Função: crescer no mercado

0

A preocupação com a saúde é cada vez maior entre os brasileiros, conforme mostram as pesquisas. De acordo com um estudo recente realizado pela FIESP (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) e o IBOPE (Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística), a procura por alimentos mais nutritivos, por exemplo, cresceu 32% nos últimos anos. Outro estudo, divulgado recentemente pela Mintel, apontou que 66% dos entrevistados declararam que consomem frutas e vegetais diariamente e 22% deles buscam seguir uma dieta com baixo teor de gorduras.

Importantes e cada vez mais presentes em uma dieta saudável, os alimentos funcionais são aqueles que exercem funções metabólicas ou fisiológicas no organismo, atuando no crescimento, desenvolvimento, nutrição, proteção, entre outras. Os alimentos funcionais têm, obrigatoriamente e comprovadamente, substâncias capazes de melhorar a saúde ou reduzir o risco de doenças crônicas e degenerativas, além de proteger contra envelhecimento precoce, celulite e acnes, ajudar no funcionamento do intestino e reduzir a absorção de gorduras.

A origem da ideia de alimentos funcionais se deu no Japão, na década de 30, quando o médico sanitarista Minoru Shirota descobriu a capacidade de lactobacilos presentes no leite fermentado de prevenir doenças gastrointestinais. O conceito de que o consumo de alimentos pode gerar benefícios à saúde, porém, é muito anterior. Começou com Hipócrates, considerado o “pai da medicina”, que há 2500 anos disse que “o alimento seja a tua medicina e que o medicamento seja o teu alimento” (Milner, 1999).

De acordo com o nutricionista Rodrigo Martins da Silva, especialista em nutrição clínica, esportiva, estética e imunonutrição, todos os alimentos devem, a princípio, ser considerados funcionais, pois cada um possui uma característica e função única para o organismo. “O que só agora está sendo discutido mais amplamente na sociedade é que existem alguns alimentos que destacam-se em suas características únicas em relação a outros, trazendo por fim enormes benefícios para o organismo”, explica.

Entre os principais alimentos funcionais destacam-se a abóbora, rica em caroteno e com ação antioxidante; a acerola, cuja ação antioxidante impede a formação de radicais livres, fortalece o sistema imunológico e auxilia na formação de colágeno; o alho e a cebola, que possuem substâncias que reduzem a incidência de tumores no estômago e no intestino e atua na prevenção de doenças cardiovasculares; a aveia, que regula o processo digestivo e reduz o LDL (o colesterol ruim); o azeite, que diminui o LDL e aumenta o HDL (o colesterol bom); a cenoura, que atua na proteção contra o câncer de mama; o chá verde, que pode reduzir a incidência de alguns tipos de câncer, principalmente de estômago; as folhas verdes, que previnem contra a degeneração muscular e destroem os radicais livres; o iogurte e o leite fermentado, que promovem o equilíbrio intestinal; a maçã, que diminui a taxa de bactérias na boca; os peixes, que reduzem os riscos de doenças cardiovasculares; a soja, que atenua os sintomas da menopausa, previne fraturas e reduz o colesterol ruim; o tomate, que reduz os riscos de câncer de próstata; e o vinho, que reduz o colesterol e estimula o sistema imunológico.

Apesar dos muitos benefícios, os alimentos funcionais não devem substituir as opções naturais como frutas, legumes e verduras, e só geram o efeito esperado no organismo se o consumidor mantiver um estilo de vida saudável. “Cada alimento funcional possui uma característica e função única no organismo, entretanto só com uma ingestão regular desse tipo de alimento, aliada a uma dieta balanceada, fará com que ele atue de forma sinérgica no organismo”, diz Silva. Esses produtos são indicados especialmente para pessoas com prisão de ventre, colesterol alta ou no limite e vida estressante.

A dieta com alimentos funcionais, conforme explica o nutricionista, é inicialmente muito similar à maioria das dietas, pois todas devem seguir as diretrizes e consensos internacionais e nacionais sobre nutrição e alimentação. “Entretanto, o profissional com enfoque na dieta funcional busca ir além, identificando os alimentos funcionais que trarão maior benefício ao paciente, de acordo com a necessidade ou patologia de cada um – perda de peso, obesidade, doenças crônicas como diabetes, HIV, hipertensão -, para que se tornem, com o tempo, hábitos alimentares”, diz Silva. Ele ressalta, ainda, que os alimentos funcionais só funcionam plenamente em uma dieta com baixa ingestão de gorduras saturadas – menos de 10% do valor calórico total diário – e com valor calórico diário ajustado às necessidades energéticas individuais do paciente.

Os alimentos funcionais foram regulamentados no Brasil em 1999 pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), que determinou que o registro dos alimentos funcionais só pode ser feito depois de comprovadas a segurança e eficácia de seu uso. Eles devem conter, obrigatoriamente, efeito metabólico ou fisiológico no crescimento, desenvolvimento, manutenção e outras funções normais do organismo. Os produtos são avaliados caso a caso, com base na documentação científica apresentada pela empresa, e depois de registrados nas categorias de “Alimentos com Alegações de Propriedade Funcional e ou de Saúde” ou de “Substâncias Bioativas e Probióticos Isolados com Alegação de Propriedades Funcional e ou de Saúde”, podem apresentar essas características em sua rotulagem ou material publicitário.

Os tantos benefícios e a crescente preocupação em relação à saúde entre a população fazem com que o segmento de alimentos funcionais ganhe cada vez mais espaço no mercado mundial, movimentando US$ 154 bilhões em 2011, de acordo com pesquisas do Insituto Euromonitor. A região da Australásia é o principal destaque do setor, seguida da América do Norte. Entre os emergentes, a América Latina é o maior mercado dos alimentos funcionais – o Brasil já é responsável por US$ 10 bilhões das vendas, o que representa 35% do total da região. “Outro dado interessante, que expõe o aumento da busca por esse tipo de alimento, encontra-se na Região Metropolitana de Porto Alegre, em que, de acordo com os fabricantes que incluíram os alimentos funcionais em sua linha de produtos, as vendas subiram 25% entre 2011 e 2012”, completa Silva.

Segundo o estudo, o consumo per capita desses produtos vem crescendo significativamente no país nos últimos anos e, atualmente, é de US$ 50, com tendência de crescimento. As projeções do Euromonitor são de crescimento de 19%, em valores reais, do setor de alimentação funcional no mundo. A média da América Latina deve ser maior que a mundial, de 23% e Bolívia, Colômbia, Argentina, Chile e Brasil serão os maiores polos. De acordo com Silva, a procura pela inserção desse tipo de alimento em uma dieta tem crescido por conta de muitos fatores. “Pode-se citar inicialmente o maior acesso à informação por parte da população, devido ao advento das mídias sociais; o aumento das pesquisas dos setores público e privado que identificaram substâncias nos alimentos que possam proporcionar benefícios à saúde do ser humano; e por último a iniciativa privada, que percebeu um nicho novo de mercado”, afirma.

O setor de alimentos funcionais está em constante renovação e, segundo Silva, todos os dias são lançados novos produtos nas prateleiras dos supermercados e pesquisas que comprovam propriedades antes desconhecidas. “Podemos citar muitos produtos com colágeno em sua formulação, desde água, biscoitos e requeijão, ou bebidas isotônicas com adoçante natural stévia, apresentados na Vita Foods 2013”, diz. Além disso, a semente de chia, originária do México e Colômbia, é “uma das últimas queridinhas do mercado e dos cientistas”, completa. De acordo com o nutricionista, o grão é fonte de proteínas, fibras dietéticas, ácidos graxos como ômega 3 e 6, vitaminas do complexo B – como tiamina, riboflavina e niacina – e minerais, tais como cálcio, fósforo, magnésio, zinco, potássio e cobre.

Em relação ao mercado, o potencial de crescimento do setor de alimentos funcionais no Brasil é prova do tamanho espaço que o país apresenta para investimentos nessa área. O marketing é um ponto importante para contribuir com o aumento da informação da população sobre os produtos e o consequente crescimento do consumo. Segundo o Portal Educação, as empresas do setor não devem “cair no erro” de valorizar mais o produto do que os benefícios proporcionados por eles e, sim, por meio de dados científicos e investimentos em qualidade, prometer apenas o que realmente podem cumprir. Além disso, os alimentos funcionais não devem ser vendidos como produtos milagrosos, capazes de reduzir drasticamente a possibilidade do desenvolvimento de doenças crônicas; eles precisam estar sempre associados à alimentação saudável e à prática de exercícios físicos, na promoção da melhor qualidade de vida.

O consultor Eduardo Faraco, especializado em food service, da Faraco Consultoria, diz que a demanda por produtos funcionais no Brasil apresenta-se crescente, com um perfil de público cada vez mais preocupado com seu bem-estar, e o que falta para o mercado alcançar seu potencial é uma divulgação maior, “por parte de empreendimentos e entidades, com foco nos ganhos que se pode ter com a ingestão desses alimentos”, diz.

Para os empreendedores que desejam começar um negócio na área de alimentos funcionais e abrir um estabelecimento, Faraco aconselha a contratação de consultorias especializadas, que podem realizar uma pesquisa de mercado para verificar a aceitação desses produtos e a oferta disponível, “no sentido de averiguar se não existem outras empresas na mesma região comercializando esse tipo de produtos”, explica. Além disso, deve ser feito um estudo de viabilidade econômico-financeiro, que demonstre a perspectiva de rentabilidade do negócio e o retorno de investimento. “Consequentemente, pode ser realizada a formatação do produto, com o leque de alimentos, serviços, preços, características do ponto de venda etc”, completa o consultor.

As lojas baseadas em produtos funcionais devem ter, de acordo com Faraco, um visual despojado e charmoso, e estarem dispostas em um lugar bem iluminado, arejado e com os produtos – funcionais, naturais e orgânicos – divididos por categorias. “O ideal também é que a gama de fornecedores seja variada, garantindo ao público um mix de produtos bem diversificado”, completa. Segundo ele, os atendentes devem ser muito bem qualificados e preparados para prestar todo o tipo de ajuda, principalmente em relação ao fornecimento de informações, detalhes, características e benefícios de cada produto.

Alimentação funcional para todos

A VP Consultoria Nutricional foi fundada em 1999 com o objetivo de ser uma facilitadora de informações atualizadas na área de nutrição. A empresa atua em diversos campos, conforme explica sua diretora, a nutricionista Valéria Paschoal: consultoria científica, que inclui a produção de laudos técnicos para lançamento de produtos, programa de visitações para promoção de produtos, elaboração de materiais técnicos científicos e de promoção de produtos no âmbito do marketing industrial; cursos de extensão, que abrangem as áreas de nutrigenômica, nutrição celular, bioquímica, gastronomia funcional, fitoterapia, cronobiologia, nutrição funcional e estética, modulação hormonal, micronutrientes, suplementação etc; e atendimento clínico, respeitando os princípios da Nutrição Funcional. Além disso, a VP Consultoria Nutricional é filiada à Universidade Cruzeiro do Sul (UNICSUL) e responsável pelos cursos de pós-graduação em Nutrição Clínica Funcional, Nutrição Esportiva Funcional e Fisioterapia Funcional, em todo o Brasil. Em breve, a empresa ainda deve oferecer pós-graduação em Gastronomia Funcional e MBA em Saúde e Bem-estar.

A individualidade bioquímica é conceito fundamental para a Nutrição Funcional. De acordo com Valéria, em vez de limitar-se à prescrição de dietas com alimentos funcionais tido como saudáveis – já que o que é saudável para uma pessoa pode causar doença à outra –, esse campo da nutrição rastreia as características e sintomas de cada paciente e os relaciona com a carência ou excesso de nutrientes. Isso torna possível corrigir “os desequilíbrios nutricionais que geram sobrecarga no sistema imunológico e desencadeiam ‘processos alérgicos’ tardios, os quais acabam por provocar doenças crônicas como obesidade, depressão, fibromialgia, artrite, reumatoide, síndrome do pânico, osteoporose, diabetes, distúrbios de comportamento e hiperatividade infantil, desordens estéticas e alteração no desempenho físico”, explica. Segundo ela, a alimentação funcional é vital para a saúde e bem-estar da humanidade.

Quanto ao mercado de alimentação funcional no país, Valéria afirma: “O Brasil está indo muito bem”. Segundo ela, existem empresas com produtos funcionais, orgânicos, de alta qualidade e que respeitam o meio ambiente. “Atualmente, é possível encontrar massas à base de milho e arroz. Legumes, verduras, frutas, ovos e carnes orgânicas proporcionadas por pequenos agricultores e criadores locais. Supermercados tradicionais já estão se conscientizando da individualidade humana e oferecendo diversidade para preparação de pães e bolos como farinha de arroz, farinha de mandioca, polvilho doce e polvilho azedo, fécula de batata, fubá etc”. Além disso, existem as casas de produtos naturais que oferecem pães, bolos, cookies sem glúten, suplementação vitamínica e as super foods, como a maçã berry, goji berry, camu-camu, espirulina, quinua, entre outras. “Deste modo, podem satisfazer às necessidades daqueles que possuem as intolerâncias ou alergias alimentares como os portadores da doença celíaca, doenças autoimune em geral e os intolerantes à lactose ou proteína de leite animal”, diz.

Em constante aprendizado, Valéria diz que está apenas no começo quando o assunto é nutrição funcional. De acordo com ela, novas propriedades e sinergias de alimentos, ervas e especiarias estão sempre sendo descobertas e mudam para melhor a vida das pessoas. “Entendemos que a alimentação funcional e, portanto, orgânica e saudável, é inclusiva no sentido de que todos podem se alimentar e receber os benefícios que ela proporciona, ao contrário da alimentação tradicional, que exclui todos os que são alérgicos, intolerantes ou simplesmente optam por uma alimentação mais saudável”, afirma. O mercado de food service apresenta grande potencial no que diz respeito aos alimentos funcionais, segundo a nutricionista, que diz que ainda há muito espaço para restaurantes, spas, hotéis, cafés, escolas e outros empreendimentos crescerem nessa área.

Valéria acredita que o conhecimento é o principal responsável pelo crescimento da alimentação funcional no Brasil. “Quanto mais o público conhecer os seus benefícios e entender a relação entre determinada situação de saúde – física e emocional – com o hábito alimentar, mais a demanda por produtos para atendê-lo crescerá”, conclui.

Potencial no Brasil

A nutricionista Ludimila Gouvêa buscava atualização profissional quando conheceu a nutrição funcional e decidiu se especializar na área. “Não dimensionava que modificaria completamente minha compreensão e possibilidades na Nutrição”, afirma.

Em maio deste ano, Ludimila participou do Congresso de Medicina Funcional nos Estados Unidos, cujo tema era relacionado à energia e fadiga. Ela conta que, durante o encontro, foram bastante discutidos os efeitos que a falta de nutrição adequada pode gerar no mecanismo celular, uma vez que as células são formadas de nutrientes.

Enquanto no país norte-americano a alimentação funcional está em estágio avançado de desenvolvimento, no Brasil esse mercado ainda é desconhecido por grande parte da população, apesar de encontrar-se em expansão, de acordo com Ludimila. Ela diz ainda que a grande tendência do meio atualmente é a Nutrigenômica, que está trazendo recursos que possibilitam modular a expressão gênica através dos nutrientes. “Ou seja, começa a ser possível silenciar ou acordar genes com uma alimentação direcionada para a prevenção”, explica.

Entre as principais novidades do mercado está a possibilidade de realização de novos exames, capazes de tornar a conduta nutricional mais adequada às necessidades de cada pessoa. Sobre esse assunto, Ludimila diz que a individualidade bioquímica é a base da Nutrição Funcional e, por isso, a indicação desse tipo de alimentos depende do perfil de cada pessoa. “Compreendemos que o que é ótimo para um indivíduo pode ser prejudicial a outro. Saímos do conceito de alimentação saudável de forma geral”. Além dessas inovações, a nutricionista destaca os produtos disponíveis hoje que contam com a adição ou restrição de determinada substância e possibilitam aumentar e melhorar o horizonte clínico do paciente.

Atualmente, Ludimila realiza atendimento clínico em consultório próprio, na Clínica de Nutrição Funcional Andréa Santa Rosa, e no ambulatório empresarial da OHL Brasil, além de prestar consultoria para empresas e fornecer treinamento para profissionais da saúde. Para o futuro, a nutricionista espera agregar mais estratégias, como novos exames e ferramentas de avaliação da Sociedade Brasileira de Nutrição Funcional, para que a individualidade bioquímica seja respeitada, além de “trabalhar para que um número maior de pessoas se beneficiem, pois acredito que isto sim é prevenção e saúde”, finaliza.

Trabalho sério

A Harmonia Produtos Naturais, casa de alimentação saudável localizada em São Leopoldo, em Porto Alegre, serve almoço e café da tarde, além de disponibilizar consultas com a nutricionista Sirlete Medeiros de Abreu, especializada em alimentos funcionais, e proprietária do negócio. “Partimos da ideia de que todo alimento é funcional. Nossa missão é trazer aos clientes o alimento mais íntegro possível, para preservar todos os nutrientes e micronutrientes perdidos na refinação”, afirma ela.

Sirlete é nutricionista desde 1985 e conta que a Harmonia Produtos Naturais decidiu trabalhar com esse tipo de produtos por ela sempre ter acreditado na alimentação como solução para várias patologias. “A simples ingestão de alimentos não garante a nutrição, precisamos de 44 nutrientes diferentes e só quando estes entrarem na célula podemos dizer que aconteceu a nutrição. Assim, a proposta da alimentação funcional é garantir que isso ocorra, respeitando a individualidade bioquímica de cada pessoa. Esse é o maior benefício, saber a diferença entre comer e se nutrir”, diz.

Segundo ela, os clientes do Harmonia Produtos Naturais procuram a casa em busca de uma alimentação saudável, que inclui os alimentos funcionais, mas não com esse nome, que ainda não é muito conhecido e divulgado. “Não vejo as pessoas procurando alimentos funcionais, mas sim diet, light, que emagrecem ou que são saudáveis”, diz. De acordo com Sirlete, o público do estabelecimento é, hoje em dia, bastante diversificado. “Temos clientes muito jovens querendo a prevenção de doenças, como também temos os doentes procurando uma solução”, conta.

O Harmonia Produtos Naturais completa, em 2013, 30 anos de atuação em São Leopoldo. Conforme conta Sirlete, nos últimos anos, a empresa conquistou crescimento de mais de 50%. “Nosso trabalho é muito sério e reconhecido pelos clientes. Estamos sempre crescendo e, principalmente, vendendo saúde”, conclui.

Gourmet e saudável

O Gastrô Gourmet, restaurante e escola de gastronomia fundado em 2008 e localizado em São Paulo, trabalha com vários alimentos funcionais em seu cardápio, como soja, quinua, trigo, farinha integral, chia, entre outros.

De acordo com Fernanda Lopes de Almeida, chefe e gerente comercial da casa, o Gastrô Gourmet trabalha com alimentos funcionais porque se preocupa muito com a alimentação e com a saúde de seus clientes. “Eles geram benefícios para a pele, coração, perda de peso e colesterol”, afirma.
O fato de o restaurante servir alimentos funcionais pode, segundo Fernanda, ser considerado um diferencial. “Principalmente quando feitos de uma forma gourmet e saborosa”, diz. Ela conta, ainda, que isso atrai e fideliza consumidores. “Tenho clientes que vêm almoçar aqui todos os dias, por causa da nossa variedade de grãos e saladas”, completa.

O número de pessoas que procuram o Gastrô Gourmet por causa dos alimentos funcionais tem crescido bastante, de acordo com Fernanda. “Isso acontece por causa da mídia, que tem falado muito sobre eles e explicado seus benefícios. Além disso, hoje todo mundo quer ter uma alimentação saudável”, diz. O público está bastante diversificado, segundo ela. “Homens e mulheres, classe AB, de 20 a 60 anos”, conta.
Em 2012, o Gastrô Gourmet cresceu muito e as expectativas para este ano são ainda melhores. “Nossa meta para 2013 é dar um boom, tanto no restaurante quanto em nossos cursos de gastronomia e eventos. Somos o resultado de um trabalho de cinco anos de muita dedicação”, finaliza.

Panificação funcional

A Fleischmann, marca de ingredientes para panificação e confeitaria com mais de 145 anos de história, apresenta a Linha Saúde de Mistura para Pães, com sete diferentes opções de pães saudáveis – divididas nas categorias integrais e light –, com o objetivo de atender as padarias que buscam produtos funcionais ou necessitam seguir alguma dieta especial.

A linha para o preparo de pães integrais conta com os produtos Pão Integral, Pão 7 Grãos e Pão Centeio, todos ricos em fibras, e oferece alguns diferenciais, como o volume final, a utilização de grãos selecionados e a aparência. O maior diferencial para os panificadores, porém, é que a mistura já vem com antimofo e com uma formulação que gera maciez no produto final.

Já a linha de misturas para pães light dispõe das versões Integral, Centeio, Branco e Linhaça. Todas elas deixam os pães macios por mais tempo, geram volume e expansão no forno, miolo leve, liso e homogêneo, produzem mais rendimento e alta absorção de água, que resultam em pães com validade de 6 a 10 dias.

Função de fidelizar

O Restaurante Arabesco, especializado em cozinha árabe e fundado em 1987, tem todo o seu cardápio elaborado com ingredientes ricos em nutrientes. De acordo com Beto Isaac, proprietário da casa, o cardápio possui alternativas desde as entradas, como as pastas árabes homus – com grão de bico e tahine – e babaganuche – com berinjela e tahine – a pratos principais como arroz sírio acompanhado com falafel, com bolinhos de grão de bico fritos com tahine. As saladas também contam com ingredientes funcionais; a fatuche, por exemplo, é composta de tomate, alface, pepino e cebolas picadas em cubinhos, e o tabule, que apresenta grãos de trigo com tomates, pepinos e cebola. “A coalhada, por exemplo, é uma poderosa aliada para quem sofre de carência de cálcio, como o caso da osteoporose. As pastas homus, babaganuche, tabule e kibes também carregam propriedades altamente nutritivas como cálcio, magnésio, ferro, fósforo e potássio”, diz Isaac.

Conforme conta Isaac, a decisão do Restaurante Arabesco de trabalhar com alimentos funcionais baseia-se na história do Oriente Médio, cujos povos se alimentam com grãos, cereais, verduras e frutas há milhares de anos, por esses produtos serem mais saudáveis e fáceis de armazenar. “O Restaurante Arabesco mantém a proposta de apresentar peculiaridades da cozinha sírio-libanesa. Suas maiores características são as iguarias produzidas com receitas de família, pratos fiéis em determinadas regiões do Líbano e da Síria, mas sempre pensando em refeições balanceadas, ricas em nutrientes benéficos à saúde”, afirma.

Os alimentos funcionais, segundo Isaac, vêm ganhando espaço na mesa dos brasileiros, e por isso o diferencial do Arabesco é, na verdade, oferecer pratos com esses ingredientes de forma diferente e saborosa. De acordo com o proprietário, isso é o que atrai e fideliza consumidores da casa. “O que faz com que nossos clientes voltem ou mesmo que venham conhecer é, na verdade, a qualidade dos ingredientes utilizados nos pratos, o que deixa a refeição saborosa e leve”, diz. Além disso, a tradição dos pratos é outro atrativo que conta pontos, já que, desde sua fundação, o restaurante mantém a proposta de apresentar as peculiaridades da história da cozinha sírio-libanesa. “Nossa preocupação é fazer com que os pratos sejam idênticos às receitas de minha avó. Por isso, não alteramos os temperos e proporcionamos aos clientes mais conhecedores dessa culinária e aos árabes mais saudosistas, pratos fiéis aos produzidos em determinadas regiões do Líbano e da Síria”, explica Isaac.

Segundo ele, as pessoas estão cada vez mais preocupadas em manter um estilo de vida saudável, com alimentação equilibrada e atividades físicas. Por isso, o consumo e a procura de alimentos funcionais estão em constante crescimento. “Nós conseguimos juntar ingredientes que proporcionem benefícios à saúde e de baixo teor calórico, mas sem perder o sabor dos pratos”, conclui.

Saudabilidade em alta

O Universo Orgânico é um espaço gourmet que busca promover saúde e bem-estar por meio de uma alimentação natural. De acordo com Alex Barg, proprietário, o estabelecimento trabalha com todos os alimentos funcionais. “Nós vendemos vários tipos de probióticos – iogurtes, fermentados, lactobacilos –, vários tipos de cereais e fibras, flavonóides – suco de uva e vinhos orgânicos – e temos vários produtos, tanto no restaurante quanto no mercado, riquíssimos em ômega 3, ácidos graxos – linhaça marrom, linhaça dourada”, diz. A cozinha da casa, ele completa, trabalha com alimentação viva e crua e, por isso, utiliza ainda muitas fontes de betacaroteno e licopeno.

Segundo Barg, o objetivo do Universo Orgânico é proporcionar aos clientes produtos orgânicos, de alta qualidade e ricos em nutrientes, e por isso aposta nos alimentos funcionais. “Há 10 anos trabalhamos, pesquisamos e estudamos ‘superalimentos’ e alimentos funcionais, ou seja, nossa proposta desde o começo é estar sempre oferecendo o melhor produto encontrado no mundo”, afirma.

Os alimentos funcionais são um diferencial no mercado de food service, na opinião de Barg, que conta que muitas pessoas procuram o Universo Orgânico em busca de mais saúde. “Atendemos uma clientela exigente, consciente e que estuda muito para poder manter a saúde, o que é muito importante nos dias de hoje, já que a comida industrializada está em toda parte e criando muitos tipos de doenças crônicas”. O ano passado foi muito bom para o Universo Orgânico, conforme conta Barg, pois superou as expectativas de crescimento – cerca de 10% em comparação a 2011 – com os novos Programas de Desintoxicação oferecidos pela casa e com os cursos ministrados pela chefe Tiana Rodrigues. “Esperamos um aumento ainda maior para este ano, já que os produtos orgânicos estão em crescimento de 20% ou mais ao ano e também pela procura bem maior por produtos de qualidade, ‘superalimentos’, alimentos funcionais e a alimentação viva”, conclui Barg.

Nutricionista Rodrigo Martins
www.nutrirodrigomartins.com.br

Anvisa
www.anvisa.gov.br

Instituto Euromonitor
www.euromonitor.com

Portal Educação
www.portaleducacao.com.br

Faraco Consultoria
www.faracoconsultoria.com.br

VP Consultoria Nutricional
www.vponline.com.br

Clínica Andréa Santa Rosa
www.andreasantarosa.com.br

Harmonia Produtos Naturais
www.harmoniasl.com.br

Gastrô Gourmet
www.gastrogourmet.com.br

Fleischmann
www.fleischmann.com.br

Restaurante Arabesco
www.arabesco.com.br

Universo Orgânico
www.universoorganico.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

14 − 13 =