Tendência: A rainha das tortas

Torta Regina

Regada de técnicas e detalhes, Torta Regina agrada a diversos paladares

A Torta Regina é uma iguaria da confeitaria que, há muitos anos, faz o maior sucesso. Composta por pão de ló, creme de confeiteiro, profiteroles, caramelo e chantilly, a receita é regada de técnicas e detalhes, o que torna o seu preparo um tanto peculiar, como conta Lúcio Roberto Batista da Silva, chef de cozinha e professor da área de gastronomia do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) São Paulo – Unidade São Miguel Paulista. “Não é uma torta difícil, porém, é uma torta bem trabalhosa e requer conhecimento de diversas técnicas de confeitaria”, explica.

Carol Fiorentino,
“Cheia de técnicas, sabores e texturas, uma torta delicada, complexa e simples ao mesmo tempo”, destaca a chef confeiteira, ex-jurada do reality show ‘Bake Off Brasil: Mão na Massa’, do SBT, e apresentadora de televisão, Carol Fiorentino, sobre a Torta Regina

Segundo Carolina D’Ângelo Fiorentino, chef confeiteira, ex-jurada do reality show ‘Bake Off Brasil: Mão na Massa’, do SBT, e apresentadora de televisão, a Torta Regina é “extremamente delicada, uma explosão literalmente quando você come os profiteroles recheados chantilly com o pão de ló delicado, o creme de confeiteiro aveludado e o crocante dos fios de caramelo. São uma explosão de sabor e texturas”.

Fiorentino afirma que a Torta Regina é atemporal e ideal para a degustação de quem aprecia a boa confeitaria. O chef Silva acredita que o doce casa perfeitamente com “o consumidor que tem um paladar sofisticado e que conhece a tradição que reside nessa torta, que combina sabores que agradam ao público. Além disso, há beleza e imponência nessa torta, o que a torna única”, ressalta. Singularidade essa que, para Fiorentino, é ainda mais aguçada, uma vez que a chef confeiteira tem uma verdadeira história de amor com a Torta Regina.

Fiorentino conheceu a Torta Regina muito antes de se tornar uma reconhecida chef confeiteira. Ela relatou à reportagem que a receita foi lhe apresentada por meio de seu avô. “Meu avô italiano José, morador da Mooca, em São Paulo, era um apaixonado por essa torta. Em todos os aniversários dele, nós íamos até a confeitaria Di Cunto e comprávamos. Eu, ainda muito pequena, acreditava que essa torta era feita apenas no dia de seu aniversário, especialmente, para ele. Com isso, esperava o ano inteiro para a chegada do aniversário do vovô para poder saborear essa deliciosa torta. Eu cresci, mas sempre foi uma torta que me encanta e continua a me encantar. Cheia de técnicas, sabores e texturas, uma torta delicada, complexa e simples ao mesmo tempo. Tanto que, quando fui jurada do reality ‘Bake Off Brasil: Mão na massa’, na primeira temporada, não pude deixar de fora essa maravilha. Nós a colocamos como prova final do programa e, é claro, a receita seduziu quem ainda não a conhecia”, partilha.

Origem

A Torta Regina é uma receita criada por Alfredo Di Cunto, filho caçula de Nonato Di Cunto, fundador da padaria Di Cunto, inaugurada exatamente onde o avô de Fiorentino morava, no bairro Mooca, em São Paulo. Hoje, a padaria, com 83 anos de vida, é um verdadeiro complexo gastronômico com três grandes instalações na capital paulista. “A data de criação da Torta Regina não se sabe ao certo, mas sabe-se que a data simbólica da reinauguração da Padaria Di Cunto pelos filhos de Nonato Di Cunto ocorreu em 14 de março de 1935”, explica o chef Silva.

Em relação ao nome Torta Regina, Silva destaca que a iguaria foi batizada assim porque “Regina, em italiano, significa rainha. Isso se dá pelo caramelo dourado que envolve a torta e traz esse aspecto de coroa. A escolha do nome é porque Alfredo queria fazer dessa torta a rainha de todas as tortas”, revela.

Fiorentino acrescenta que, provavelmente, Alfredo Di Cunto “se inspirou na torta Saint Honoré, que reúne algumas técnicas tradicionais da confeitaria francesa e é decorada em um lindo formato de coroa de ouro. Daí, o nome Torta Regina, que, em italiano, é rainha”, reforça a chef confeiteira.

Preparo

O preparo da Torta Regina requer paciência, conforme Fiorentino. “A torta é delicada e extremamente saborosa, superleve e deve ser preparada no dia que for servida. Já fiz e é delicioso fazer uma criação de sucesso e, o mais importante, ver a complexidade de cada etapa e preparo”.

O Chef Silva aconselha que é preciso fazer a Torta Regina “com cuidado, obedecendo cada passo e técnicas envolvidas nessa torta cheia de técnicas e detalhes. O ideal é não tentar fazer com pressa, obedecer cada etapa para que, ao montar tudo, esteja no ponto certo para receber a parte mais emblemática, que é o caramelo em volta”.
De acordo com a chef confeiteira Fiorentino, a Torta Regina cai muito bem quando servida “geladinha e com um belo vinho de sobremesa. Ou mesmo com um café bem tirado e de torragem clara”. Chef silva concorda com a colega e ressalta que a Torta Regina “pode ser combinada com vinhos licorosos, como um vinho colheita tardia gelado. Ele deixa o paladar da torta ainda mais sofisticado”, indica.

Carol Fiorentino
www.carolfiorentino.com.br
Senac São Paulo
www.sp.senac.br

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA