Fs Pesquisa: Entre as maiores

“A tradição e representatividade das marcas alimentícias são alguns dos fatores que explicam esse êxito”, diz André Friedheim, vice--presidente da ABF
Dezessete empresas de comida fora do lar aparecem em ranking divulgado pela Associação Brasileira de Franchising

A companhar o desenvolvimento das grandes marcas de franquias e criar uma série histórica com o passar dos anos com o objetivo de ajudar no monitoramento e fortalecimento desse setor. Esse é o foco da 2ª edição do estudo sobre as 50 Maiores Marcas de Franquias no Brasil por unidades, desenvolvido pela Associação Brasileira de Franchising (ABF) e divulgado pela entidade no começo deste ano.

Assim como na primeira edição, realizada em 2016, as franquias de food service se destacaram em 2017. Tanto que, entre as 50 empresas do ranking, 17 são de alimentação. São elas: Am Pm Mini Market, com 2.415 unidades, Cacau Show (2.081), McDonald´S (2.009), Br Mania (1.311), Dia% (1.145), Bob´s (1.054), Nosso Bar (670), Chiquinho Sorvetes (425), Giraffas (394), Chocolates Brasil Cacau (393), Mundo Verde (386), Spoleto (371), Kopenhagen (352), Habib´s (318), Casa De Bolos (305), Rei Do Mate (302) e Sodiê Doces (294).

O estudo tem como principal critério o número de unidades das redes associadas à ABF em operação no país. Atualmente, a entidade reúne mais de 1.100 associados, entre franqueadores, franqueados, fornecedores e consultores. Além disso, o levantamento também é fruto de um banco de dados implantado em 2016 pela associação. No entanto, em 2017, ganhou caráter mais detalhado, com regras e salvaguardas específicas para o input e fidelidade dos dados, como a auditoria eletrônica, de acordo com André Friedheim, vice-presidente da ABF.

Segundo Friedheim, em termos de segmento de atuação, o perfil das 50 maiores redes de franquias em operação no Brasil por número de unidades continua com a predominância do setor de alimentação. Em 2016, o mesmo ramo obteve 34%, e, em 2017, 36%.
Para o vice-presidente da ABF, as marcas de food service são as mais representativas na pesquisa em decorrência de alguns motivos, como a estabilidade dessa fatia de mercado. “A tradição e representatividade das marcas alimentícias são alguns dos fatores que explicam esse êxito. Quando falamos em franchising, é quase impossível não visualizar a tradicional praça de alimentação dos shoppings. Mesmo em tempos de crise econômica, o estudo mostra a força das franquias de alimentação”, explica Friedheim.

Impactos da pesquisa
Para a ABF, a 2ª edição do estudo é um reflexo da atuação da entidade e do crescimento do setor de franchising. “O levantamento reflete a própria evolução do sistema de franquias no país. Dessa forma, podemos acompanhar o desenvolvimento das maiores redes do Brasil e fortalecer ainda mais o sistema de franchising, que já é tão forte por aqui”, diz Friedheim.
Já ao ser questionado sobre de que forma esse ranking impacta nos planejamentos dos negócios brasileiros de comida fora do lar, o vice-presidente da ABF enfatiza que “o segmento de alimentação sempre foi um dos mais expressivos e tradicionais no universo do franchising”, assim como afirma que “a pesquisa impacta positivamente no planejamento dos negócios, já que exibe a consolidação e resiliência que esse segmento representa”.

Outras constatações do estudo
O estudo também apontou que 66% das franqueadoras listadas têm mais de dez anos de atuação no mercado. Além disso, constatou ainda que a maioria das marcas que figura na lista da ABF (72%) possui o Selo de Excelência em Franchising (SEF), sendo que 56% delas conquistaram a chancela mais de dez vezes.

O SEF é uma importante chancela do setor no Brasil e é conferido às redes pela ABF a partir de uma pesquisa específica e feita diretamente com os franqueados.
Marcas rankeadas comemoram

A marca de food service com a melhor colocação na lista das 50 maiores redes de franquias em operação no Brasil por número de unidades é a AM PM Mini Market. Com 2.415 unidades, a empresa foi lançada em 1991 como uma solução de conveniência para o consumidor.

De acordo com Marcello Moneró, gerente executivo da marca, a AM PM Mini Market foi criada “para ser uma loja de vizinhança, sempre próxima aos seus clientes, com grande variedade de itens e foco no lanche rápido”. No entanto, a empresa passou por uma diversificação e, atualmente, também possui a maior rede de padarias do Brasil, com 774 unidades em todo o território. Além disso, a AM PM Mini Market ainda oferta uma linha de produtos de marca própria com mais de 130 itens, como a linha de fast food, snacks, energético Mood etc.

A marca AM PM Mini Market pertence à Ipiranga, sendo um modelo próprio, com operação administrada pelo franqueado. “A Ipiranga também investe na inovação. Podemos destacar exemplos recentes como a Beer Cave, espaço diferenciado de compras de cervejas especiais nacionais e importadas dentro das lojas Am Pm. E os formatos diferenciados e ampliados de lojas, que aumentam o mix de ofertas para quem circula nas cidades ou para quem está na estrada precisando de um ponto de parada completo”, conta Moneró.

O gerente executivo acredita que o fato de a AM PM Mini Market estar no segundo lugar na lista da ABF é “reflexo do trabalho e da dedicação da Ipiranga e de seus franqueados para oferecer conveniência ao dia a dia dos nossos clientes. A Ipiranga tem o seu posicionamento de posto completo como fio condutor de suas ações voltadas para o consumidor, pois tem a premissa de ser um ponto de apoio nos deslocamentos de todas as pessoas. A Am Pm tem grande participação nessa estratégia e, consequentemente, nesse reconhecimento”.

Para Moneró, um dos fatores que explica a liderança do rankeamento da marca em relação às outras empresas de alimentação fora do ar listadas está relacionado à busca constante de inovação e diversificação de ofertas e produtos por parte da Ipiranga. “Isso é o que nos move. Levamos a facilidade e a conveniência do posto completo ao consumidor final, além de o franqueado também receber retorno do investimento feito quando escolhe ter uma loja em seu posto”, explica o gerente executivo.
Moneró ainda aponta os quesitos “investimentos em produtos de marca própria e parcerias exclusivas com grandes marcas com o objetivo de oferecer aos clientes a maior diversidade possível de produtos e experiências inovadoras” como outros grandes diferenciais da marca.

A franquia não divulga informações referentes a faturamento. No entanto, Moneró contou à reportagem que, neste ano, a Ipiranga pretende continuar investindo na expansão da rede Am Pm, que, por sua vez, contará com mais novidades para o posto completo.

“Todos os anos, existe muita inovação e reinvestimento no sistema, em várias frentes”, diz Arlan Roque, gerente de expansão da Cacau Show

Expansão
Com a conquista do terceiro lugar do ranking da ABF, a marca Cacau Show possui 2.081 unidades e comemora a também excelente colocação.
De acordo com Arlan Roque, gerente de expansão da empresa, o resultado é gratificante e fruto de muito trabalho e investimento no negócio. “Todos os anos, existe muita inovação e reinvestimento no sistema, em várias frentes: indústria e parque tecnológico; instalações logísticas e sistemas de armazenagem; desenvolvimento de franqueados e funcionários da rede; desenvolvimento da equipe interna Cacau Show, e isso apoia e sustenta este crescimento”, diz.

Roque ainda faz questão de eleger os fatores que considera importantes para a conquista desse êxito para a marca em 2017. “Os últimos três anos, quando analisamos o cenário macroeconômico, têm nos exigido que sejamos muito melhores e isso, ao final das contas, é bom. Afinal, não permite comodismo e nos deixa fora da zona de conforto. Outro aspecto importante é que desenvolvemos ao longo do tempo um importante know how em utilização de mídia. Aplicamos o que gera a melhor relação de venda para nosso franqueado e estamos entre os maiores anunciantes do Brasil. Com isso, criamos grande divulgação da marca, o que gera resultados para a rede e desperta o interesse no mercado para novos franqueados. Ainda há de se destacar que procuramos em nossa cultura aliar o carinho, o tratamento próximo, com pragmatismo. Ou seja, acreditamos que é necessário termos um negócio competitivo, que gere resultado para todos os envolvidos, mas que isso seja permeado pelo respeito e desenvolvimento das pessoas”, reflete o gerente de expansão.

A marca Cacau Show nasceu em 1988, quando o fundador Alexandre Costa, com apenas 17 anos, trabalhava em um negócio da família, que era uma distribuidora de produtos por catálogos. Naquela ocasião, Costa decidiu retomar a venda de chocolates por catálogo e, para isso, reuniu uma equipe de revendedoras. Uma das vendas, um pedido de 2.000 ovos de 50g, o colocou em uma situação desafiadora, pois o fabricante não fazia essa gramatura. Para não perder a venda e honrar com o compromisso, contou com o auxílio financeiro de um tio para comprar matéria-prima e de uma senhora que encontrou em um atacado de doces para ajudá-lo a produzir os 2.000 ovos. Costa viu nesse episódio uma grande oportunidade e a, partir daí, começou a fabricar chocolates para revender por meio da equipe de revenda e também no varejo.

Atualmente, a Cacau Show é uma empresa de capital fechado, tendo o próprio fundador como CEO e Presidente do Conselho de Administração. Possui mais de 2.000 operações em todo o Brasil, com mais de 1.200 franqueados e em torno de 10 mil funcionários entre colaboradores da fábrica, franqueadora, franqueados e lojas.

O faturamento médio Cacau Show gira em torno de R$ 80 mil mensais por franquia, considerando que existe uma variação de acordo com a região, modelo de negócios e com a época do ano, afinal, durante o Natal e a Páscoa, por exemplo, esses números crescem consideravelmente.

A meta de 2018 da marca é dar continuidade ao crescimento na base existente e abrir 206 pontos de venda. Segundo Roque, essa expansão será mapeada por meio de análise de mercado e estudos geoeconômicos. “O mercado brasileiro ainda tem muito a oferecer no crescimento do consumo de chocolates. Acabamos de chegar ao marco de presença em 1.000 municípios e iremos muito além”, conclui o gerente de expansão da empresa.

“Mesmo com a economia no vermelho no ano passado, abrimos 61 novas unidades. Estar novamente no ranking e ainda melhores posicionados é resultado de um trabalho de longo prazo”, afirma Isaias Bernardes, presidente do Grupo CHQ

Trabalho
A Chiquinho Sorvetes ocupa o trigésimo lugar na lista divulgada pela ABF. Atualmente, a empresa conta com 425 unidades e também comemora o rankeamento na pesquisa. No primeiro estudo, a marca também foi listada. No entanto, em 2017, conseguiu um melhor posicionamento.

Conforme Isaias Bernardes, presidente do Grupo CHQ, a evolução é resultado da abertura de novas franquias e fruto de muito trabalho. “Mesmo com a economia no vermelho no ano passado, abrimos 61 novas unidades. Estar novamente no ranking e ainda melhores posicionados é resultado de um trabalho de longo prazo”, afirma.
Em 2016, o faturamento anual da rede Chiquinho Sorvetes foi superior a R$ 220 milhões. Já o valor referente a 2017 ainda não foi divulgado pela marca, que acredita que os fatores expansão planejada, suporte ao franqueado e boa reputação foram fundamentais para a permanência na lista da ABF.

A marca Chiquinho Sorvetes foi criada na década de 80, quando Bernardes abriu a primeira loja com o apoio do pai, Francisco Olímpio de Oliveira, o ‘Chiquinho’, na cidade de Frutal, no interior de Minas Gerais. Após cinco anos, o empreendedor inaugurou uma filial em Guaíra, no interior de São Paulo, e iniciou a expansão do negócio. De lá para cá, o crescimento não parou mais.

Hoje, a gestão da rede é feita pelo grupo CHQ, que surgiu para que a expansão da Chiquinho Sorvetes fosse mais profissional e planejada. O grupo CHQ é composto por cinco familiares. “Pretendemos continuar com nosso plano de expansão focado nas capitais do Brasil e investir no desenvolvimento e amadurecimento das nossas primeiras unidades em operação nos Estados Unidos”, conta Bernardes.

Caminho
Outra marca de food service que comemora a presença na lista da ABF é a Casa de Bolos. A empresa aparece na quadragésima segunda posição do ranking e conta com 305 lojas.
A marca Casa de Bolos nasceu em Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, depois que um dos irmãos de Fabrício Ramos, diretor comercial da franquia, ficou desempregado. Ele conta que a empresa “surgiu da necessidade de um trabalho prazeroso e em família para minha talentosa mãe e irmão caçula, que estava desempregado na época. Começamos num pequeno salão no centro da cidade e, com o sucesso da loja, optamos pelo modelo de franquias”.

Para Ramos, ver a Casa de Bolos na lista das 50 maiores franquias do Brasil é muito gratificante e uma resposta do trabalho que tem feito junto aos seus familiares. “Estar na lista das maiores franquias do país, ao lado de grandes marcas, reforça a certeza de estarmos no caminho certo. Nosso trabalho nunca teria tal desdobramento se não tivéssemos nossa fé e nossa família presentes. Estaremos sempre atentos ao nosso compromisso de oferecer um negócio e produto que sejam ferramentas para reunir pessoas”, enfatiza.

O diretor comercial também acredita que a marca foi rankeada devido a alguns fatores, como responsabilidade com os recursos empregados pelo franqueado, garantia de um negócio rentável, respeito aos clientes e cuidado com produtos naturais e de qualidade. Ele ainda destaca que a marca cresceu 27,91% em 2016 e 5,05% em 2017 em relação ao faturamento. As expectativas do empresário são “expandir para os estados brasileiros que ainda não receberam uma Casa de Bolos, além de iniciar novos modelos de negócio e avançar com o processo de internacionalização da marca”, afirma.

Previsões e planos da ABF para 2018
São boas as previsões da ABF em relação aos negócios brasileiros de food service este ano.
Ainda segundo Friedheim, vice-presidente da associação, “já é possível visualizar um balanço positivo em relação ao segmento devido ao desempenho parcial do setor em 2017, que teve um aumento no faturamento de 8% em relação ao ano passado e também pela performance do segmento alimentício nos primeiros três trimestres do ano, que teve, em média, um incremento de 6% no faturamento”.

Já sobre os planos específicos da ABF para os negócios brasileiros de comida fora do lar em 2018, o vice-presidente adianta que, em meados de junho, será promovida a 12ª Pesquisa Setorial de Food Service. Ele também conta que, na edição de 2017 do mesmo estudo, duas importantes tendências no setor foram sinalizadas, sendo elas o aumento de opções saudáveis e lights no cardápio das redes e a crescente utilização de aplicativos delivery.
Friedheim confirmou ainda à reportagem que o Comitê de Food Service foi mantido este ano com o objetivo de discutir e buscar soluções para problemas do segmento. Assim como também será realizada a ABF Franchising Expo, que, este ano, completa 27 anos como a maior feira do setor food service do Brasil.

Associação Brasileira de Franchising (ABF)
www.abf.com.br
AM PM Mini Market
www.ipiranga.com.br
Cacau Show
www.cacaushow.com.br
Chiquinho Sorvetes
www.chiquinho.com.br
Casa de Bolos
www.casadebolos.com.br

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA