O chef vai até você

0

Personal chef é bastante solicitado não só por famílias, mas também por empresas que buscam aperfeiçoamento dos colaboradores

Um chef de cozinha tem diversas atribuições e atividades no cargo que exerce. Além de saber cozinhar, é claro, tem de ser criativo, versátil, perspicaz e ter bastante jogo de cintura para driblar as adversidades da profissão. Nesse cenário, atualmente, o personal chef tem ganhado cada vez mais espaço.
O personal pode ser um chef pessoal, por exemplo, de um amante da cozinha que faz questão de aprender individualmente, ser contratado por uma empresa para ensinar seus funcionários, e até mesmo ser um chef exclusivo, único, de uma pessoa que que ser ensinada de forma diferenciada, e exclusivo, igualmente, de uma companhia ou organização para os mesmos fins.
Nem todos os chefs são personal, mas quem inclui essa modalidade em seu currículo tem também muito a ensinar sobre o mundo da alimentação.

Trabalho

“Na N.O.S Escola, já começamos abordando as atividades de um chef de forma diferente. Isso porque nossos alunos são apresentados à culinária vegetariana, e não temos nenhum preparo com proteínas animais”, esclarece Fernanda Magalhães, natural chef e raw food chef (especialista em comida crua / in natura a ser consumida).
O trabalho de um personal chef quando Fernanda e os demais chefs vão até às casas dos clientes e visitam a sua cozinha é atendê-los da melhor forma possível, dentro dos requisitos que eles solicitaram.
“Adequar alimentação com base nas necessidades, fazer a transição da dieta, vegana ou vegetariana, ou ainda, se consultou a um nutricionista e precisa seguir uma dieta que lhe foi orientado, nós cozinhamos as receitas específicas para tal dieta”.
Para a coordenadora, tem como diferença básica em relação às outras profissões que trabalham como personal a questão do envolvimento com a pessoa.
“No nosso caso, pode não existir um envolvimento direto, pois por muitas vezes podemos cozinhar para o outro também sem nem ele necessariamente estar presente no preparo”, considera.
Bettina Nielsen, natural chef, health coach (treinadora de saúde) e coordenadora de curso da N.O.S reforça que o tipo de cliente atendido pelo personal chef é variado.
“O personal chef atende desde um cliente que quer aprender a cozinhar diretamente com ele, ou muitas vezes orienta cozinheiras, através de uma consultoria na cozinha, ensinando a elas como cozinhar várias refeições”.
Bettina explica que o diferencial de um chef natural, formado na N.O.S Escola, especializada para esse fim, é que esse profissional está preocupado com a alimentação do seu cliente, do seu estilo de vida, da consciência que seu cliente tem de mudar de hábitos alimentares.
“Abordamos o conceito de saúde integral na cozinha, falando sobre consumo consciente, embalagens, gerenciamento de resíduos, sustentabilidade, aproveitamento integral dos alimentos orgânicos (locais) etc.”, complementa.
De acordo com Fernanda, o foco da N.O.S não é somente ensinar as técnicas de gastronomia, mas se preocupa também em mostrar aos seus alunos que tudo está relacionado, ou seja, “com a sazonalidade, aproveitamento integral do alimento, o impacto do alimento no todo”. A escola localiza-se na cidade do Rio de Janeiro.

Atuação

O chef vai até você
A personal chef Malu Mello afirma que, embora seja uma profissão apaixonante, que a mídia em tempos recentes até “glamourizou”, um chef é um operário como qualquer outro

A personal chef Malu Mello afirma que, embora seja uma profissão apaixonante, que a mídia em tempos recentes até “glamourizou”, um chef é um operário como qualquer outro.
“Aliás, na verdade, é um trabalhador que não bate ponto, pois não tem hora para entrar e nem hora para sair. É um trabalhador que precisa estudar muito e até de maneira permanente. E que tem uma missão sagrada, que se divide em dois segmentos: respeitar a personalidade e o caráter dos ingredientes que a natureza lhe oferece e alimentar, nutrir, eventualmente com charme e elegância, mas sempre com sabedoria, quem busca o seu apoio”.
Malu também ressalta que “Geralmente, o interessado em um personal da nossa área é alguém que deseja ter condições de fazer almoços, jantares e até recepções em sua residência. E, também, alguém que, na sua residência, dispõe dos equipamentos e dos espaços para desfrutar das aulas”.
Para Malu Mello, é extremamente vantajoso que empresas também contratem um personal chef.
“No caso de uma empresa, também existe uma possibilidade de treinar funcionários e/ou dirigentes. Aprender como é o trabalho numa cozinha é precioso na estimulação de uma turma heterogênea a funcionar como uma equipe”, explica.
Malu também salienta que o personal chef se obriga a trabalhar com vários estilos – não tem rotina. Ele precisa estudar o seu cliente, seja uma pessoa, seja uma família, seja uma empresa.
“Cada evento tem um conceito diferente. Você precisa pensar em manias pessoais do contratante e até mesmo em suas restrições alimentares, se houver. Eu converso bastante com quem me contrata, faço uma pesquisa na história da família, da sua origem, das suas raízes, até o que adquiriu de gostos na gastronomia no decorrer do tempo. Eu me realizo, sinceramente, quando consigo resgatar memórias, mesmo quando realizo um menu autoral. E existe, claro, a eterna questão das crianças. Um ponto desafiador, principalmente com crianças de hábitos alimentares ruins. Essas, você precisa surpreender, mostrar que até uma salada pode e deve ser gostosa. E eu também, por fim, me empenho em ensinar o cliente a comprar corretamente seus alimentos e bebidas”.
A personal nasceu em um meio de agricultores e, por isso, valoriza os produtos orgânicos. E frisa mais um fator que considera fundamental. “Eu me esmero em ensinar às assessoras domésticas, ou às cozinheiras do lar, a compreenderem sua importância no processo todo. Já atendi muitas cozinheiras do lar que tratavam mal e com desperdício a comida dos seus empregadores. Essa postura logo vira um círculo vicioso e péssimo para todos, quando é imprescindível defender a sustentabilidade”.
Malu tem vários casos de sucesso com crianças que aprenderam a saborear verduras e frutas, pessoas com doenças autoimunes que mudaram os seus parâmetros e melhoraram na saúde e na busca de um novo prazer: a diversão na cozinha. “Preciso de muitas mãos para contar as pessoas que ficaram minhas amigas”, diz.

Atendimento

O chef Melchior Neto pondera que a palavra personal, neste caso, significa pessoal, feito especialmente para aquela pessoa. “É um trabalho totalmente pensado e desenvolvido com exclusividade. E, sim, se assemelha a qualquer outro personal, cada um no seu segmento”.
Melchior atende muitas pessoas, inclusive empresas e artistas. “Após um briefing do cliente, sento com minha equipe, montamos o cardápio e elaboramos a estratégia do serviço. Meu diferencial é que, além da cozinha e do serviço de personal, ajudo também com contratação de bandas, decoração, ou seja, auxilio com ótimos parceiros para que o evento seja perfeito”.
Melchior é chef de cozinha que, além de atuar nos três restaurantes que conduz, trabalha com cardápios personalizados para festas e eventos.
“Como personal chef, nossa principal função é atender às expectativas do cliente no que se refere ao que vai ser servido e também ao serviço, já que somos responsáveis não só pelo preparo, mas também pelo atendimento no decorrer da festa”.
Há seis anos, Melchior cuida da confraternização de fim de ano da apresentadora global Ana Maria Braga e faz eventos para grandes montadoras de veículos, a exemplo da BMW.

N.O.S ESCOLA
www.nosescola.com.br
Chef MALU MELO
Instagram @malucmello
Chef MELCHIOR NETO
Instagram @melchiorchef

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

dezoito + dez =