Mais do que saudável x indulgente

saudável

Muitos apostavam no conceito de saudabilidade como uma tendência que se materializaria e partiria deixando como legado apenas um novo nicho de atuação. Outros veem até hoje o conceito apenas como a opção de um determinado tipo de perfil de consumidores relacionada a forma de viver e se alimentar.
No entanto, fatores importantes estão sendo deixados de lado relacionados aos motivos pelos quais o conceito um dia se tornou tendência e depois realidade.
A Saudabilidade surgiu da vontade e da necessidade de mudança na forma de vida das pessoas e não como nova opção ou alternativa. Nasceu e se materializou inicialmente de forma associada à prática de atividades físicas, passando para a forma de se alimentar e, hoje, já está associada a outros fatores que são bem mais comportamentais e abrangentes que os dois temas iniciais.
As pesquisas mais recentes de comportamento e mapeamento de tendências de alimentação no mercado europeu e americano trazem como destaques: Alimentos com maior valor agregado, Alimentos Nutritivos, Alimentos que entreguem estilo de vida, Alimentos Saudáveis, Alimentos Seguros, Alimentos Sustentáveis, Alimentos Orgânicos, Alimentos Vegetarianos e Conveniência.
A questão fugiu do “saudável x indulgente”, pois estamos falando de mudança na forma de perceber e ler valores.
Comer saudável não significa mais “comer chato” ou “comer sem prazer”, significa, agora, “alimentar-se com qualidade”, “alimentar-se com satisfação”, “alimentar-se com consciência”.
Isso quer dizer que, mesmo comendo um delicioso e suculento hambúrguer, o consumidor agora valoriza além do sabor e da qualidade outros pontos que nele possam estar presentes relacionados a esta nova forma de ele ler a vida.
Por isso, o crescimento de conceitos no segmento de Hamburguerias como “Caseiras”, “Artesanais”, “Old Fashioned” ou “Gourmet” como a maioria prefere chamar. De alguma forma, elas entregam a percepção de alimentos de melhor qualidade, com maior valor agregado. Entregam satisfação de forma diferente e consequente percepção de qualidade de vida, de saudabilidade.
Já existem alguns exemplos de redes bem grandes nos EUA e Europa que entenderam isso e incorporaram esses novos conceitos no seu DNA, mesmo pertencendo a categorias de extrema indulgência como as de gastronomia mexicana e Italiana. Quanto aos restaurantes individuais, milhares surgem e fazem sucesso por compreender que a alimentação e a gastronomia mudaram.
Pense nisso.

Artigo anteriorEdição 102
Próximo artigoNosso Foodservice, entre a adolescência e a maturidade
Sócio Diretor da ZAK Business Development Graduado em Direito, com Pós Graduação em Marketing e Gastronomia, atua no segmento de Food Service desde 1989, exercendo funções de Gerência e Direção nas áreas de Operações e Marketing. Gerente Geral da Pizza Hut para o mercado de São Paulo até novembro de 2010.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA