Produtividade no papel

0

Fundamentais no segmento de alimentação fora do lar, as impressoras apresentam recursos importantes para o bom funcionamento dos estabelecimentos

C om o mercado de food service crescendo, em média, 14,6% ao ano, segundo dados da ABIA – Associação Brasileira das Indústrias de Alimentação – e a tecnologia se inovando com o passar dos tempos, não há como negar a importância de um para o outro.
De acordo com a Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo, o uso do Equipamento de Cupom Fiscal (ECF) é obrigatório para estabelecimentos que efetuem operação com mercadoria ou prestação de serviços em que o destinatário ou o tomador do serviço seja pessoa natural ou jurídica não contribuinte do imposto.
A utilização desses produtos traz benefícios aos usuários. “O uso da impressora é obrigatório, conforme a lei. Além disso, ela nos auxilia no controle de pedidos e na cozinha, além do controle de pagamento das contas”, afirma Francisco Salles, gerente de operações do Applebee’s Rio e BH.
Para Salles, é sempre importante investir na qualidade, pois muitos dos defeitos se devem ao fato de as impressoras serem utilizadas por longos períodos. “No Applebee’s, operamos durante doze horas por dia e isso exige bastante dos equipamentos”, explica.
Novidades à vista
Subsidiária do grupo japonês Seiko-Epson Corporation, a Epson do Brasil está no setor de tecnologia desde 1984. Segundo Dulce Macedo, gerente de produtos da empresa, o mercado de alimentação fora do lar representa uma fatia considerável do comércio de mini-impressoras, tanto fiscais quanto não fiscais. “As impressoras têm participação importante no processo de automatização do negócio. Elas estão ligadas à melhoria do serviço, maior agilidade de atendimento, controle do processo, incluindo redução de perdas e desperdícios, melhor nível de estoque e, também, é peça fundamental no cálculo das obrigações tributárias junto ao fisco, que é o reconhecimento do ICMS devido”, afirma Dulce.
A gerente de produtos diz que o food service representa, aproximadamente, 15% do negócio de automação comercial. “No caso específico da Epson, dos produtos comercializados pelo canal de distribuição, posso dizer que cerca de 20% das nossas impressoras são direcionadas para este mercado”, acrescenta. Ela conta que este é o único segmento de automação comercial onde é possível encontrar uma proporção de uma impressora fiscal para até seis impressoras não fiscais, em um único estabelecimento comercial, todas com funções diferentes e bem definidas. “Num restaurante, temos obrigatoriamente uma impressora fiscal no caixa para a emissão do cupom fiscal. Todas as demais impressoras ficam espalhadas entre a cozinha, copa, bar ou até mesmo pelo salão”, diz.
A Epson conta com três modelos distintos. O destaque, conforme afirma Dulce, é a TM-H6000FBIII, que imprime cupom fiscal e cheque, autentica documentos e faz a leitura dos caracteres magnéticos do cheque (CMC-7), que viabiliza a consulta ao Serasa ou listas negras, reduzindo os riscos da operação. Outro modelo é a TM-T81FBIII, fabricada no Brasil, que, segundo a marca, é rápido, robusto, confiável e cabe no orçamento.
Em relação às impressoras não fiscais, o carro chefe da empresa é a família TM-T88, com a maior base instalada no mundo, segundo a gerente de produtos. Para o food service, mantém a versão TM-T88IV com interface Ethernet. Este produto tem uma “buzzer”, ou sirene, que sinaliza o final de uma impressão. A TM-T20 pode ser utilizada tanto na posição vertical, como fixada na parede, o que pode dar agilidade a ambientes como cozinhas. “Mas, se o restaurante preferir ouvir o barulhinho da impressão, podemos indicar a TM-U220, uma matricial que também pode trabalhar na vertical fixada na parede e, ainda, tem o diferencial de trabalhar com fita bicolor, com a qual podemos destacar o diferencial de pedido, reduzindo o número de pedidos errados, aumentando a produtividade e, com isso, o atendimento ao cliente”, diz Dulce.
Uma das características das impressoras Epson é a proteção contra água e gordura. “No caso da nossa TM-T20, disponibilizamos até um protetor de silicone contra respingos para o botão liga/desliga”, relata. Dulce também fala sobre a velocidade de impressão e a economia de papel e energia. “Com relação à economia de energia, dispomos da nossa linha de impressoras com certificação Energy Star, que comprova o reduzido consumo de energia, e, com relação à economia de papel, dispomos de funções para a redução do tamanho do cupom, ou seja, recibos legíveis em tamanhos menores, o que pode resultar em uma economia de até 30% no tamanho do cupom, que no final de um mês ou um ano é um valor significativo”, pondera.
Dulce Macedo conta que a Epson pretende investir mais nesse mercado e, este ano, lançará novidades para o setor. “Temos, pelo menos, quatro novos produtos para entrar ainda este ano e todos eles se aplicam a este mercado”, diz.
Soluções tecnológicas
Atuando ativamente neste mercado, a Bematech é provedora de soluções em tecnologia. O coordenador de marketing de produtos (hardware), Glauco Machado, diz que o mercado de food service é de extrema importância para a marca. “É um segmento cada vez mais profissionalizado e que vê valor em ter um bom conjunto de equipamentos sustentando sua operação”, ressalta.
A Bematech oferece dois modelos de impressoras fiscais: a MP-2100 THFI, uma impressora de entrada, voltada para check outs de operações mais simples, e a MP-4000 THFI, com velocidade de impressão e independência entre os módulos fiscal e de impressão. Como impressora de recibo (pré-venda) ou de cozinha, a empresa recomenda a MP-4200 TH, devido à sua velocidade, confiabilidade e facilidade de integração com os sistemas de gestão utilizados por seus clientes. “O principal valor está na união das suas características técnicas – adequação à legislação fiscal, velocidade de impressão, alta disponibilidade dos equipamentos – com os benefícios de dispormos de uma grande rede de assistência técnica que resulta em garantia da disponibilidade dos equipamentos do check out do estabelecimento, o que, neste segmento, constitui uma aplicação crítica”, afirma Machado.
O gerente de marketing de produtos explica que os processos de cada lanchonete ou restaurante variam, mas constituem-se basicamente de efetivação do pedido, preparação e entrega para o cliente, fechamento da conta e pagamento. “Em todos estes passos, temos equipamentos envolvidos, desde terminais de lançamento para o salão (FIT Básico), sistema de controle de cozinha (KDS) e todo o conjunto para o check out (CPU, monitor, leitores de códigos de barra, gaveta de dinheiro, além da impressora fiscal)”, completa.
Segundo Machado, a Bematech pretende continuar investindo nesse mercado. “A demonstração disso reside no portfólio sempre contendo produtos voltados basicamente para este mercado, como são o SB-8200 e o SB-9090 – CPUs Touch Screen com atributos claramente concebidos para o atendimento da frente de caixa do food service”, diz.
Opções para todas
as necessidades
A Elgin, empresa familiar com capital 100% nacional, também oferece, entre diversos produtos, impressoras para o food service. Segundo Fernandes Lima, gerente de produto, a marca conta com duas versões de impressoras não fiscais, utilizadas para impressão de pré-conta, demonstrativo de consumo, impressora de cozinha, impressão do delivery, dentre outros. “Uma é a Nix, indicada para alto movimento, extremamente robusta e ágil. A segunda é a Vox, para aplicações do varejo de baixo/médio movimento. Ambas desempenham a mesma atividade posicionada para públicos diferentes”, afirma. “No caixa, a impressora fiscal K dá conta do trabalho de qualquer porte de cliente. Desde restaurantes/bares muito pequenos até grandes redes de serviço”, explica Lima.
A Nix possui cinco tipos de portas, entre serial, USB e paralela, aceita papel desde 57mm até 82mm e é compatível com todos os softwares de automação comercial. A Vox tem compatibilidade com Windows e pode ser usada tanto na horizontal quanto na vertical.
Investimento contínuo
Com mais de 40 anos no mercado, a Urmet Daruma atua nas áreas de telecomunicações, automação comercial, informática e serviços. O gerente de produto de automação comercial, Shiguenori Hashimoto, conta que a empresa busca sempre investir no desenvolvimento dos produtos. “Podemos citar a velocidade de impressão de 300mm/s, a capacidade de MFD de 2GB e o modo pré-venda, que leva o ECF Daruma ao topo do ranking de produto”, afirma. De acordo com Hashimoto, por serem projetados para ser usados em regime de alta demanda, os equipamentos Daruma são robustos. “Além da robustez, a impressora possui mecanismos de proteção como sensor de temperatura na cabeça térmica e facilidades de limpeza da cabeça térmica”, completa.
Hashimoto explica que a configuração ideal de impressoras não fiscais é “interface WiFi para permitir mobilidade da impressora, guilhotina com corte parcial (os pedidos ficam na ordem de impressão) e instalação na parede, que economiza espaço na bancada e protege a impressora de respingos”.
Para o gerente de produto, o mercado de food service é uma grande oportunidade de negócios, pois os estabelecimentos como restaurantes e bares precisam automatizar-se para que, assim, aumentem a produtividade e satisfaçam seus frequentadores.

Applebee’s
www.applebees.com.br
Epson
www.epson.com.br
Bematech
www.bematech.com.br
Elgin
www.elgin.com.br
Urmet Daruma
www.daruma.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

nove + nove =