Caldo de cana segue caminho para exportações

0

Pequenas empresas brasileiras de caldo de cana desejam seguir o mesmo caminho trilhado pela água de coco e se expandirem, inclusive, no exterior. Mesmo conseguindo armazenar a bebida de forma integral e sem conservantes, Acana e Kanaí ainda enfrentam o receio de pessoas que consideram a garapa calórica.

A Acana tem sua história ligada à Fazenda Santa Lourdes, que produz canas para usinas, mas desde 2000 possui uma especialmente para garapas. “Desenvolvemos uma cana com um caldo mais claro e mais saboroso. O negócio veio crescendo e hoje 40% da cana ‘in natura’ que entra na cidade de São Paulo é da fazenda”, explica Ana Carolina Salles Viseu, sócia da Acana junto com a irmã Ana Leite.

A empresa chegou ao mercado em setembro e deu início na documentação para exportação. A Acana acredita que a internacionalização será importante para atingir a meta, que é faturar R$ 6 milhões no próximo ano.

Durante pesquisas feitas pela Acana, foi identificado que os consumidores acreditam que o caldo de cana é uma bebida calórica. “Ela não é mais que um suco de uva integral, por exemplo. Um dos nossos maiores desafios é comunicar isso ao consumidor. O caldo de cana é um repositor energético e tem uma aceitação boa entre os esportistas”, ressalta Ana Carolina.

Já a Kanaí, empresa que atua nesse mercado desde 2012, a comercialização do caldo de cana é feito através de garrafas de vidro. A ideia veio do engenheiro Rafael Tadeu Luques, quando trabalhava em uma multinacional e visitava empresas de suco e usinas de açúcar. “Estava com uma equipe francesa e eles quiseram experimentar a garapa. Eles adoraram e queriam levar para a França”, conta.

Também com foco nas exportações, a Kanaí reformulou suas embalagens, dando destaque às características do produto, como ser integral e natural. “O produto caldo de cana é familiar, mas saiu um pouco do consumo brasileiro por causa dos riscos, da preocupação de saber de onde veio, como foi o processo de moagem. O caldo de cana é uma bebida ampla e não tinha essa facilidade (engarrafado)”, afirma Luques.

Fonte: PME Estadão

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

17 − 15 =