O futuro que é presente

food service

Falar sobre o crescimento do food service em decorrência da mudança das características de vida das pessoas e de fatores sociais como a mudança do papel da mulher e o aumento da acessibilidade de consumo é “chover no molhado”, como diz o ditado popular.

No entanto, pouco se fala e pouca atenção ainda é dispensada para um público que até poucos anos consumia apenas de forma indireta, pois dependia dos pais ou responsáveis para isso. Refiro-me às crianças, jovens, adolescentes e, por que não, os bebês.

A diminuição da presença das mães nos lares em decorrência do trabalho e outras atividades não tem como consequência apenas o aumento da demanda por soluções prontas de alimentos e o incremento da venda de itens para a lancheira, mas também o crescimento do número de refeições realizadas fora do lar, em berçários, creches, escolas infantis, colégios etc.

O tema não é novo e tampouco novidade, mas a forma como deve ser tratado e o aumento crescente de sua relevância como negócio sim.

A diferença do cenário que tínhamos há alguns anos para os tempos mais recentes é que, além de o número de escolas e instituições de ensino para o público infantil ter aumentado de forma expressiva, a preocupação por parte dos pais com relação à alimentação realizada nesses locais mudou muito, assim como surgiram legislações específicas sobre o tema com o objetivo de garantir qualidade e saudabilidade para os pequenos comensais.

Dessa forma, a boa e velha cantina com suas tradicionais coxinhas, snacks e refrigerantes não atende mais nem as expectativas de consumo nem a legislação.

O canal está tendo que se profissionalizar e a demanda já justifica isso. Somente na rede privada de pré-escola e berçários, são realizadas aproximadamente 2,5MM de matriculas por ano, em quase 30 mil estabelecimentos.

Já não é raro encontrarmos em escolas, além do cardápio orientado nutricionalmente, que agora é obrigação, programas de orientação alimentar, hortas, classes de gastronomia e estrutura terceirizada e profissionalizada da cozinha destinada aos alunos.

Para quem não havia se atentado sobre o tema, vale a pena estudar a respeito. O canal já tem relevância expressiva e gente grande e competente trabalhando nele.

Fica a dica!

Artigo anteriorFood service é um negócio de gente
Próximo artigoCiberespaço: o alvo pode ser você
Sócio Diretor da ZAK Business Development Graduado em Direito, com Pós Graduação em Marketing e Gastronomia, atua no segmento de Food Service desde 1989, exercendo funções de Gerência e Direção nas áreas de Operações e Marketing. Gerente Geral da Pizza Hut para o mercado de São Paulo até novembro de 2010.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA