É Gol!

Da pizza em pedaços ao “tropeirão”, alimentação em estádios revela muitas possibilidades de ganhos

A alimentação nos estádios tem mostrado toda a sua força ao longo do tempo. Esses locais, em geral, contam com receitas diversas, para agradar aos mais variados perfis de torcedores, levando a eles uma experiência gastronômica diferenciada.
Ter esse serviço de maneira satisfatória requer uma série de cuidados especiais. Tanto os estádios quanto os estabelecimentos e marcas que servem os pratos ficam atentos a uma série de questões, essenciais para que se possa ter resultados positivos e para que a satisfação dos frequentadores seja completa.
Alguns tipos de alimentos que são servidos nesses lugares costumam fazer tanto sucesso que viram até mesmo uma tradição e conquistam décadas de sucesso, sendo queridos não só pelos moradores locais, mas por turistas de diversas partes do país e do mundo.

Modalidades
O estádio Governador Magalhães Pinto, o Mineirão, que fica localizado em Belo Horizonte, Minas Gerais, conta com, basicamente, três modalidades de alimentação, de acordo com Gustavo Cunha, nutricionista e responsável pela área de alimentação do local, que dá mais detalhes sobre elas.
“Buffet para camarotes: serviço de Buffet Bouquet Garni, com empresa conceituada, estando há mais de 20 anos no mercado de Belo Horizonte, trazendo inovações e a culinária mineira aos clientes dos camarotes; serviço a la carte: oferecemos aos clientes da hospitalidade, no setor Mineirão Tribuna, pratos diferenciados, com ingredientes mineiros e de ampla produção em todo estado, com o toque de sofisticação de atendimento e alta gastronomia. A empresa parceira responsável pelo setor é o “Grupo Ancho”, que conta com chef renomado, com especialidade no restaurante Le Cordon Bleu (Paris); e os serviços de concessões de bares dos anéis de circulação, que atendem ao grande público do estádio: menu constituído com o pensamento na coletividade, porém resgatando os principais alimentos comercializados nos estádios brasileiros e conforme a demanda dos nossos clientes”, explica ele.
O profissional também conta que, neste ano, há grandes novidades, que prometem agradar o público que irá ao estádio para torcer pelo seu time.
E, por falar em agradar, a alimentação no Mineirão conta com alguns diferenciais significativos, conforme relata Cunha a respeito do assunto. “Além da tradição e o carinho da culinária mineira, contamos com um controle sanitário rigoroso em todos os processos, desde a chegada do alimento in natura até o consumidor final, garantindo, além do sabor inigualável, um alimento em temperatura ideal e seguro nutricionalmente”, destaca ele.
O profissional conta que, ao se pensar em um cardápio para o estádio, são priorizados os pratos de saída rápida, que levam saciedade ao torcedor. “Disponibilizamos, em todas as áreas, pratos que substituem refeições de uma dieta (2200 kcal/dia)”, diz.
Entre os principais alimentos que são oferecidos no Mineirão, o que mais se destaca é o feijão tropeiro, um prato tradicional que já é servido no local há quase 50 anos.
“Atualmente, contamos com dois concessionários de bares que atuam no Mineirão há cerca de 30 anos, o que garante o mesmo feijão tropeiro servido no estádio durante todo esse tempo. Hoje, claro, seguindo um controle de qualidade muito mais rigoroso. O feijão tropeiro é um sucesso tão grande com os torcedores que, em partidas de grande público, chegamos a servir até 10 mil pratos”, frisa Cunha.
Aliás, o êxito é tão grande em relação a essa famosa receita, que tem gente de fora do estado, inclusive, que aguarda ansiosamente a oportunidade de saboreá-la, como relata o profissional.
“O público vem ao estádio para apreciar seu time, torcer muito e experimentar / prestigiar o famoso prato mineiro. Temos informações de torcedores de outros estádios que aguardam ansiosamente quando seus times vêm jogar no Mineirão somente para comer o famoso ‘tropeirão’”, finaliza ele.

tropeirãoVolume
Um dos desafios de servir alimentos em estádios, como afirma Fábio Xavier, CEO da Oca de Savóia, rede de pizzarias slice (pedaço) do Rio Grande do Sul, é entregar produtos em grande volume, em um curto espaço de tempo (no intervalo entre o primeiro e segundo tempo dos jogos) e com a qualidade que possui a marca. “Isso só foi possível com investimento em tecnologia de ponta e formação de equipe”, explica ele.
Para o profissional, já uma das principais vantagens é trabalhar com esporte e shows, que envolvem paixão. Isso, de acordo com ele, torna o trabalho descontraído e animado. “Além disso, trata-se de um negócio que opera em média quatro dias por mês e é extremamente lucrativo para o franqueado”, diz. “Outra particularidade é que, além de jogos, o franqueado opera com o produto mais demandado pelos clientes em shows de altíssimo nível”, ressalta ele.

Empresa
A Oca de Savóia teve início como uma pizzaria de sequência e, aos poucos, a marca se tornou uma referência em Porto Alegre. No ano de 2013, a empresa abriu oportunidade de franquias e, desde então, vem crescendo.
“Nossos diferenciais são a qualidade e padronização de produtos, que contam com produção de insumos centralizada. Isso facilita a operação das lojas e a experiência na operação de arenas e estádios”, ressalta Xavier.
Atualmente, a organização conta com 36 unidades, localizadas, além dos dois principais estádios da região Sul do Brasil, (o Beira-Rio, do Internacional, e a Arena do Grêmio), em shoppings e em lojas de rua, tendo, atualmente, a capacidade de vender cinco mil fatias de pizza em, aproximadamente, duas horas.
Nos estádios, as unidades funcionam apenas nos dias de evento e, juntas, contam com um faturamento de cerca de R$200 mil por mês. Mas por que esse alimento acaba ganhando a preferência nos estádios onde a marca atua?
“Um dos motivos é que traz saciedade ao consumidor, além de ser um produto apropriado ao consumo em movimento. A pizza é preferência nacional para momentos de comemoração, como é o caso dos eventos em estádios”, diz Xavier.

Investimento
Conforme ressalta Xavier, a pizza é um produto de altíssima aceitação e lucratividade. Para que se possa produzi-la, há um baixo custo de instalação e de pessoal, segundo ele. Além disso, existe a possibilidade de operar em pequenos pontos, reduzindo a taxa de ocupação. Tantos fatores positivos fizeram coma que o negócio só fosse crescendo e se destacando cada vez mais.
“Iniciamos a expansão fora do Rio Grande do Sul em agosto de 2017 e já temos duas lojas em fase de implantação em São Paulo. Também estamos em negociação com dois clubes da capital paulista, o que seria o início das operações em estádios fora de Porto Alegre”, ressalta o profissional.
Para se destacar nesse mercado de alimentação em estádios, de acordo com Xavier, é necessário ter tecnologia apropriada ao tipo de negócio, gerando rapidez e qualidade de produto. É importante, ainda, segundo ele, investir em treinamento, em embalagens apropriadas e em qualidade de produção, uma vez que as pizzas chegam quase prontas a esses locais.
Neste ano, além de buscar operações em estádios de São Paulo, a Oca de Savóia também está buscando-as no Rio de Janeiro. A partir de 2019, buscará, ainda, em outros estados.

Estádio Governador Magalhães Pinto (Mineirão)
estadiomineirao.com.br
Estádio Beira-Rio
www.internacional.com.br
Arena do Grêmio
arenapoa.com.br
Oca de Savóia
www.ocadesavoia.com.br

Artigo anteriorCentros de distribuições e operadores logísticos
Próximo artigoOs entendedores
A redação da Food Service News através deste canal, pauta assuntos de cunho financeiro e informativo, nossas matérias abordam novidades do mercado, tendências, dicas e oferecem entrevistas exclusivas. Além disso, a revista está sempre inovando e antecipando tendências, trazendo um conteúdo indispensável para quem deseja investir e saber mais sobre o segmento.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA