Carreira: Açougue Vegano?

Negócio criado em 2017 promete crescer ainda mais e atender mercado internacional por meio do processo de franchising iniciado este ano

O último alimento que os clientes do Açougue Vegano procuram é exatamente a carne. E o negócio já é considerado a principal marca do mercado de alimento sem carne do Brasil, de acordo com Celso Fortes, gastrônomo e um dos fundadores do empreendimento.

Criado em 2017 na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, por Fortes e sua grande amiga chef de culinária saudável e vegana Michelle Rodriguez, o Açougue Vegano é uma “apropriação brasileira das lojas de itens veganos artesanais dos Estados Unidos”, conforme os próprios sócios o definem. Resumidamente, “trata-se do primeiro negócio a vender alimentos 100% livres de origem animal no Rio de Janeiro com o objetivo de proporcionar mais sabor e textura aos alimentos-base das dietas veganas e vegetarianas”, detalha Fortes.

O conceito e a execução do projeto da marca partiram do profundo conhecimento de Fortes e Michelle sobre a rotina de quem depende, muitas vezes, apenas da sorte para encontrar locais que atendam às necessidades ‘herbívoras’. Mas, então, por qual razão eles batizaram o negócio de açougue? A resposta é simples e envolve toda uma estratégia, como explica Fortes. “Pouca gente sabe, mas a origem da palavra açougue é árabe e deriva de ‘mercado’. Então, funciona como um meio de atração pela curiosidade. Afinal, as pessoas associam açougue a outras coisas. É um nome familiar e curioso, justamente como as nossas iguarias são”, diz ele.

Desde o início, Fortes e Michelle criaram e começaram a vender, inclusive pela Internet, produtos preparados como se fossem hambúrgueres, linguiças, carnes moídas, coxinhas e bacons normais. Mas, claro, tudo sem adição de qualquer alimento de origem animal. A releitura dos clássicos da gastronomia deu tão certo que, em outubro de 2017, os sócios abriram uma segunda unidade do Açougue Vegano em São Paulo, capital. Além disso, ainda em 2017, fecharam contrato com os organizadores do ‘Rock in Rio’ para a marca ser a primeira opção de alimentos 100% vegetais a atender os fãs do festival. Com isso, várias receitas preparadas com jaca, cogumelo, soja e espinafre estiveram à venda no inédito ‘Gourmet Square’, uma nova área de alimentação do consagrado evento de música. Ainda de acordo com Fortes, os planos de expansão do negócio não pararam por aí. Desde o começo deste ano, ele e a sócia iniciaram o processo de franchising do Açougue Vegano. E, em março, foi inaugurada a primeira loja em Florianópolis, Santa Catarina.

Fortes também destaca que há planos relacionados à abertura de mais três unidades do Açougue Vegano no Rio de Janeiro ainda em 2018, assim como a conquista do mercado internacional. “Estamos com 140 pedidos de franquias do Brasil, EUA e Portugal”, afirma o empreendedor.

Público e produtos

O Açougue Vegano não faz sucesso apenas entre as pessoas que não consomem alimentos e derivados de origem animal. Segundo Fortes, 58% dos consumidores do negócio não são veganos e/ou vegetarianos. “Nosso objetivo é atender a todos. Venham experimentar as delícias e as texturas do veganismo”, convida o gastrônomo.

Conforme Fortes, os produtos do negócio são variados e identificados com os gostos brasileiros. “Temos coxinhas de jaca, coxinhas de espinafre, quibes, shitake balls, sanduíches com pão de clorofila, o hamburguer Mr. Vegan Melt, as batatinhas fritas sem óleo, pacotes de 500g de carne de jaca, entre outros itens. A coxinha de jaca, por exemplo, é algo original e muito brasileiro. Criamos iguarias que agregam a todas as tribos na mesma mesa, sejam veganos, vegetarianos ou não. Esses são os nossos diferenciais”, ressalta o empresário.

Razão do sucesso

Fortes e Michelle preferiram não divulgar para a reportagem dados sobre custo inicial e a lucratividade do negócio como um todo. Em contrapartida, Fortes fez questão de partilhar como interpreta e explica o grande sucesso já alcançado por ele e a sócia. “Nós temos a convicção que o veganismo é o futuro da alimentação. Realmente, chegou para ficar. Não é de hoje que as pessoas adotaram um novo estilo de vida em relação à alimentação e isso inclui a parte conceitual também. Há um crescimento real na quantidade de pessoas que se importam em saber de onde os alimentos vêm e de que forma eles são produzidos. Além disso, o bem-estar animal é um valor que só tende a crescer na população. Veganos ou não, a grande maioria das pessoas já concorda que os animais não precisam sofrer, muito menos em nosso benefício. Outro ponto a relatar são os cuidados com o meio ambiente. São valores que estão presentes na mentalidade da população e que certamente vão evoluir ainda mais nos próximos anos”, expõe.

Fiel cliente

A carioca Mariana Gomes, de 31 anos, é cliente de Fortes e Michelle desde o começo do negócio. Ela, que é gerente pessoal de tatuadores e estudante de Artes Plásticas, conta que acompanha o trabalho de Michelle voltado à gastronomia vegana antes mesmo de a chef e Fortes resolverem montar o primeiro Açougue Vegano.

Desde o início, Fortes e Michelle criaram e começaram a vender, inclusive pela Internet, produtos preparados como se fossem hambúrgueres, linguiças, carnes moídas, coxinhas e bacons normais. Mas, claro, tudo sem adição de qualquer alimento de origem animal

Mariana relata que adorou quando a loja número um foi aberta na Barra da Tijuca e também quando foi anunciada a venda online, pois considera que a concepção do negócio dos sócios facilitou e muito a vida dos veganos e vegetarianos. “Sempre amei tudo que a Michelle faz. Por isso, adorei quando abriram a empresa porque facilitou o acesso. Tudo é muito gostoso e a identidade visual também é bastante atrativa. Ainda há muita dificuldade de achar produtos veganos de qualidade no mercado do Rio de Janeiro. Mas, desde a abertura do Açougue Vegano, um mundo pouco conhecido pelo grande público foi divulgado”, avalia a fiel cliente.

Normalmente, a gerente pessoal de tatuadores costuma comprar coxinha, hambúrguer e linguiça do Açougue Vegano. Hoje, ela faz mais compras presencias, mas afirma que, por muitas vezes, optou pela tamanha praticidade da venda pela Internet.

O Açougue Vegano possui um projeto de assinatura. O sistema inovador permite que os amantes da culinária sem o uso de alimentos e derivados de origem animal tenham acesso ao cardápio com mais facilidade, comodidade e recorrência. No Rio de Janeiro, por exemplo, a entrega das vendas concluídas online é realizada no mesmo dia.

Franquia

Para abrir uma franquia do Açougue Vegano, o investimento inicial é a partir de R$ 190 mil e taxa de R$ 70 mil. Esses valores são referentes a uma loja do tamanho inicial de 25 metros quadrados, com taxa de royalties de 5% e taxa de marketing de 2%. Já o payback é a partir de 15 meses.

Quem deseja ser um franqueado do Açougue Vegano precisa entrar no site do negócio (acouguevegano.com.br) e clicar na aba ‘Seja um franqueado’, onde é necessário preencher um formulário para fazer a solicitação. Em seguida, basta esperar o contato por e-mail e/ou telefone da equipe de Fortes e Michelle.

Açougue Vegano
acouguevegano.com.br
Celso Fortes
www.celsofortes.com.br

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA