O departamento de prevenção a vendas

Por incrível que pareça, esse departamento existe e é cada vez mais comum na realidade dos mais diversos tipos de negócio.
Pode ser que na sua empresa ele esteja disfarçado com algum “codinome” do tipo “Departamento Jurídico”, “Departamento de Marketing”, “Departamento Financeiro”, “Departamento de Logística” ou até seja um aglomerado de profissionais de vários desses “Departamentos”, que juntos se esforçam constantemente para tornar ainda mais desafiadora e árdua a tarefa que é vender.

Em tempos em que mais do que nunca a venda deveria ser prioridade de todos, independentemente do tipo de atividade ou mercado de atuação, ainda existem profissionais muito mais preocupados em dizer o que não pode ser feito do que obcecados em fazer poder.

É recorrente o modelo em que o “Departamento de Desenvolvimento de Produtos” cria sem se preocupar com o que o cliente quer ou precisa, o “Departamento Jurídico” diz o que não quer que seja feito para não ter problema ou mais trabalho, o “Departamento de Marketing” embala, precifica e comunica sem se preocupar em COMO ou SE irá funcionar, o “Departamento Financeiro” dificulta a vida de quem quer comprar, o “Departamento de Logística” dificulta a vida de quem quer receber o produto e todos os “Departamentos” juntos culpam a área de vendas ou operações quando a venda não acontece.

FAÇA UMA EXPERIÊNCIA: na posição de cliente, tente comprar, pagar e receber um produto da sua empresa na forma e no prazo que quer e precisa, através de um dos canais de venda que considera conveniente para o seu tipo de negócio.
Nesse processo, certamente se deparará com vários pontos de prejuízo da sua experiência como cliente em detrimento de políticas comerciais ou de segurança desenvolvidas e implantadas com o subsídio de algum dos especialistas dos “Departamentos” mencionados acima.

Ao aprofundar-se nos motivos de criação dessas políticas ou procedimentos entenderá a eficiência e a dimensão do “Departamento de Prevenção a Vendas” na sua empresa.
O modelo é esse, entre outros motivos, pelo fato de a responsabilidade sobre o resultado e as vendas estar na maioria dos casos de forma exclusiva nas mãos de quem vende. Como se isso não devesse ser interesse, obrigação e responsabilidade de todos os “Departamentos”.

Se algo é feito na empresa de forma a cobrir um risco menor do que a venda que a empresa teria se isso não fosse feito, deixe de fazer.
Na maioria das vezes funciona.
Boas vendas!

Nota: Este artigo foi inspirado pelo amigo Wagner Kruth, um exímio profissional, amante da arte de vender.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA