Produção de chocolates em impressoras 3D já é realidade

0

Primeiro estúdio de impressão 3D do mundo foi aberto este ano pelo grupo Barry Callebaut

Uma ótima e inovadora notícia para os amantes de chocolate. A produção do item em impressoras 3D já é uma realidade. Isso porque o Grupo Barry Callebaut, o principal fabricante mundial de chocolate e cacau de alta qualidade, anunciou, em fevereiro deste ano, que vai começar a oferecer chocolates feitos via impressão 3D por meio da marca de decoração Mona Lisa. Com o novo processo, clientes podem criar o seu próprio design, formato e tamanho dos chocolates.

Produção de chocolates em impressoras 3D  já é realidade
“Os chefs estão buscando inovação e customização. E, agora, têm acesso a produtos inéditos no formato e no sabor”, diz Fernando Brull, Gerente de Marketing da Barry Callebaut Brasil

De acordo com Fernando Brull, Gerente de Marketing da Barry Callebaut Brasil, a empresa “já inaugurou o 3D Printing Studio e está oferecendo o primeiro chocolate personalizado no mundo produzido em alta escala, sob a marca de decoração Mona Lisa. O Mona Lisa 3D Studio é o primeiro serviço para chefs de impressão de chocolate em 3D para a produção de peças únicas e em grande quantidade com designs nunca antes vistos, viabilizados pela tecnologia de impressão 3D. A impressão de peças de chocolate através da tecnologia 3D já existe, mas o Mona Lisa 3D Studio inova em dois pontos. Primeiro, em oferecer um serviço de customização de peças de chocolate em escala. E segundo por também oferecer esses produtos feitos em chocolate belga, enquanto a tecnologia existente só consegue usar cobertura, que não é chocolate de verdade”, explica.
Brull esclarece também que “o Mona Lisa 3D Studio foi lançado, primeiramente, no mercado europeu e a expectativa é que a fábrica consiga atender também o mercado brasileiro nos próximos dois anos. Os produtos serão customizados, de acordo com cada projeto. A comercialização será focada em chefs e marcas que, hoje, não conseguem executar suas criações em grande escala”, informa.

Primeira produção

A primeira produção feita por meio do novo Mona Lisa 3D Studio é o ‘Flor de Cacao’, do chef Jordi Roca, que tem formato de cacau e pode ser servido com uma calda quente de chocolate. “Essa nova maneira de trabalhar com chocolate vai surpreender os consumidores, com formas impensáveis produzidas em escala e com precisão impressionante. Eu, geralmente, me inspiro nas coisas que não posso fazer, pois representam um desafio criativo. Mas, agora, graças ao Mona Lisa 3D Studio, posso levar meu artesanato de chocolate para o próximo nível. Posso imaginar qualquer novo tipo de design e ele ganhará vida”, diz Roca.
Por meio de nota, a assessoria de imprensa da Barry Callebaut Brasil informou que “a iniciativa revoluciona o mundo do artesanato em chocolate, combinando tecnologia de produção líder de indústria, design personalizado e a experiência em chocolate de Barry Callebaut, permitindo que os chefs criem suas próprias criações únicas e as reproduzam de forma rápida e econômica. Não importa o tão complexo ou específico o design. Por meio do Mona Lisa 3D Studio, os chefs agora têm um mundo de novas ferramentas criativas à disposição. O Mona Lisa 3D Studio está equipado com a inovadora tecnologia de precisão capaz de imprimir milhares de peças por vez, mantendo uma aparência feita à mão. Chefs e clientes podem personalizar uma decoração de chocolate com design, forma e tamanho exclusivos, antes que uma equipe de designers transforme o produto em um protótipo digital 3D com amostras. Uma vez aprovado o protótipo, o produto final pode ser rapidamente reproduzido em escala. As criações podem ser usadas para sobremesas, confeitos, bebidas quentes e doces. O primeiro cliente do Mona Lisa 3D Studio é a Van der Valk, uma cadeia de hotéis líder na Holanda”.
Brull ressalta ainda que “o chocolate da impressora 3D é o chocolate produzido pela Barry Callebaut e a tecnologia foi desenvolvida para conseguir utilizar chocolate belga de alta qualidade. É chocolate belga amargo, para oferecer não só um produto visualmente apelativo, mas com sabor incomparável também. A Barry Callebaut é líder mundial na produção de cacau e chocolate de alta qualidade e isso inclui decorações de chocolate. Ser o primeiro a lançar peças de chocolate personalizadas através de tecnologia de impressão em 3D reforça esse posicionamento”, avalia.

Inspiração digital

Produção de chocolates em impressoras 3D  já é realidadeA assessoria de imprensa da Barry Callebaut divulgou também que um recente estudo feito pelo grupo apontou que 70% dos consumidores de chocolate buscam experimentar novidades relacionadas ao popular produto. Além disso, a fabricante descobriu que 6 a cada 10 dos consumidores interessados procuram compartilhar essas experiências nas mídias sociais, o que aumenta a visibilidade dessas criações feitas em impressão 3D.
“Millennials e centennials querem celebrar a vida com novas experiências e histórias. Nesse contexto, a estética alimentar é cada vez mais importante. A impressão 3D atende aos desejos desses consumidores, ultrapassando os limites do que é possível esteticamente. Com a nova tecnologia, os chefs podem desenvolver criações únicas e expandir sua arte enquanto trabalham com chocolate belga”, diz a nota.
Brull, por sua vez, frisa que “os consumidores buscam novidades, fotografam tudo antes de comer e compartilham suas experiências. E as peças 3D criadas em chocolate buscam atender essas expectativas. Além disso, os chefs estão buscando inovação e customização. E, agora, têm acesso a produtos inéditos no formato e no sabor”, afirma.

Consumo mundial de chocolate

Produção de chocolates em impressoras 3D  já é realidadeSegundo dados da Confectionary News, da Target Map 2014, e da Euromonitor, a Suíça é o país que mais consome chocolate no mundo. O levantamento aponta que um suíço come, em média, nove quilos de chocolate por ano. O segundo lugar no ranking é ocupado pela Alemanha com 7,9 Kg, seguida de perto pela Áustria, a Irlanda e o Reino Unido.
No Brasil, conforme levantamento da Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Amendoim e Balas (Abicab), o consumo per capita em 2019 foi estimado em 2,6 kg de chocolate por habitante.
“O chocolate é um produto caracterizado pelo consumo em momentos de indulgência e sabemos que, por não ser um item de primeira necessidade, acompanha o desempenho da economia. Contudo, o Brasil ainda consome pouco do produto em comparação a outros países, o que indica oportunidade para o crescimento da categoria”, contextualiza o presidente da Abicab, Ubiracy Fonsêca.

Barry Callebaut
www.callebaut.com

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

18 − seis =