Tendência: Bebidas exóticas roubam a cena

Cerveja de abacate, por exemplo, faz o maior sucesso nos EUA e até já inspirou criação de festival anual voltado à comemoração da sua produção em Los Angeles

Fruto de uma receita de pão que deu errado na Mesopotâmia, no Oriente Médio, há cerca de nove mil anos, a cerveja é a bebida alcoólica mais antiga do mundo e a terceira bebida mais consumida no planeta, ficando atrás somente da água e do chá.

De acordo com Layton Cutler, mestre cervejeiro da Angel City Brewery, a ideia de criar uma cerveja tendo como principal ingrediente o abacate surgiu da vontade da marca de “destacar a fruta do estado da Califórnia, onde todo mundo gosta do alimento”.

Seus principais ingredientes são o lúpulo, malte, leveduras e água. Certo? Errado! Atualmente, podemos dizer que esses eram os produtos básicos usados na fabricação da cerveja. Afinal, a cada dia, a bebida se torna mais popular e, com isso, a indústria cervejeira, com destaque para pequenos produtores, tem investido e muito em novos sabores. Muitas dessas novas cervejas já disponíveis nos supermercados e estabelecimentos especializados, como cervejarias, bares e restaurantes, podem ser consideradas exóticas.

A cerveja de abacate, criada pela marca Angel City Brewery, localizada em Los Angeles, na Califórnia, nos Estados Unidos, é um exemplo clássico de cerveja exótica. Batizada de “Avocado Ale”, a bebida começou a ser fabricada pela cervejaria americana em 2012, quando, inclusive, foi iniciada a produção de cerveja da Angel City Brewery.

De acordo com Layton Cutler, mestre cervejeiro da Angel City Brewery, a ideia de criar uma cerveja tendo como principal ingrediente o abacate surgiu da vontade da marca de “destacar a fruta do estado da Califórnia, onde todo mundo gosta do alimento. Assim, durante todos os meses de agosto, quando a fruta começa a ficar madura, fazemos um lote da cerveja de abacate, além de promover um grande festival para comemorar, o ‘Avocado Fest’”, conta Cutler.

O mestre cervejeiro também revela que a ideia inicial de criação da cerveja de abacate possui uma longa história relacionada ao adicionamento de frutas na cerveja. Porém, segundo ele, ninguém ainda havia testado o abacate em si.“Um velho cervejeiro nosso tinha uma avó com uma fazenda de abacate, Então, nos primeiros lotes, usamos os abacates dela para fazer a cerveja. Nós tomamos isso como um desafio porque o abacate não tem um sabor forte. Mas o que levamos mais em consideração foi aproveitar a textura cremosa e gordurosa da fruta para criarmos um sabor único.”

Conforme Cutler, até chegar à versão final da “Avocado Ale”, foram realizados muitos testes, assim como ajustes na receita inicial. “Aqui na Angel City Brewery, nós trabalhamos muito colaborativamente. Então, toda a equipe de cervejeiros teve alguma participação no processo. No ano passado, por exemplo, visitamos o pomar com o qual nos associamos King e King Ranch e provamos todas as diferentes variedades de abacates para encontrar o que seria melhor para nossa cerveja. Sendo que o Lamb Hass acabou sendo a opção perfeita para nós”.

Além do abacate tipo Lamb Hass, a cerveja da fruta também leva suco de limão, coentro, alguns flocos de pimenta vermelha e alho na sua produção. Todos esses ingredientes, ainda de acordo com o mestre cervejeiro, servem para “somar ao sabor do abacate e, realmente, preencher o perfil de guacamole. Basicamente, fazemos apenas um lote gigante de guacamole e jogamos com a cerveja para sua fermentação. Isso permite que todos os sabores sutis entrem na cerveja, mas não criem nenhum dos sabores amargos e duros do abacate cozido”.

Atualmente, a “Avocado Ale” só é produzida uma vez ao ano, e a venda desse lote da cerveja é feita durante o evento ‘Avocado fest’. Cutler afirma que, geralmente, toda a bebida já acaba dentro de um dia ou dois, e cada litro da cerveja exótica servido na Angel City Brewery custa entre seis a nove dólares.“Por ser tão limitado, só vendemos a Avocado Ale no Public House durante o Avocado Fest, que, este ano, é nos dias 11 e 12 de agosto. Essa cerveja exige muito trabalho e queremos mantê-la especial, além de focar nossa energia no resto do ano no Angel City IPA e em nossas outras cervejas que nossos fãs adoram o ano todo”, diz o mestre cervejeiro.

O litro das outras cervejas especiais da marca, como a ‘Angel City IPA’, ‘Angel City Pilsner’, ‘SaazBerry’ e ‘LAger’, é vendido na cervejaria da Angel City Brewery por seis a quatorze dólares. Essas, ao contrário da ‘Avocado Ale’, estão disponíveis durante todo o ano. “Sempre experimentamos muitas coisas diferentes e das mais populares das nossas cervejas é a Srirachelada, que é a feita com molho picante Sriracha. Mas também temos outras coisas legais que estão sendo lançadas. Atualmente, por exemplo, nossa equipe está ocupada cortando morangos para o nosso Strawberry Gose, que deve ser lançada em breve”, revela Cutler.

Cervejaria Verace
A Cervejaria Verace, localizada em Nova Lima, na região metropolitana de Belo Horizonte, Minas Gerais, é outra empresa que se destaca pela produção de cervejas exóticas. Além disso, a marca também usa frutas nessa diferenciação dos sabores da bebida.

“A utilização de frutas e especiarias, além de processos diferenciados em nossas receitas, faz parte do DNA da Verace, que busca não somente ser reconhecida pela qualidade dos produtos com estilos clássicos, como também de produtos inovadores”, afirma Túlio Pinto da Silva, mestre cervejeiro da Cervejaria Verace

Conforme Túlio Pinto da Silva, mestre cervejeiro da Cervejaria Verace, entre os quinze rótulos que atualmente fabricam, pelo menos três podem ser considerados cervejas exóticas, sendo elas a “Uai so serious”, feita com coco e graviola, a “Maracutaia”, uma inusitada mistura de maracujá e pitaia, e a “Abaporu Sour”, de goiaba e cajá-manga.

O mestre cervejeiro conta que a ideia de criar cervejas com diferentes sabores sempre fez parte dos objetivos da Verace. “Logo nos primeiros meses, já havíamos produzido uma colaborativa série limitada que tinha em sua composição acerola e limão capeta. A utilização de frutas e especiarias, além de processos diferenciados em nossas receitas, faz parte do DNA da Verace, que busca não somente ser reconhecida pela qualidade dos produtos com estilos clássicos, como também de produtos inovadores, onde procuramos levar aos nossos fãs a experiências sensoriais diferentes, inusitadas”.

Atualmente, a Verace produz até 120 mil litros por mês e sua fábrica conta com equipamentos de última geração, um laboratório totalmente equipado e planta-piloto para o desenvolvimento das receitas. A “Uai so serious”, além de polpa de graviola e coco ralado, também leva água, malte de centeio, malte de cevada, flocos de aveia, lúpulo, levedura e lactose no seu preparo. A bebida harmoniza com comidas picantes e condimentadas, como curry e pratos mexicanos, carnes grelhadas, frituras e torta de coco com abacaxi.

A “Maracutaia” tem seu consumo recomendado junto à degustação de carpaccio, cheesecake, torta de limão e morangos e é produzida com água, malte de trigo, malte de cevada, lúpulo, levedura, polpa de maracujá e polpa de pitaia. Já a “Abaporu Sour” tem como receita água, malte de trigo, malte de cevada, lúpulo, poupa de goiaba e poupa de cajá-manga, combinando melhor com saladas, comida japonesa, frutos do mar e ceviche peruano.

Mercado
Para Silva, o mercado de cerveja exótica “é novo, ainda em crescimento, muito alimentado pela curiosidade do consumidor de cervejas artesanais. Há muita demanda pela novidade, mas o volume de consumo ainda é pequeno”. Em contrapartida, ele garante que os resultados alcançados pela Verace são positivos, uma vez que, com apenas um ano e meio de vida, a cervejaria já foi premiada em duas edições do Festival Brasileiro da Cerveja, realizado em Blumenau, em Santa Catarina, na categoria experimental. “Em 2017, ganhamos com a Uai So Serious, e, este ano, com a Lick It Up, que leva baunilha de Madagascar em sua composição”.

Durante o mesmo festival, o mestre cervejeiro relata que teve ainda a oportunidade de responder a um questionário sobre produção de Sours, ou seja, cervejas ácidas, que também podem levar fruta. “É exatamente o caso da nossa Abaporu, uma Sour que leva goiaba e cajá-manga. Esse estilo exótico de cerveja pode se transformar no primeiro estilo reconhecidamente brasileiro, Brasilian Sour”, revela Silva.

Teor alcoólico
Normalmente, o teor alcoólico das cervejas exóticas varia bastante. Segundo Silva, da Verace, as bebidas “podem ter somente 2% de álcool, como também mais de 15%”. No entanto, ele garante que “não há regra para esses estilos inovadores e desafiadores”.

Angel City Brewery
angelcitybrewery.com
Cervejaria Verace
www.cervejariaverace.com.br

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA