O Neuromarketing e possíveis aplicações no food service

Neuromarketing

A neurociência vem sendo cada vez mais utilizada para melhor compreender os fenômenos do marketing, das vendas e do comportamento do consumidor atualmente. Assim, um novo termo e área de estudo vem ganhando destaque, o Neuromarketing. De forma particular, compreender o binômio razão e emoção na gestão sempre me acompanhou na minha formação de professor e consultor de empresas. Essas dimensões humanas auxiliam muito a conceber novos modelos de negócios e o planejamento de estratégias das empresas.

Na verdade, os conceitos razão e emoção são fundamentais para melhor entender o comportamento humano de forma geral. Entretanto, eles são somente os mais conhecidos processos mentais pelos quais as pessoas pensam, sentem, agem, aprendem e lembram. No food service, as empresas de todas as partes da cadeia de abastecimento e distribuição também podem se utilizar da aplicação desses conhecimentos sobre a mente humana.
Como assim? Atualmente, a fusão entre a razão e a emoção do consumidor, e os demais processos mentais, podem ser melhor compreendidas com os estudos de Neuromarketing. Esses estudos possibilitam a análise e a elaboração de estratégias nas mais diferentes áreas e setores devido à compreensão da mente humana, seu funcionamento e o processamento das informações recebidas.

Diversos teóricos de outras áreas, como biologia, psicologia, comportamento humano e economia comportamental contribuíram com achados científicos que consolidaram as bases do Neuromarketing. Ele pode ser aplicado em praticamente todas as áreas de contato com o consumidor. E já é muito comum que as suas técnicas sejam empregadas em pesquisas para desenvolvimento de produtos, avaliação de processos de trade marketing, análises e direcionamentos de campanhas publicitárias.

Os especialistas esperam usar o Neuromarketing cada vez mais para definir as métricas sobre as preferências do consumidor. Em posse desse conhecimento, será possível criar produtos e serviços concebidos de forma mais bem direcionadas aos interesses dos indivíduos.

O Neuromarketing pode melhor dizer às empresas como o consumidor reage em relação às cores, à embalagem, ao aroma e à textura de um alimento. Acreditamos que, acima de tudo, ele poderá contribuir para um maior conhecimento do ser humano de forma geral e auxiliar a compreender novos elementos do comportamento das pessoas, inclusive frente às preferências e escolhas no competitivo mercado do food service brasileiro.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA