O tempo hoje é de aumentar a fatia do bolo

Se até pouco tempo atrás, o crescimento vertiginoso do mercado de alimentação fora do lar era suficiente para sustentar os crescimentos e a rentabilidade dos empreendimentos do setor, de um ano e pouco para cá, deixou de ser. Mais: essa será a realidade por mais um ou dois anos.

Isso significa algo muito simples de entender: para crescer e/ou para ser rentável, parte crucial da equação passa a ser aumentar a fatia do bolo que a empresa detém, ampliar a participação.

Isso vale desde um estabelecimento individual até um grande fornecedor de alimentos e bebidas, ou um distribuidor, e assim por diante.

Se o bolo está um pouco menor a cada ano e precisamos crescer, o caminho é conquistar um pedaço da participação dos concorrentes diretos.

E, fácil não é, isso passa por aprimorar o que se faz ao longo da vida, ser mais eficiente, atender melhor, servir melhor, rever conceitos e práticas.

O que muito frequentemente vemos são empresários preocupados com um mercado estagnado ou com alguma queda, o que, obviamente não ajuda ninguém.

Mas enquanto alguns se debruçam na preocupação e na expectativa de quando o cenário vai melhorar, outros estão buscando entender melhor seus clientes, coisas como o que mais ele consome, onde, em que situações, por quanto etc etc.

E, tão importante quanto entender o cliente, essas empresas estão – rapidamente – ajustando suas “ofertas” e buscando aumentar a frequência de compra dos clientes que já possuem (seu principal ativo!) e capturar clientes que até então frequentavam e se relacionavam com outras alternativas.

Há poucos dias, me dei conta de que estava entrando no mesmo restaurante pela 3ª vez nos últimos meses e me perguntei o porquê.

Era relativamente simples: o serviço e o atendimento estavam no mínimo tão bom quanto as melhores visitas anteriores, o cardápio me permitiu curiosidades novas e a preços interessantes, o ambiente estava irrepreensivelmente bem cuidado e, quando comentei de passagem que era meu aniversário, me ofereceram um simples Nespresso como cortesia ao final.

Eu já gostava daquele lugar e já estava propenso a voltar outras vezes a ele, mas simplesmente me senti acolhido e percebi que eles tinham feito todas as lições de casa.
Em frente deste restaurante, há um outro, recentemente reinaugurado, às moscas praticamente. Fiquei me perguntando qual teria sido a experiência dos poucos que optaram por ele.

Artigo anteriorAções
Próximo artigoMudanças nas características de consumo
Fundador da Food Consulting e Food Experts, empresas especializadas em Foodservice, criador e titular do curso Gestão Estratégica de Foodservice na ESPM-SP há 10 anos e palestrante sobre o mercado de Foodservice e Alimentação, para várias das mais importantes empresas e associações do país; foi executivo de grandes empresas como Sadia, Ceval, Bunge, 3 Corações, entre tantas outras atuações profissionais de sucesso.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA