A bola da vez

0

Cerca de 7 mil voluntários trabalharão nos 15 dias de evento da Copa das Confederações, segundo os dados do site Brasil Voluntário. Após a aprovação, os selecionados receberão treinamentos nas seis cidades-sede do evento: Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília, Fortaleza, Recife e Salvador.A capacitação auxiliará os voluntários a atuarem nas áreas de fluxo e pontos turísticos das cidades-sede.

Após a Copa das Confederações, o Brasil Voluntário irá reabrir o cadastro para a Copa do Mundo de 2014. Para este evento, espera-se selecionar 50 mil voluntários para trabalharem nas 12 cidades-sede. Enquanto isso, diversos setores movimentam-se em função destes eventos, gerando postos de trabalho direta e indiretamente: turismo, atendimento, alimentação, dentre outros.

Desafios, soluções e

tendências no turismo

Nos dias 19 e 20 de março, a 11ª edição do Fórum PANROTAS – Tendências do Turismo 2013, reuniu no Centro Fecomércio de Eventos, em São Paulo, especialistas e personalidades políticas e empresariais com o objetivo de discutirem sobre os desafios e as tendências da área no Brasil e no Mundo.

No primeiro dia de evento, o primeiro painel reuniu Marthinus van Schalkwyk, ministro do Turismo da África do Sul, e Gastão Vieira, ministro do turismo no Brasil. Ambos ressaltaram a importância dos investimentos em infraestrutura para a ampliação do setor e do número de turistas nos respectivos países.

“Não se trata apenas do quanto amamos futebol, mas em unir o país e criar uma nação forte”, destacou o ministro sul-africano que, em 2010, foi membro do Comitê Organizador Local (COL) da Copa do Mundo daquele ano. Em função do evento, o país obteve um aumento de mais de 10% nas chegadas, número superior à média global. “Até 2020, esperamos 15 milhões de turistas no país”.

Por sua vez, o ministro do Brasil contou que o objetivo do país, até 2022, é se transformar na terceira economia turística mundial. De acordo com Vieira, para que isto aconteça, será preciso superar dois obstáculos: dificuldades na infraestrutura e altos impostos. “Precisamos desfazer o nó tributário. Estamos trabalhando para desonerar o setor aéreo e hoteleiro e pretendemos, através do Plano Brasil Maior, estender este beneficio também para os turistas”, revela Vieira. De acordo com o ministro, a expectativa é que a Copa gere um retorno de R$ 184 milhões e 710 mil empregos.

David Scowsill, presidente do World Travel & Tourism Council (WTTC), também participou do debate. Ele tocou em um ponto importante: o futuro mais distante do turismo, após as Copas. “É preciso um plano de longo prazo”, disse.

No segundo dia de evento, as discussões giraram em torno das projeções de crescimento para o país em 2014. O painel “A performance econômica do Brasil no próximo ano” contou com a participação de Paulo Nogueira Batista, diretor-executivo do Fundo Monetário Internacional (FMI) para o Brasil e mais dez países.

Na avaliação de Batista, as projeções de crescimento para o país em 2014 são otimistas. “A expectativa é que o PIB aumente 4% no ano que vem”, diz. Ele considera essa melhora “ainda lenta e hesitante”. Alguns recursos aplicados pelo governo brasileiro impulsionam esta melhora, como as medidas de desoneração fiscal e a ampliação do crédito público, citadas por Batista.

Camarotes e arquibancada

exclusivos

Presente em mais de 30 países, a Match Hospitality é a única empresa do mundo oficialmente autorizada a oferecer e garantir pacotes exclusivos de hospitalidade para todos os jogos da Copa das Confederações e da Copa do Mundo da FIFA – diretamente ou por meio de agentes de vendas nomeados.

Os hospitality são os camarotes corporativos. Nestes ambientes, as empresas reúnem seus convidados e clientes em um evento de relacionamento e entretenimento nos estádios e locais que recebem grandes eventos.

“O diferencial da Match Hospitality é a ampla gama de serviços oferecidos, como ingressos de categoria Premium, instalações diferenciadas e transfer particular para o estádio, dentre outros”, revela Gilmar Pinto Caldeira, CEO da empresa.

De acordo com Caldeira, nos próximos eventos da FIFA, as áreas VIPs corresponderão a 12% do público do estádio. “Oferecemos serviços em categorias que vão de 5 a 3 estrelas. Todos são supervisionados por um Chef internacional do mais alto rigor. Esse operacional também funcionará para os demais serviços”, diz.

Durante os eventos da FIFA, a empresa irá oferecer três formatos de produtos: Match Private Suíte, Match Business Seat e Match Lounge.

Nas palavras do CEO, o Match Private Suíte é apresentada como a mais exclusiva experiência oferecida pela empresa em uma área exclusiva dentro dos padrões mais altos de qualidade internacional. “Estes espaços têm decoração exclusiva, design de interior conceitual, assentos posicionados logo à frente da suíte com excelente vista para o campo, seleção especial de alimentos e bebidas preparadas no mais alto padrão de qualidade, área dedicada às boas-vindas dos convidados com recepcionistas poliglotas, presente comemorativo, kit de hospitalidade e estacionamento preferencial”, revela.

Por sua vez, o Match Business Seat combina a experiência de hospitality Premium com a emoção de assistir aos jogos nas arquibancadas. “O espaço é compartilhado com mesas reservadas. Este formato oferece os melhores e confortáveis assentos almofadados e com descanso de braços. Também dispõe de serviço de buffet com alto padrão de qualidade antes e depois da partida, área dedicada às boas-vindas dos convidados com recepcionistas poliglotas, presente comemorativo e estacionamento”, descreve.

Já o Match Lounge oferece um ambiente compartilhado e descontraído, ideal para grandes grupos, famílias e fãs. Segundo Caldeira, dentro do estádio, este formato de hospitality “oferece mesas tipo bistrô, telas de TV, bar americano e ingressos da categoria 1, além dos serviços de hospitalidade com aperitivos e bebidas e área dedicada às boas-vindas dos convidados com recepcionistas poliglotas”.

Gilmar Pinto Caldeira é publicitário e administrador de empresas. Ele é sócio e vice-presidente da Top Service e CEO do Núcleo da Copa no Grupo Águia das seguintes empresas: Match Hospitality, Match Connections e Planeta Brasil.

Patrocínio e capacitação

de voluntários

Desde 1994, o McDonald´s é patrocinador oficial da FIFA. O mesmo acontecerá com a Copa das Confederações em junho deste ano e com a Copa do Mundo de 2014 – esta, a sexta edição que será patrocinada pela marca.

De acordo com David Grinberg, gerente de marketing esportivo do McDonald´s, a associação da marca com os eventos esportivos “oferece aos consumidores oportunidades únicas e exclusivas para viverem a experiência de participar de momentos marcantes como esses”, diz.

“O patrocínio de eventos grandiosos como a Copa das Confederações e a Copa do Mundo é importante porque alia a marca McDonald´s a valores que são relevantes para a nossa imagem, como o estilo de vida ativo obtido pela prática esportiva; a pluralidade cultural, fruto da reunião de todos os povos e a busca pela excelência, além do conceito de play fair”, reforça Grinberg. “Além da exposição da marca, o patrocínio à Copa também traz uma grande oportunidade de negócios para a Arcos Dourados, empresa que representa o McDonald´s. Por meio do Plano para Vencer, é possível fazer com que o evento ajude na conquista dos objetivos traçados nos pilares de Pessoas, Produto, Ponto, Promoção e Rentabilidade”, diz.

Ainda de acordo com o gerente, o McDonald´s é a primeira empresa que recebe a permissão da FIFA para capacitar os voluntários da entidade. O curso de formação online está disponível desde janeiro deste ano. A partir deste mês, os voluntários receberão treinamentos presenciais nas cidades-sede da Copa das Confederações.

“Esta ação comprova a qualidade e a eficiência da plataforma de treinamento oferecida pela McDonald´s University e enche de orgulho todos os envolvidos neste processo histórico”, afirma o gerente. “Somos reconhecidos mundialmente pela eficiência no treinamento de pessoas e capacitação de líderes. O McDonald´s University oferecerá aos voluntários diversas opções de capacitação em várias áreas de atuação”.

Segundo Grinberg, o Curso McDonald´s de Hospitalidade é baseado nos pilares conhecimento, habilidades e atitudes. Este repassará conceitos relativos a boas práticas de interação com o público e dicas sobre como lidar com pessoas de diferentes culturas.

Os voluntários selecionados para a etapa presencial do curso aprenderão sobre as especificidades relativas à Copa das Confederações e à Copa do Mundo. “Todo esse envolvimento contribui para o legado do evento em nosso país, uma vez que teremos pessoas bem preparadas para lidar com as situações do dia a dia que envolvem a interação com os públicos”, opina. “Ao completar o programa, o participante recebe um Certificado de Conclusão da McDonald´s University, reconhecida internacionalmente como uma das pioneiras em ensino corporativo. A empresa investirá mais de R$ 40 milhões para a capacitação destes voluntários”.

Regras para a exibição

da Copa de 2014 em

bares e restaurantes

Jogos de futebol são ótimas ocasiões para movimentar bares e restaurantes. Pensando nisto, o site da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes de São Paulo (ABRASEL-SP) divulgou quais perfis de bares e restaurantes não precisarão pagar à FIFA pela transmissão dos jogos da Copa do Mundo de 2014. As regras foram apresentadas em conjunto com o Comitê Organizador Local da Copa do Mundo (COL) em março.

Os estabelecimentos que se encaixam na categoria não comercial não serão cobrados pela exibição do evento. São estes os locais que comportam até 5 mil pessoas e nos quais não há cobrança de ingressos, promoções comerciais, sorteio de brindes ou outra ação que registre lucro com a transmissão. Os donos de bares e restaurantes com este perfil não precisam de registro ou autorização prévia.

Por sua vez, se enquadram na categoria não comercial especial aqueles estabelecimentos com capacidade para mais de 5 mil pessoas e que apresentam as demais características do não comercial. Bares e restaurantes com este perfil também não serão cobrados pela FIFA, mas precisarão se registrar no site www.exibicaopublicafifa.com.br.

Os organizadores de eventos de exibição pública comercial precisarão pagar uma taxa à FIFA, que pode variar de R$ 2 mil a R$ 28 mil reais, dependendo da estimativa de público. Encaixam-se neste perfil aqueles que têm patrocínio, cobrança de ingressos, promoção ou qualquer ação considerada comercial pela FIFA e pela Rede Globo, dona dos direitos de exibição no Brasil.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

doze − cinco =