Espaguete: liderança nas mesas

Espaguete é um dos principais responsáveis pelo grande número de vendas de massas no Brasil

0

O espaguete é o macarrão líder de consumo nas famílias brasileiras. Sua versatilidade em diversas receitas mostra um dos fatores que influenciam nesse favoritismo. Seja no tradicional macarrão ao molho, nos pratos ao forno e até mesmo em sopas, o espaguete está presente nos lares e, dentre outros cortes, é o favorito.

A produção do macarrão espaguete é igual ao de outras massas e tem como diferencial o tipo de corte feito. A base do macarrão é composta por farinha, normalmente de trigo, com outros adicionais que podem variar como ovos, água, sêmola etc.

Mercado brasileiro do espaguete

Em 2013,uma pesquisa realizada pela Qualitative Shopper Research – GfK Custom Research Brazil observou que o público do espaguete é bem amplo, abrangendo diferentes tipos de pessoas, em variadas faixas etárias.

O consumo de espaguetes no Brasil é alto. Esse é o tipo de macarrão líder entre os diversos outros cortes. De acordo com uma pesquisa realizada pelo Instituto Kantar WorldPanel e divulgada pela Associação Brasileira das Indústrias de Massas Alimentícias e Pão & Bolo Industrializado (ABIMA), o espaguete é o tipo de massa preferido nos lares brasileiros. A pesquisa ouviu cerva de oito mil pessoas em todo o país, das quais 57% escolheram o espaguete como macarrão favorito. Em algumas regiões, a preferência é ainda maior. O estudo mostra que nas regiões Norte e Nordeste do país os números chegam a 76%.
Por não ter pré-cozimento em sua receita, o espaguete é classificado como massa seca. De acordo com o levantamento feito pelo Kantar, esse tipo de massa é a favorita entre os consumidores, presente em 98,7% dos lares brasileiros.

Massas

A maioria dos brasileiros adora uma massa. Não é à toa que 99,6% dos brasileiros consomem algum tipo desse produto. Além desse fator, o produto já é considerado como item na cesta básica nacional. No portal da ABIMA, o Brasil fica em terceiro lugar no ranking dos países que mais faturam com massas. Em 2014, chegou a faturar US$ 2,191 bilhões em vendas. O país só fica atrás da Itália e dos Estados Unidos.

A Nielsen, junto com a ABIMAP, realizou uma pesquisa sobre a vendas de massas no Brasil. O resultado mostra um pequeno recuo na venda de massas alimentícias, que incluem massas secas, frescas e instantâneas. No período computado de 2010 a 2013, as vendas passaram de 1.232,48 mil toneladas (2010) para 1.204,98 (2013).No entanto, o faturamento aumentou. De acordo com o portal da ABIMAP, durante esse período, o montante passou de R$5,91 bilhões (2010) para R$6,95 bilhões.

Diversidade

O espaguete, queridinho nos lares brasileiros, possui diferentes espessuras e variações. De acordo com a marca Barilla, essas diversificações na massa são feitas para atrair todos os gostos do público. A empresa se inspira principalmente em países percursores dessas massas, como é o caso da Itália.

“O mercado de massas alimentícias é muito diversificado. Na Itália, existem infinitas opções de cortes, justamente pelo grande consumo de massas e, consequentemente, para que o consumidor tenha diferentes opções em seu dia a dia. Essa mesma variação de corte acontece entre os espaguetes, um é mais fino que o outro para termos opções para todos os gostos”, explica Fabiana Araújo, gerente de marketing da Barilla.

O grande consumo desse tipo de massa é o principal motivo para a empresa investir em espaguetes. Embora a Barilla não divulgue números por questões estratégicas, a empresa afirma que a produção desse tipo de massa é maior que as demais massas.

De olho nas pesquisas, a Barilla tem motivos de sobra para investir nesse tipo de macarrão. A empresa afirma que a demanda do espaguete é superior a outros tipos de massa que a empresa produz. “Esse macarrão não podia ficar de fora de nosso portfólio pelo fato de ser o corte mais vendido e apreciado por todo público consumidor de massas no Brasil”, afirma Fabiana.

A Barilla lançou recentemente uma linha de produtos sem glúten. Entre eles está o espaguete. A novidade foi pensada especialmente para o público que não pode consumir essa substância, como é o caso dos portadores de doenças celíacas.

A linha Gluten Free Barilla é produzida na Itália, feita com ingredientes como milho e arroz para garantir um produto livre de derivados do trigo. “Percebemos que seria importante investir no desenvolvimento de uma linha de massas para cada perfil de consumidor, como os adeptos da dieta glúten free, garantindo a oferta de um produto saboroso e com textura”, explica Maurizio Scarpa, diretor-geral da Barilla para o Brasil.

A linha livre de glúten está disponível nas opções de spaguett n° 5 e o Penne Rigate. “A Barilla tem um rico histórico de qualidade e confiança em seus produtos. Estamos comprometidos em levar o prazer da massa para todos, até mesmo àqueles que, por questões de saúde, precisam deixar de ingerir os derivados do trigo” , finaliza Scarpa.

A Barilla foi fundada na cidade de Parma, na Itália, em 1877. Possui 42 unidades de produção, sendo 14 na Itália e 28 em diversas regiões no mundo. A empresa produz 2,5 milhões de toneladas de produtos exportados que vão para mais de 100 países. Está no Brasil desde 1997, com um portfólio que abrange tanto massas importadas da Itália como massas nacionais.

Rendimentos

A J. Macêdo possui macarrão no corte de espaguete em três marcas: Dona Benta, Petybon e Brandini. Cada uma dessas marcas possui um público específico no qual se identifica, e é a partir dessas marcas que a J. Macêdo tenta abranger mais consumidores.

Além das marcas, o tipo de macarrão produzido também é diferente. Classificados em sêmola, linha econômica ou com ovos, essas diferenciações são pensadas especialmente no gosto de seu público e na demanda.

A sêmola é o nome que se classifica quando há moagem completa dos grãos. No caso do macarrão, a sêmola é uma farinha de trigo especial utilizada na composição dessas massas, diferente da farinha tradicional.

De acordo com Lucimara Andrade, gerente de produto da J. Macêdo, os segmentos econômico e sêmola são mais vendidos na região Nordeste. “Nessas regiões predomina a marca Brandini, com grande atuação entre as massas”, relata.

Já no Sudeste, a preferência é pela linha com ovos, com as marcas Dona Benta e Petybon. Outra categoria que tem ganhado destaque é a linha grano duro, que é considerada a linha premium, feita com trigo importado. “Esse segmento é o que mais cresce na categoria e Petybon é destaque, sendo considerada a melhor massa Grano Duro em pesquisa quantitativa realizada em 2014”, explica Lucimara.

O espaguete é um macarrão popular, comum nos lares brasileiros. Exemplo disso são as vendas da J. Macêdo. O espaguete é o corte mais vendido pela empresa. “Há uma preferência entre os brasileiros pelo corte espaguete. Ele é o mais vendido, representando em torno de 60% da venda da categoria”, diz.

Devido a imensa procura por esse item, o investimento para ele também é maior. Para isso, a J. Macêdo leva em conta critérios relativos ao público consumidor. “A J. Macêdo se preocupa em melhor atender seus consumidores, por isso, investe e produz o corte espaguete, já que é o formato mais procurado e consumido por eles”, afirma.

A J. Macêdo foi fundada em 1939 em Fortaleza, no Ceará, com uma diversa linha de produtos tradicionais. Atualmente, a empresa possui conta com diversos produtos relacionados à farinha de trigo, misturas para bolos, sobremesas, fermentos e biscoitos.

Seu portfólio contempla marcas conhecidas nacionalmente, como a Dona Benta, que possui produtos em quatro segmentos da empresa. Além disso, é detentora de outras marcas como Sol, Boa Sorte, Chiarini e outras.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

cinco − 4 =