Do campo à mesa: optar por alimentação orgânica pode trazer benefícios adicionais para saúde

alimencao organica

Preocupação com sustentabilidade e controle rigoroso da produção não prejudicam sabor e suculência dos alimentos orgânicos, explica médica da ABRAN. Presidente da Associação indica consumo de frutas, verduras e legumes orgânicos

Os alimentos orgânicos podem ser mais vantajosos para a saúde em comparação com os produtos convencionais. Embora ambos tenham seus benefícios, por não utilizar agroquímicos em seu processo de produção os orgânicos não possuem o risco de contaminação do organismo. “Quando a pessoa puder escolher entre consumir um ou outro tipo de alimento, aquele que não tem agrotóxicos é certamente melhor. Devemos, entretanto, lembrar das carências alimentares do mundo globalizado e da necessidade de provisão de alimentos, que, muitas vezes, pede uma produção em maior escala. Assim, não podemos ser radicais, pois mesmo frutas, legumes e verduras convencionais são essenciais para o organismo humano”, comenta a Dra. Isolda Prado, médica nutróloga da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN).

Para o médico nutrólogo e presidente da ABRAN, Dr. Durval Ribas Filho, é necessário investir no consumo de orgânicos principalmente nas frutas, verduras e legumes, que, no caso de serem convencionais, são mais expostos a alta doses de agroquímicos. Alimentos com cascas finas, como a maçã e o tomate, também podem ser arriscados porque os pesticidas chegam à polpa da fruta. “Os grãos, por exemplo, costumam ser mais estudados e com a produção em larga escala não costumam apresentar alto risco de contaminação em humanos, quando comparados às frutas.”, conclui.

Podem existir dois tipos de intoxicação por agroquímicos: aguda e crônica. “Os sintomas são variados. No caso de uma intoxicação aguda, o paciente está exposto a dificuldades respiratórias, irritação nos olhos e na pele, diarreia, espasmos, convulsões etc. Quanto à intoxicação crônica, quando o indivíduo fica exposto a pequenas quantidades por um longo período, há um risco maior, pois ele pode desenvolver uma redução no sistema imunológico, problemas no sistema nervoso central e até câncer”, explica a especialista. “Se pensarmos em sustentabilidade ambiental e no melhor desenvolvimento do ser humano, a recomendação do consumo de alimentos orgânicos é positiva”, completa.

A preocupação com a sustentabilidade e o controle rigoroso da produção não prejudicam em nada o sabor e a suculência dos alimentos orgânicos, como alguns preconizam. Para a médica nutróloga, a utilização do orgânico deve ser considerada em qualquer dieta. “O Instituto Nacional do Câncer, desde 2015, alerta sobre os riscos da utilização desenfreada de defensivos agrícolas e sua relação com o câncer. Portanto, o consumo de hortaliças, frutas e legumes orgânicos seria uma vantagem para a saúde, evitando uma possível contaminação pelo uso irregular e irresponsável desse tipo de tecnologia”, acredita.

De qualquer forma, orgânicos ou não, a Dra. Isolda Prado recomenda que frutas sejam consumidas com casca e as hortaliças cruas, após passar por um processo de higienização de molho em soluções à base de cloro, e não no vinagre, por exemplo. “Isso porque o vinagre não é suficiente para matar os microrganismos que podem causar doenças”, finaliza.

Sobre a ABRAN

Fundada em 1973, a ABRAN – Associação Brasileira de Nutrologia – é uma entidade médica científica que dedica-se ao estudo de nutrientes dos alimentos, que são decisivos na prevenção, no diagnóstico e no tratamento da maior parte das doenças que afetam o ser humano. Reúne mais de 1.700 médicos nutrólogos titulados especialistas em nutrologia pelo Brasil e mais de quatro mil médicos associados, que atuam no desenvolvimento e na atualização científica em prol do bem estar nutricional, físico, social e mental da população. Visite www.abran.org.br, curta a ABRAN no Facebook facebook.com/nutrologos e no Instagram @nutrologia.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA