Ketchup, acrescentando sabor

0

Seja em cima de sanduíches ou em salgados, os ketchups são fundamentais no uso culinário. Ele é produzido com tomates e outros temperos e ganhou grande valor com as redes de fast-food.

Algumas pessoas acreditam que o ketchup tenha surgido como molhos para peixes, baseado na cultura chinesa, chamado de ketsiap (molho). Já na Malásia, outro molho tem uma versão parecida, ganhando o nome de kechap, que significa “gosto”. O molho teria sido levado aos Estados Unidos através dos britânicos. Lá, sofreu algumas alterações e ganhou o tomate como ingrediente principal.

Tradição

Unilever Brasil é uma das pioneiras na produção de ketchup no país. Além do respeito e tradição que as marcas da companhia possuem, a empresa está sempre pensando em inovações para a categoria.

Com a Hellmann’s nesta categoria, surgiu a Arisco, que também oferece ketchup para os clientes. De acordo com Rodrigo Bertoncini, Diretor de Marketing daUnilever Foods Solutions, a companhia utiliza as duas marcas para atender às necessidades existentes dos diversos consumidores espalhados pelo país. “A Unilever oferece ketchup Hellmann’s e Arisco para todo Brasil. Ambas têm qualidade e o melhor custo-benefício, mas as duas são marcas que se complementam e atendem às diferentes demandas que o Brasil possui”, explica.

Com diferenças culturais e de comportamentos, o Brasil segue como um país que oferece muitos desafios para as empresas. Muitas vezes, um produto tem melhor aceitação em uma região do que em outras. Esses números podem ser visualizados através de pesquisas realizadas pela empresa.

“Arisco é líder de vendas no Rio de Janeiro, onde a marca teve sua origem, além de Goiás, Minas Gerais e Nordeste. Enquanto Hellmann’s tem muita força no Sul e no Sudeste. Com características diferentes, as duas marcas oferecem os produtos, que são a melhor entrega para diferentes públicos. A empresa investe em pesquisas de comportamento de consumo para entender melhor a gastronomia regional e os hábitos de alimentação dos brasileiros. Por exemplo, no Rio de Janeiro, é comum que o ketchup seja utilizado em pizzas. Esse não é um hábito dos paulistas, que o utilizam mais em sanduíches. O Sul, por ter ascendência europeia, possui o costume de fazer lanche de noite, em vez de jantar. Sendo assim, lá é onde se tem o maior consumo de embutidos. No Nordeste, o ketchup é usado inclusive em massas, como a lasanha. Esse tipo de conhecimento é essencial para que a empresa trabalhe os produtos em diferentes formatos, atendendo de forma assertiva todos os públicos. Não à toa, a companhia investe fortemente nas atividades de pesquisa e desenvolvimento, e inovação”, ressalta.

Pensando através dessas pesquisas, a Unilever desenvolve diversos produtos e embalagens, levando em consideração o perfil do consumidor. Um dos últimos lançamentos em ketchup diz respeito a isso. Para desenvolver sachês que pudessem atender a essas necessidades, a Unilever fez uma pesquisa identificando quanto era consumido de ketchup, maionese e mostarda. Em parceria com o Instituto Ipsos, a empresa ouviu 252 pessoas e chegaram a conclusão que o cliente chega a abrir dois sachês de ketchup e maionese, mas sem consumi-los totalmente. Com esse resultado, o desperdício que poderia gerar aos estabelecimentos era de 35%.

ketchupEm abril, a Unilever Foods Solutions se posicionou a respeito da questão e criou novas embalagens. Além de minimizar o desperdício e evitar perdas no faturamento pelos empresários, os sachês também ajudam a reduzir a quantidade de lixo jogada no meio ambiente. “A partir desta constatação, as novas embalagens de ketchup e maionese passaram de 8g para 12g – o equivalente a um sachê e meio, ou seja, a proporção certa em apenas um produto. Reafirmando o compromisso da Unilever com práticas sustentáveis, o lançamento também foi desenvolvido para diminuir a quantidade de lixo dos estabelecimentos. Estudos da companhia estimam que, ao trocar os dois sachês de 8g por um da nova embalagem, que possui 12g do produto (maionese e ketchup), a redução da quantidade de lixo é de 44%. Para a embalagem de mostarda, a redução é de 56%”, ressalta.

Outra característica que promete facilitar a vida dos consumidores é o novo sistema Abre Fácil nos sachês Hellmann’s. A pesquisa foi importante nessa questão, pois ajudou a identificar um problema comum dos clientes na hora de abrir as embalagens. Para divulgar as novidades, a companhia lançou a campanha de comunicação “A luta acabou”, mostrando situações cômicas em que os clientes têm dificuldade em abrir os sachês.
O ketchup Hellmann’s está disponível nas embalagens em sachê 8g, sachê abre fácil 12g, Bag de 2,1kg e squeeze de 380g. Já a Arisco possui opções em sachê de 8g e a embalagem de 1,16kg.

A Hellmann’s está presente no Brasil há mais de 50 anos. Ela chegou ao país em 1962, com a primeira maionese industrializada. Logo surgiram outras novidades relativas a outros produtos, como o ketchup. Uma verdadeira revolução aconteceu em 1998, quando a Hellmann’s lançou as embalagens flexíveis em PET, com bico dosador. No ano seguinte, uma nova embalagem surgiu para o produto; dessa vez, no formato TETRA Brik, também conhecida como embalagem longa vida.

Já a Arisco surgiu em 1969 e logo se tornou líder na categoria de temperos em pasta. Atualmente, a empresa atua em cinco diferentes categorias, divididas em molhos (ketchup, maionese e mostarda), caldos, temperos, sopas e geleias de mocotó. Uma das mudanças mais recentes realizadas pela marca foi feita nas embalagens, tornando o uso mais prático para os consumidores.

Desde 2000, a Arisco pertence a Unilever, sendo vendida pela sua subsidiária brasileira da Bestfoods, que também foi adquirida no mesmo ano pela Unilever. A partir disso, a Arisco deu início a um novo período no mercado.

As duas marcas pertencem a Unilever, companhia que está há mais de 85 anos no Brasil. Com origem anglo-inglesa, a empresa está presente em mais de 190 países ao redor do mundo, dentro das categorias de limpeza, cuidados pessoais, alimentação, refreshment (bebidas de soja e sorvetes) e alimentação fora do lar.

Sucesso

Heinz é uma das marcas mais famosas no mundo na produção de ketchup. A empresa fabrica no Brasil dois tipos de ketchup diferentes: tradicional e picante. As embalagens disponíveis estão em versões com bico dosador e em sachê. Para a fabricação do famoso ketchup Heinz, são utilizados tomates frescos, plantados com sementes exclusivas da marca.

Criada por Henry John, em 1869, a Heinz surgiu como uma empresa que produzia raiz-forte em conserva e colocada em vidro transparente. Logo em seguida, surgiu um dos produtos mais famosos da marca, o ketchup. Em 1876, o molho foi lançado ao público, com uma receita que tinha mais vinagre em sua composição. A empresa, desde então, se comprometeu em fabricar uma receita mais pura e saborosa.

O sucesso nos Estados Unidos logo fez com que a marca pensasse em se expandir pelo mundo. Novos produtos foram incorporados ao portfólio da Heinz, como feijão e picles. O design dos produtos também ganhou destaque, desde o clássico em 1948, aos produzidos com 30% de material verde e renovável, em 2011.

Ketchup Strumpf

Baseado no conceito de produtos artesanais, o Ketchup Strumpf produz três receitas diferentes de produtos, em embalagens de vidros. A empresa conta que seu ketchup nasceu à beira do fogão a lenha, de forma bem familiar.

O Strumpf #1, também chamado de rústico, é definido como uma receita que não é nem tão avinagrada, nem tão adocicada. Uma das características realçadas no produto é o sabor do tomate, direcionado para o paladar adulto. Já o Strumpf #2 é o defumado, que possui adição de “liquid smoke”, um produto criado no século XIX, a partir da queima de madeiras nobres e a condensação. Por último, mas não menos importante, está o Strumpf #3, considerado Muito Apimentado. A receita do ketchup leva a bhut jolokia, pimenta que, segundo o Guinnes World Record, é a mais picante do mundo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

doze − 4 =