O e-commerce no food service mais próximo do que se imagina

Uma pesquisa no mercado de food service publicada há menos de um ano nos Estados Unidos, realizada junto a um grupo de distribuidores e fabricantes que somam quase 100 bilhões de dólares, mostrou um quadro que serve para nos inspirar; vou destacar só algumas constatações.

O crescimento esperado para os anos de 2017, 2018 e 2019 no e-commerce no food service americano é de 70% ao ano.
Os restaurantes preveem que farão 34,6% de suas compras de ingredientes no ambiente online até 2020, contra menos de 6% em 2014; previsões mais ambiciosas falam em 54,1%.

38 a 46% dos restaurantes dizem já comprar equipamentos e utensílios online, sendo que 25% dizem comprar pela Amazon.Dos restaurantes que utilizam o e-commerce, 89% alegam ter melhores informações e melhores imagens dos produtos.
Vindo para a arena do Brasil, o que certamente veremos é o 2018 marcado como o ano em que o e-commerce explodirá no país.

A começar pelo e-marketplace Menu.com.vc, que ganha tração a cada dia e expande suas soluções para atender inúmeros distribuidores, passando por soluções proprietárias, tendo como principal caso o Nova Safra, de Minas Gerais, fato é que o tema do e-commerce está no topo das discussões estratégicas das empresas do setor.

Sondagem que realizamos nos últimos dois meses confirmam que ao menos 18 dos principais distribuidores de food service do país estão com projetos sobre suas mesas neste momento, com metade deles estimando implantá-los durante o ano de 2018.

Em paralelo, seguramente algumas dezenas de fornecedores de alimentos, bebidas, descartáveis, limpeza, equipamentos e utensílios já estão se posicionando, ingressando em e-marketplaces, ajustando suas presenças nas ainda tímidas plataformas de e-commerce dos distribuidores etc.

Claro que ainda não é nenhum desespero estar desalinhado com esse movimento, mas é importante entender que “quem chega antes bebe água mais fresca” e que neste novo campo de batalha nosso mercado – totalmente originado no físico e no olho no olho – terá uma longa e importante curva de aprendizado a trilhar.

Tempo de sair da zona de conforto!
E, em tempo, um 2018 com muitas felicidades e realizações.

Artigo anteriorA verdade está no ponto de venda
Próximo artigoOs processos são da empresa, não dos colaboradores
Fundador da Food Consulting e Food Experts, empresas especializadas em Foodservice, criador e titular do curso Gestão Estratégica de Foodservice na ESPM-SP há 10 anos e palestrante sobre o mercado de Foodservice e Alimentação, para várias das mais importantes empresas e associações do país; foi executivo de grandes empresas como Sadia, Ceval, Bunge, 3 Corações, entre tantas outras atuações profissionais de sucesso.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA