Foco nos processos

Ao longo destes 25 anos de trabalho no mercado de FoodService é comum ouvir dos clientes sempre as mesmas angústias. Geralmente os problemas estão concentrados na deficiência dos processos internos e na preparação e formação da equipe operacional.
Neste artigo vou focar nos processos das empresas, e no próximo na eterna necessidade de formação e manutenção de uma boa equipe em nossas organizações.
Dentro do primeiro tópico, a maioria dos gestores procura soluções que tratem os seguintes problemas:
• O planejamento do cardápio deveria ser realizado dentro que está previsto no contrato e com o objetivo de custo adequado.
• As compras deveriam ser realizadas de acordo com o que foi planejado, considerando o que está no estoque.
• A produção deveria ser feita sem necessidade de compras extras adicionais.
• As compras deveriam ser realizadas dentro do orçamento pré-definido.
• A equipe de compras deveria estar executando sempre a melhor compra.
• As negociações das categorias da Curva A deveriam ser realizadas com pelo menos 3 fornecedores.
• Nunca poderíamos deixar de fora a negociação com fornecedores tradicionais e econômicos.
• O foco dos compradores deveria ser na negociação e não nos processos operacionais, como por exemplo a cotação, envio de pedidos, digitação de pedidos, dentre outros.
• As informações utilizadas para gestão deveriam ser fidedignas e disponibilizadas de forma ágil e simples. Assim a gestão do negócio poderia ser realizada diariamente e não mais no fechamento da contabilidade.
• Deveríamos ter dados gerais de nossos setores produtivos de forma ágil, se possível do próprio celular?
• O número de refeições servidas deveria ser exatamente igual ao número de refeições que nos é informado.
Para conseguir atingir tudo isso, todos os processos precisam estar bem definidos e amarrados uns aos outros. Aí está a grande dificuldade das empresas: garantir o sequenciamento e a execução destes processos.
A resolução dos problemas passa por identificar os pontos críticos nos processos atuais de nossas corporações. Importante identificar o que o cliente apontando de resultado em cada ponto produtivo. Uma vez feita a anamnese do fluxo organizacional e identificado seus ralos e gargalos, podemos partir para a proposição de novos processos com a aplicação das melhores práticas de mercado. A maneira mais veloz e segura de atuarmos em todos os pontos citados é utilizarmos ferramentas de automação, se possível com sistemas integrados, que abranjam todas as áreas de maneira integrada
Ao final desta automatização, devemos nos atentar para as áreas que consolidam os resultados. Torna-se importante questionar a completude e confiabilidade do DRE da empresa, sugerindo evoluções nos controles, ou mesmo, nos casos em que os métodos estão muito embrionários, vir a implantar todo um conjunto de controles automatizados através de sistemas de Business Intelligence.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA