Mudanças saindo do forno

0

Em tempos de isolamento social, padarias têm lançado mão da criatividade e de diferentes formas de atendimento

Com as medidas de isolamento social adotadas como forma de combate ao Covid-19, as padarias precisaram se adaptar. Empresas do ramo investiram em diferentes formas de produção, atendimento e entrega, sem deixar de lado a criatividade, visando não perder a característica de proximidade que as fazem ser parte do dia a dia do brasileiro.

Adaptar e repensar

Mudanças saindo do forno
“A nossa ideia é prosseguir com o sistema de delivery, pois é um modelo que vai ganhar força mesmo após a quarentena”, diz Pascal Abadie, chef e CEO da Jules L’art du Pain

Para saber o que as padarias vêm fazendo para se adaptar à crise, conversamos com estabelecimentos da área. Pascal Abadie, chef e CEO da Jules L’art du Pain, localizada em Moema, São Paulo capital, fala acerca da simplificação no negócio.
“Na minha opinião, não teve nenhuma mudança em nossa forma de trabalhar. Eu apenas simplifiquei o terraço (salão) que não está mais funcionando. Isso facilitou e tornou a operação da Jules mais simples durante a pandemia”.
Pascal, natural de Toulouse, na França, diz também que o modelo adotado é comum para ele, pois este já é tradicional em seu país natal.
“Esse modelo com as pessoas vindo buscar para comer em casa é tradicional nas boulangeries francesas. Apesar dessa mudança, esses novos modelos vão simplesmente prosseguir no jeito que estamos acostumados de trabalhar na França”.
O chef afirma ainda que pretende continuar apostando nos serviços de delivery mesmo após o fim da pandemia.
“A nossa ideia é prosseguir com o sistema de delivery, pois é um modelo que vai ganhar força mesmo após a quarentena. Com a pandemia, as pessoas começaram a ficar mais em casa, pedir o delivery e também se acostumaram a tomar café da manhã nas suas casas, por isso é um modelo de negócio que vai perdurar durante um bom tempo”.
De acordo com Pascal, os clientes receberam bem as mudanças impostas pela necessidade de isolamento social. Estas, inclusive, levaram os produtos da padaria para novos lares.
“Foi muito boa (a recepção dos clientes). Mesmo antes da pandemia, 70% dos clientes vinham aqui, pediam os produtos da Jules e levavam para comer nas suas casas. Então, quem fazia isso não interferiu, pois seguimos com as portas abertas para retirada. E quem mora mais longe passou a nos conhecer por meio do delivery. Apesar de toda a crise que a pandemia trouxe, nós conseguimos aumentar nossa zona de influência”.
O chef e CEO destaca o papel da tecnologia no momento atual, visto que a Jules L’art du Pain lançou um aplicativo de celular próprio, para atender a seus clientes.
“O aplicativo é um meio de aumentar o serviço e conseguir entregar pães especiais de longa fermentação sem as pessoas saírem de casa durante a pandemia. Afinal, o COVID-19 obrigou a Jules a trabalhar do mesmo jeito que as boulangeries operam na França e criar um aplicativo que não teria sido criado caso não tivesse a pandemia. Todo essa crise me permitiu repensar no meu call business, que é o de boulangerie, charcutaria, viennoiserie, sorveteria e chocolateria. Ou seja, após a pandemia nós vamos seguir à risca o modelo de negócio das padarias artesanais francesas”.

Segurança traz confiança

Mudanças saindo do forno
A Casa Bonomi é mais uma padaria que vem trabalhando para amenizar os impactos da pandemia e conseguir bons resultados

Luiza Carneiro é proprietária da padaria Boníssima Vila da Serra, localizada na cidade mineira de Nova Lima. A empresária conta sobre as mudanças que efetuou na padaria em decorrência da pandemia.
“Com a pandemia, tivemos que fazer o controle de clientes dentro da loja, para evitar a aglomeração. Colocamos toten de álcool gel em todas as entradas da loja e espalhamos display de álcool gel na loja inteira. Disponibilizamos luvas descartáveis na entrada da loja. Aumentamos a limpeza da nossa loja. No nosso restaurante, tivemos que diminuir a capacidade, para 30%. Começamos a trabalhar com todos os produtos da padaria já embalados. Fizemos uma campanha para os nossos colaboradores entenderem a importância da maior higienização das mãos e forma de contágio. Marcamos a loja, com delimitação de espaço, afastamento dos clientes dentro da loja. Aumentamos a capacidade do nosso delivery. Criamos delivery do nosso restaurante, fazendo várias promoções, como pizza e massa em dobro. Começamos a entregar marmitex para atender os clientes de almoço”.
Luiza também fala sobre a importância e dificuldades de adoção das novas formas de trabalho. A empresária afirma ainda que manterá algumas das mudanças mesmo após o fim da pandemia.
“A importância é que assim a gente gera uma maior confiança entre os nossos clientes, para poder frequentar nossa loja em segurança. A maior dificuldade é a mudança dos hábitos, apesar de que hoje a maioria das pessoas já acostumaram com o ‘novo normal’. Com certeza (continuaremos a adotar algumas das mudanças após o fim da pandemia). O delivery, por exemplo, e também os produtos da padaria já embalados”.
Perguntada acerca da relevância da tecnologia, Luiza destaca que a padaria Boníssima está presente nos principais aplicativos de entrega e que utilizá-la com sabedoria garante que os clientes se sintam mais seguros e que a tendência do delivery seguirá crescendo.
“A tecnologia tem sido uma ferramenta importantíssima nessa pandemia, pois as pessoas têm saído menos de casa, o que as faz pedirem mais por aplicativos, sites, WhatsApp e etc. Os clientes querem ter menor contato possível com outras pessoas e acabam acostumando com esse novo hábito e a maioria tem gostado muito. Tenho certeza que isso vai continuar, mesmo após a pandemia. Elas perceberam o quão cômodo e fácil é fazer pedidos virtualmente”.

Novas formas de encontro

Mudanças saindo do forno
“Se por um lado percebemos que através dos aplicativos de entrega, do Instagram e do Whatsapp, temos alcançado novos clientes, por outro sentimos muita falta dos encontros que tínhamos pelo bom e velho tête-à-tête”, diz Paula Bonome, proprietária da Casa Bonomi

A Casa Bonomi é mais uma padaria que vem trabalhando para amenizar os impactos da pandemia e conseguir bons resultados. Para saber mais sobre as atividades do empreendimento, conversamos com Paula Bonome, proprietária do estabelecimento, que relata as principais mudanças adotadas após o início do isolamento social.
“Nunca havíamos trabalhado com delivery antes, mas talvez a mudança mais impactante foi a nossa relação com os meios de atendimento digital em geral. Ainda estamos nessa mudança, sinceramente. Nossa forma de atendimento era principalmente pessoal, presencialmente mesmo, e mantínhamos apenas o Instagram como meio digital de atendimento – ainda assim de forma bem tímida. Então, de um dia para o outro, nos vimos precisando alcançar as pessoas pelo site, pelo WhatsApp, pelos aplicativos de delivery… isso não fazia parte do nosso mundo e de repente tornou-se nossa única saída. Ainda estamos aprendendo, mas tem sido meses muito trabalhosos”.
Paula frisa a necessidade das novas formas de trabalho e adoção dos meios digitais.
“Essa mudança para os meios digitais de atendimento se tornou, de certa maneira, incontornável para nós – eles têm sido, afinal, a principal forma de nos mantermos funcionando durante essa pandemia. Além do enorme esforço que é ter de aprender rapidamente as melhores maneiras de utilizar esses novos meios, talvez nossa maior dificuldade esteja na adaptação da estrutura que eles oferecem (que já vem pronta e com pouca flexibilidade) com a nossa maneira de produzir e de vender. Entrar na Casa, sentir o cheiro do pão saindo do forno, receber seu prato bem apresentado e na temperatura ideal, tudo isso faz parte de uma experiência que se perde um pouco através dos meios digitais – e que estamos tentando aproximar cada vez mais. Por isso, se por um lado percebemos que através dos aplicativos de entrega, do Instagram e do Whatsapp, temos alcançado novos clientes, por outro sentimos muita falta dos encontros que tínhamos pelo bom e velho tête-à-tête”.
A empresária ainda fala sobre perspectivas, afirmando não ser possível fazer prognósticos.
“É difícil prever qualquer coisa nesse momento, não é? De certa maneira, estamos construindo uma forma de comunicação diferente com os clientes que não iremos simplesmente parar assim que tivermos segurança para voltar a abrir a loja, isso é certo. Afinal, esperamos que todo esse trabalho que estamos tendo de criar um espaço virtual que seja mais a cara da Bonomi perdure por mais tempo. Mas uma coisa não exclui a outra, e esperamos que essa seja uma das alternativas, e não a única, como tem sido este ano”.
Paula também fala acerca da recepção dos clientes às novas formas de trabalho da Casa Bonomi.

Mudanças saindo do forno
“Todo essa crise me permitiu repensar no meu call business, que é o de boulangerie, charcutaria, viennoiserie, sorveteria e chocolateria”, afirma Pascal Abadie, chef e CEO da Jules L’art du Pain

“Aqueles que já conheciam a Casa entenderam a grande mudança que esse contexto impôs para gente e foram compreensivos e solidários, e a eles somos muito gratas! Em sua grande maioria, as pessoas têm nos recebido bem, inclusive aquelas que oferecem sugestões e conselhos que, em grande parte, são essenciais para irmos pensando juntos maneiras de melhorar nosso atendimento por esses meios digitais. De maneira geral, foi bom receber o incentivo, a paciência e o carinho dos
clientes durante toda essa mudança”.
Por fim, Paula ressalta o papel e importância da tecnologia para a padaria num momento como este.
“Até o momento esses aplicativos têm sido a única saída para nós e muitos outros estabelecimentos – ao menos a saída mais segura. Mas ser a única saída tem seus prós e contras, não é? Ao mesmo tempo que eles te ajudam a se manter nesse momento, nos vemos à mercê das políticas que eles trazem e é bem difícil de contorná-las nesse momento de fragilidade. Não há dúvida que a tecnologia ajuda muito fazendo essa ponte entre nós e aqueles que estão seguros em sua casa, e temos percebido cada vez mais o quanto essa ponte pode alcançar inclusive aqueles que antes não conheciam a padaria, por não fazer parte de seu trajeto ou por ser muito distante. De certa maneira, ela tem aproximado mais a Casa das pessoas ao transpor a distância física que é impedimento para muita gente. Mas isso é um tipo de proximidade, e sentimos bastante falta das outras, com a casa cheia, a mesa posta, o cheiro do pão quentinho saindo do forno e da boa companhia”.

Jules L’art du Pain
www.padariajules.com.br
Boníssima
www.bonissima.com.br
Casa Bonomi
www.casabonomi.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

dois + 13 =