Economia: Eficiência na gestão

0

Alta produtividade pode ser alcançada por meio de ações como programas de incentivos

Habitualmente, a produtividade de mão de obra de um estabelecimento do setor de food service é medida pelo volume de faturamento dividido pelo número de colaboradores. Essa variável está relacionada a vários fatores, tais como complexidade dos serviços, tipo de serviço, número de locais de distribuição, tecnologia operacional, entre outros. Essa variável, no entanto, deve ser avaliada caso a caso.

Marcia Chilio, sócia-diretora da Libbra Consultoria, explica que, com a mudança do comportamento de consumo e o surgimento de novos players, cresce a importância de um novo papel de liderança. Resumidamente, esse líder, obrigatoriamente, deve ter visão de futuro, otimismo, elogiar as pessoas ao máximo, encontrar o bem nos indivíduos, estar sempre aberto a ouvir e ser gentil.

“Os programas de Recursos Humanos (RH) de uma empresa e planos de treinamentos devem estar alinhados às políticas e às necessidades específicas de cada negócio. Independentemente do tamanho do negócio, quanto mais próximos e alinhados estiverem os colaboradores com a cultura, estratégia, processos, tecnologia e iniciativa, mais sucesso ele terá”.

No campo da alimentação, tratada comercialmente, a sócia-diretora da Libbra entende que um serviço de alimentação tem dois pilares importantes a serem cuidados – produto e hospitalidade – em que hospitalidade se faz com pessoas. “Acreditamos que a hospitalidade seja a melhor resposta à era da ansiedade em uma sociedade digital”. A Libbra é uma consultoria especializada no segmento de food service.

Treinamento
A rede de Pizzaria Oca de Savóia se compromete no treinamento prévio dos funcionários da marca. “São oferecidos treinamentos de produção, segurança alimentar, vendas, controle de eficiência, financeiro, gestão de RH e cultura da empresa. Além disso, nossos franqueados também recebem treinamentos e ferramentas para a implantação de sistemas de premiação por desempenho para os funcionários”, informa Fábio Xavier, CEO da Oca de Savóia.

Criada em 2007 no Rio Grande do Sul, a Oca de Savóia é uma rede de franquias que se notabiliza pela venda de “pizza slice” (pizza em fatia). Comercializa também massas, saladas e ocarones. O CEO diz que na Oca de Savóia “é claro que os resultados estão ligados ao desempenho dos colaboradores. Para a empresa que possui um alto desempenho, é essencial oferecer todos os recursos necessários para os funcionários. São eles que são responsáveis pelo sucesso do negócio, com isso são gerados lucros com custos controlados, vendas crescentes e ambiente estimulante”.

Os critérios para ter funcionários produtivos e satisfeitos na rede são o ambiente estimulado, objetivos desafiadores, recompensas acima do mercado e um trabalho em equipes multidisciplinares para que todos aprendam. Fábio também conta que a Oca de Savóia tem um programa de premiação e reconhecimento psicossocial. Os colaboradores que atingem seus objetivos são premiados em dinheiro, e o melhor de cada mês recebe o reconhecimento dos colegas e pode, a critério do franqueado, receber um dia adicional de folga no mês.

“Um funcionário engajado, satisfeito e bem remunerado passa a sua felicidade aos clientes. Isto mantém a proatividade do colaborador além de manter os clientes fiéis à empresa. A consequência desse comportamento é a transformação de clientes em fãs da marca”.

Consumo
Criada em meio à crise, a Mordidela, rede que comercializa refeições rápidas, como lanches, salgados, doces e lasanhas, trouxe para o mercado produtos com baixo ticket médio para atender as necessidades de consumo atual dos brasileiros. Na Mordidela, a produtividade é medida de acordo com o faturamento.

“Para cada R$ 15 mil faturados, é necessário um funcionário treinado. Sugerimos uma média de dois funcionários mais o franqueado para atuarem na operação, dividindo em um na cozinha, um para várias funções, como atendimento e demais serviços, e o franqueado na gestão da unidade. Ensinamos vários princípios no treinamento como a liderança e controle de todas as situações da unidade, para que o fraqueado coordene sua equipe de forma justa e eficiente”, esclarece Bruno Zanetti, fundador da rede.

A reciclagem é necessária em todos os segmentos. “Mantemos a rede informada diariamente com o que está acontecendo no mercado de trabalho, leis trabalhistas, sugestões e métodos de trabalho para retenção de custos, além do contato diário e presencial do nosso departamento operacional auxiliando o franqueado em todas as suas funções”.

Bruno salienta que, diante de um cenário de grande concorrência, a qualificação constante e aproveitamento total da mão de obra são fundamentais para qualquer empresa, gerando economia e maximizando o lucro da operação, principalmente no atual momento econômico do país e a alta carga trabalhista.

Análise
Para Fernando Cardoso, head de Food Service da AGR Consultores, no Brasil, o setor de alimentação fora do lar ainda está engatinhando em relação à aplicação de métricas consistentes de produtividade da mão de obra.
“Devemos analisar o tema considerando os diferentes formatos de prestação de serviço de alimentação, tais como fast-food, bares e padarias que oferecem serviços limitados de atendimento e os restaurantes de serviço completo”.

A produtividade da mão de obra deve ser avaliada sobre um contexto mais amplo nos resultados do negócio. Muitos operadores têm feito a opção por comprar produtos e insumos pré-elaborados, com custo mais elevado, porém economizando na preparação no restaurante e consequentemente empregando menos mão de obra. É o caso de hortifrutis que podem ser adquiridos já higienizados ou de proteínas que podem chegar ao restaurante já em porções de acordo com a ficha técnica do menu. Dessa maneira, recomenda-se avaliar de forma conjunta o CMO com o CMV – custo dos produtos e assegurar que o total esteja em níveis de 50% a 55% sobre o faturamento. O importante é definir métricas de produtividade que sejam simples de monitorar e principalmente que sejam compreendidas pelos colaboradores.

A liderança da operação deve diariamente enfatizar as metas e periodicamente avaliar o desempenho, da equipe e do indivíduo. Algumas métricas devem ser monitoradas regularmente como o número de serviços, não conformidade de pedidos, desperdícios e satisfação dos clientes. Outras métricas podem ser específicas e incentivadas como uma nova oferta do cardápio, a promoção do dia, a venda de complementos como entradas ou sobremesas. Nunca é demais enfatizar que a boa métrica de produtividade é aquela que é simples de implantar, de medir e de comunicar para a equipe. “Com métricas bem definidas, os programas de treinamento tornam-se mais eficientes, pois poderão ter seu conteúdo orientado aos resultados”, acrescenta Fernando. A AGR foi fundada em 2005 com o objetivo de atuar de forma diferenciada e eficiente no mercado de consultoria.

Programas
Christiano Evens, diretor de marketing do Grupo Halipar, do qual a Jin Jin faz parte, diz que as lojas têm, em média, cada, 14 funcionários. “Eles são treinados no ato da contratação e participam de reciclagens mensais. Além disso, temos programas de treinamento que são pilotados pela franqueadora e estes acontecem regionalmente, três vezes ao ano”.
Para medir a produtividade, Christiano conta que a Jin Jin considera fatores como assiduidade, atrasos, redução de desperdício dos insumos, entre outros. O diretor de marketing também frisa que uma equipe bem treinada tem condições de atender melhor o seu cliente e preparar o produto de acordo com os padrões da marca. “Temos um plano de carreira em que o colaborador pode assumir novas funções à medida que se destaca. Também temos premiações em campanhas de incentivo”.

Resultados
“O gasto com pessoas é um dos componentes mais relevantes para obter resultados em um estabelecimento de food service. Como o próprio nome diz food = alimento; service = serviço. E o serviço é, na maioria das vezes, proporcionado aos clientes através de um atendimento que envolve pessoas – sejam elas na frente do cliente, ou na cozinha, preparando os produtos. No food service, segundo um estudo recente da McKinsey, empresa de consultoria empresarial americana, mais de 50% do trabalho é físico e previsível, e essas atividades têm alto poder de automação. Trabalhos físicos e previsíveis são também mais fáceis de medir e ter indicadores comparáveis, que possam gerar índices de produtividade”, explica Simone Galante, fundadora e CEO da Galunion, empresa de consultoria para Food Service.

Simone reforça que os resultados e benefícios de uma eficiente mão de obra são colhidos com a lealdade do consumidor e com o aumento – ou a proteção – das vendas do estabelecimento.

PIZZARIA OCA DE SAVÓIA
www.ocadesavoia.com.br
MORDIDELA
www.mordidela.com.br
JIN JIN
www.jinjin.com.br
LIBBRA
www.libbra.net
AGR CONSULTORES
www.agrconsultores.com.br
GALUNION
www.galunion.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

vinte − 19 =