme a tecnologia, a informação e a qualidade de vida permanecerem em ascensão, o mercado de alimentação saudável crescerá”, salienta o profissional a respeito do assunto.
E, se é assim, a empresa pretende expandir a marca para cada vez mais locais, tornando o Caldo Natural um produto acessível, confiável e disponível em lugares que estão próximos dos consumidores. “Já tivemos uma longa caminhada de estudos para encontrarmos as receitas ideais para cada um dos sabores e, pela receptividade que recebemos até aqui, só temos a agradecer”, diz ele.

Para conquistar ainda mais pessoas e fidelizá-las, o profissional afirma que a empresa foca em fazer com que a experiência que os consumidores tenham com os produtos da marca seja realmente prazerosa na hora de cozinhar e também no momento de se alimentar. “Como chef, posso dizer: um cliente é conquistado na primeira prova. Estamos trabalhando em diversas ações para trazermos ao público essa experiência, seja nos pontos de vendas (PDVs), em eventos gastronômicos e/ou por meio de nossos canais e redes sociais. Nunca se falou tanto em alimentação saudável, e esse contato é essencial para difundirmos cada vez mais a cultura e o hábito de incluir o Caldo Natural no preparo de pratos no dia a dia”,
ressalta o profissional.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

um × quatro =