Fundação Cargill apoia Associação Reciclázaro e Escola de Jornalismo em São Paulo

0

Projetos foram selecionados pelo Edital 2019 e estimulam a alimentação saudável, segura, sustentável e acessível

No Edital 2019, a Fundação Cargill selecionou dois projetos da cidade de São Paulo, que tem como foco, a alimentação para receberem apoio técnico e financeiro ao longo do ano. Com o suporte, a Associação Escola de Jornalismo formará jovens de regiões periféricas de São Paulo em jornalismo gastronômico, capacitando-os para o mercado de trabalho. O projeto intitulado Prato Firmeza resultará em um guia impresso com 40 empreendimentos gastronômicos nas periferias de São Paulo, um outro guia metodológico do projeto para replicação e um seminário sobre comida e periferia.

A iniciativa tem como premissa fortalecer a gastronomia como expressão cultural nas periferias, valorizando a comida nesses locais e estimulando a população a comer melhor. O Prato Firmeza possui dois volumes anteriores já lançados e publicados em livro, sendo que ambos receberam reconhecimento em premiações literárias e de gastronomia. O guia conquistou o 6º lugar no Prêmio Jabuti 2017 – maior premiação literária do país; além do título de Menção Honrosa nas 20ª e 21ª edições do Troféu São Paulo Capital da Gastronomia na categoria Guia Impresso ou Eletrônico.

Outro projeto selecionado é a Tecnologia e Inovação em Agricultura Urbana da Associação Reciclázaro. Esta é a terceira vez que a instituição é apoiada pela Fundação Cargill. O novo aporte será utilizado para implantar um sistema de energia solar e captação de água da chuva para produção urbana de alimentos, integrados em hortas convencionais e fazenda de aquaponia. Além disso, implantará um sistema de automação aliado a sistemas de monitoramento de parâmetros essenciais para o cultivo.

A Fazenda Aquapônica da Reciclázaro já foi apoiada anteriormente pela Fundação Cargill. O primeiro aporte, no projeto Incluindo Novos Sabores, foi para a instalação inicial do sistema de aquaponia. No ano passado, o projeto expandiu e incluiu duas novas técnicas – o cultivo vertical em NFT (técnica de Cultivo) e a Aeroponia para cultivo de raízes e tubérculos. “O aumento da produção na nova construção contempla 1.350 plantas adicionais, as quais somando-se à produção de 600 plantas no sistema anterior, triplica a capacidade de produção da fazenda aquapônica urbana local”, explica Viviane Gonçalves, do Centro de Formação Profissional e Educação Ambiental (CEFOPEA) e responsável pelo projeto.

A Reciclázaro alimenta 500 pessoas por dia. Com esse novo projeto, o excedente da produção será vendido no empório orgânico da instituição, montado esse ano para ajudar a manter a sustentabilidade dos projetos já existentes. “A aquaponia serviu para nós cooperados, que trabalhamos dentro do CEFOPEA, termos uma alimentação saudável, sem agrotóxicos e fez também com que os 17 cooperados da cooperativa de reciclagem Vitória do Belém, que almoçam diariamente no Centro, entendessem a importância de hortaliças na vida do ser humano. Hoje eles consomem muito mais salada do que antes, inclusive em suas casas”, resume Juliana da Silva, da Cooperativa de reciclagem instalada dentro do CEFOPEA.

Uma das beneficiadas pelo projeto é a aluna da oficina de aquaponia Natália Scromov Espada. Seu pai, que perdeu os movimentos da mão direita e ter tido parte da visão e fala prejudicados após um acidente vascular cerebral (AVC), encontrou uma forma de se ocupar implementando o sistema de aquaponia em casa. “O raciocínio dele é perfeito, e era muito difícil encontrar algo que ele pudesse fazer para se ocupar, pois estava fisicamente limitado. Quando soube da oficina gratuita oferecida pela Associação Reciclázaro no CEFOPEA, ficou muito animado. Ele participou comigo da oficina e agora sabemos que é possível implementar um sistema de aquaponia em casa, que além de produzir nossos alimentos, será uma ocupação, uma terapia e um motivo de orgulho para ele por se sentir incluído e participante”, resume.

Com o objetivo de estimular o desenvolvimento de projetos realizados por organizações da sociedade civil ou pessoas jurídicas com negócios de impacto social que estejam num raio de até 150 quilômetros do entorno das unidades e escritórios da Cargill, a Fundação Cargill selecionou 13 projetos de 8 estados brasileiros utilizando como critério o alinhamento e coerência com o propósito da instituição; a consistência, o impacto e a relevância do projeto proposto; assim como sua perenidade e a possibilidade de ser replicado em outros locais. “Nossa equipe busca projetos que promovam a alimentação saudável, segura, sustentável e acessível do campo ao consumidor e seleciona os que combatem a perda e desperdício de alimentos e que fortalecem o empreendedorismo na cadeia da alimentação e/ou soluções e pesquisas no setor”, ressalta Yuri Feres, diretor-pres idente da Fundação Cargill. Mais informações sobre o Edital 2019 e as 13 iniciativas selecionadas estão disponíveis na página oficial da Fundação Cargill: www.alimentacaoemfoco.org.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

5 × dois =