Bolo de fubá e a força do feito à mão

0
Bolo de fubá e a força do feito à mão

Atemporal receita faz parte do aumento das vendas de produtos fabricados nos próprios estabelecimentos

De acordo com o ‘Boletim Metodologia Propan’, que é uma análise do desempenho das panificadoras e confeitarias brasileiras elaborado sob encomenda da Associação Brasileira da Indústria de Panificação e Confeitaria (ABIP) por meio do Instituto Tecnológico da Alimentação, Panificação e Confeitaria (ITPC), a venda de produtos fabricados nos próprios estabelecimentos do setor aumentou 3,99% no primeiro trimestre de 2019 em comparação com o mesmo período de 2018.
O estudo também aponta que quase 60% dos cerca de 50 pontos de venda de 11 estados brasileiros e diferentes perfis pesquisados apresentaram crescimento nas vendas de produtos fabricados internamente. Assim como, dentre as que registraram esse aumento, a média de evolução foi de 13,94%, sendo o maior percentual de 12,64%. Já em relação às padarias que registraram perda na venda de produção própria, a queda média foi de -6,59%, com a maior redução de -15,29%.
Ainda conforme o boletim, o tíquete médio das panificadoras e confeitarias brasileiras teve um acréscimo de 5,51%, considerando a média de todos os estabelecimentos pesquisados, sendo R$ 20,22 no primeiro trimestre de 2019, comparando-se com um valor de R$ 19,15 no mesmo período de 2018.
“Avaliando-se os números apresentados pelas padarias pesquisadas, percebe-se um resultado melhor nesse primeiro trimestre de 2019, com um crescimento acima da inflação. A produção própria mostra-se ainda muito importante para as empresas, sendo importante destacar também o crescimento novamente no faturamento específico com os produtos de revenda, cujos preços passaram a ser mais competitivos. Esse crescimento veio pelo investimento maior em itens chamados de ativadores de venda, aqueles que o cliente compra na padaria pela conveniência de não precisar ir ao supermercado ou outro lugar para encontrá-los. Devem ser vendidos por preços coerentes com o mercado e despertam a confiança do cliente no ponto de venda”, consta em parte da conclusão do ‘Boletim Metodologia Propan’.
Dentre os produtos de fabricação própria com os quais o setor de panificadoras e confeitarias alcançou bons resultados está o bolo de fubá. A tradicional receita ainda faz o maior sucesso, uma vez que esses estabelecimentos “nunca pararam de produzir essa riqueza. Mas com a criação de várias lojas de bolos artesanais, as padarias estão tendo que mudar os conceitos de apenas utilizar pré-mistura e estão investindo mais em produtos de qualidade e sabor”, diz Renato Lobato, professor de panificação e confeitaria da Faculdade Estácio de Sá unidade Belo Horizonte, Minas Gerais.
Segundo Lobato, “investir na área de bolos artesanais vale muito a pena. Vejo o crescimento e a busca dos clientes por produtos de qualidade e que têm aquele valor afetivo que nos faz lembrar o passado”, ressalta.

Mercado

Bolo de fubá e a força do feito à mão
“Temos bolo de fubá desde a abertura da loja, em 19 de setembro de 2016. É um dos preferidos dos clientes”, diz Nalu Saad, sócia diretora e gerente de produção da Bolo Doce Bolo

Nalu Saad é sócia diretora e gerente de produção da Bolo Doce Bolo, marca de bolos artesanais localizada na capital mineira. Ela conta que o bolo de fubá sempre esteve presente no cardápio do negócio, sendo destaque de venda.
“Temos bolo de fubá desde a abertura da loja, em 19 de setembro de 2016. É um dos preferidos dos clientes e produzido quase todos os dias para pronta-entrega, sendo um dos mais encomendados. Vendemos mais de 400 unidades ao mês somente desse sabor”, detalha.
Para a empresária, o atual mercado de fabricação e venda de bolo de fubá está “em expansão, assim como tudo que remete ao caseiro, handmade, aos ingredientes naturais. Tudo o que reporta aos valores tradicionais e também ao emocional. Bolo é encontrar amigos para um lanche, reunir família e bolo de fubá, então, remete às lembranças de infância, às fazendas. Acreditamos que continuará crescendo e se estabelecendo. Afinal, receita de bolo de fubá é completamente atemporal, a começar que temos os ingredientes disponíveis o ano inteiro. Segundo, porque sua leveza faz combinar com qualquer clima de que dispormos e, terceiro, porque está muito incutido na alimentação tradicional brasileira. No período do inverno e nos dias chuvosos, por exemplo, tem maior saída, é notório, mas mais por uma questão emocional. Friozinho, chuvinha, cafezinho e bolinho de fubá são expressões que motivam o imaginário brasileiro”, enfatiza.
Saad acrescenta ainda que o bolo de fubá é um produto de sucesso entre os brasileiros por diferentes razões. “Primeiro, porque o milho e seus derivados são muito queridos pelos brasileiros. Segundo, pelo valor nutricional que tem. Realmente, é um alimento saudável quando preparado sem conservantes, sem excesso de açúcares e óleos e com ingredientes naturais, além de que faz uma bela parceria com o café e brasileiro adora café. Compõe bem um lanche da tarde, uma tradição muito brasileira”, explica.
Na Bolo Doce Bolo, o diferencial do bolo de fubá é o uso de “iogurte caseiro e não leite, queijo, coco e fubá e pouco açúcar. Usamos ingredientes naturais, como o fubá de moinho d’água. E o modo de fazer é igualzinho ao da minha avó, nascida e criada numa fazenda no interior de Minas Gerais. O processo de produção é mais lento, mas garante maior sabor ao fubá. Além disso, ele leva queijo e coco, remetendo às mais tradicionais broas mineiras. Por esse modo de fazer, o nosso bolo de fubá não tem aquela massa pesada comum a essa iguaria, ao contrário, é bem fofinho”, garante.

Origem

Bolo de fubá e a força do feito à mãoSegundo Lobato, da Estácio de Sá, “hoje, o bolo de fubá não pode faltar nas mesas do café mineiro, nas festas juninas e no interior. Mas surgiu pelo fato de a farinha de trigo importada de Portugal ser muito cara na época do Brasil Colonial. Tínhamos com abundância o milho e, com isso, era preciso criar receitas com o fubá (bolos, biscoitos e pães) para que os tropeiros levassem para suas viagens, o que se popularizou em todo Brasil”, conta. Porém, a origem do bolo de fubá apresenta várias versões.
Há relatos de que fubá é uma palavra herdada dos africanos para designar a farinha, sendo descrito como um pó batido pela moagem fina do milho cru, seco e debulhado, mas de um tipo de milho duro. Além disso, é conhecido que os responsáveis pela utilização intensa do milho foram os portugueses, que teriam sido os transformadores da farinha produzida na época em deliciosos pratos, como papas, mingaus, pudins, broas, creme de milho e o bolo de fubá, por exemplo.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

cinco − dois =