Capa: Menos toneladas de sódio na indústria

Corrida para adaptação a um novo perfil de consumidor faz com que empresas inovem e ofertem variedades de produtos menos prejudiciais à saúde

A procura por alimentos menos prejudiciais à saúde foi uma das tendências detectadas durante o estudo “Brasil Food Trends-2020”, realizado por meio de parceria entre a Federação das Indústrias de Alimentos do Estado de São Paulo (FIESP) e o Instituto de Tecnologia de Alimentos (ITAL). Além disso, o relatório”The Top 10 Consumer Trends for 2017” aponta uma inclinação dos consumidores pelos itens considerados mais saudáveis. O documento, divulgado pelo Euromonitor International e que analisa as tendências de mercado, diz que 83% dos entrevistados estão dispostos a gastar mais para obter uma boa alimentação, como a ingestão de produtos com menos sódio e sal.

Na contramão da realidade revelada nos dois levantamentos citados sobre a mudança dos hábitos alimentares da população, em especial da brasileira, outras pesquisas, incluindo a “Brasil Food Trends-2020”, dizem que, apesar da maior procura por uma dieta menos nociva à saúde, os consumidores não abrem mão do sabor, que, muitas vezes, é diretamente afetado com a redução do sódio e sal, por exemplo. Com isso, um dos dilemas da indústria alimentícia nos últimos anos tem sido exatamente conseguir um equilíbrio entre o fator saudabilidade e a manutenção da sensação de prazer ao paladar dos seus clientes.

Em meio a esse desafiador cenário, os empresários brasileiros desse ramo ainda se depararam com um acordo firmado entre o Ministério da Saúde e a Associação Brasileira das Indústrias de Alimentação (ABIA) para diminuir o sódio nos produtos alimentícios industrializados. A meta do chamado “Plano Nacional para Redução do Sódio em Alimentos Processados”, firmado em 2011, prevê que a indústria promova a retirada voluntária de 28,5 toneladas de sódio das prateleiras até 2020. Esse plano integra, ainda, o “Acordo de Cooperação Técnica” que a ABIA mantém com o Ministério da Saúde desde 2007 para a construção de um “Plano Nacional de Vida Saudável”. Além disso, chegou a ser renovado até 2022 em julho do ano passado. Por meio de nota, a assessoria de imprensa da ABIA afirmou que“essa parceria é importante porque reforça o compromisso que o setor já tem com a qualidade e com a busca constante por melhoria no perfil nutricional dos alimentos”.
De acordo com a Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a indústria nacional de alimentos é a responsável por 23,8% do sódio consumido pelos brasileiros, contra 76,2% do que é adicionado no preparo final dos alimentos. Mesmo assim, o setor, por meio da ABIA, já assinou quatro Termos de Compromisso com o Ministério da Saúde para a redução gradual de sódio em 35 categorias de alimentos industrializados. E, até o balanço divulgado em junho de 2017, o “Plano Nacional para Redução do Sódio em Alimentos Processados” já havia impulsionado a retirada de nada menos que 17.254 toneladas de sódio dos alimentos industrializados. Pães de forma, bisnaguinha e massas instantâneas, categorias que integram o 1º Termo de Compromisso, alcançaram as metas estabelecidas, mas novos e mais ousados objetivos foram definidos para até o fim deste ano e, no caso dos pães, 2020.

Ainda segundo a assessoria da ABIA, “a indústria tem investido constantemente na evolução de seu portfólio e na inovação dos alimentos para atender às demandas dos consumidores. No entanto, é importante ressaltar que medidas isoladas não são suficientes para sanar o problema. Precisamos implantar programas educativos para que a população possa ter discernimento no momento da escolha dos alimentos e compreenda a importância de aliar uma nutrição equilibrada à prática de atividades físicas. Nesse cenário, é um grande desafio para a indústria alcançar reduções em seus produtos, considerando os aspectos tecnológicos envolvidos, inclusive em relação à disponibilidade de ingredientes alternativos e a percepção e aceitação dos consumidores frente a reduções gradativas e sustentáveis”.

Pioneira

Rodrigo Lacerda é diretor de marketing da BRF, uma das maiores companhias de alimentos do mundo, com mais de 30 marcas em seu portfólio, entre elas, Sadia, Perdigão, Qualy, Paty, Dánica e Bocatti. Ele afirma que a Sadia foi uma das empresas pioneiras na revisão de suas políticas nutricionais em seu portfólio de produtos em decorrência do novo perfil do consumidor brasileiro relacionado ao fator saudabilidade. “Essa discussão iniciou em 2009. E, junto à ABIA, entidade a qual a Sadia é afiliada, participou da assinatura do acordo com o Ministério da Saúde que deu origem ao Plano Nacional para Redução do Sódio em Alimentos Processados”, conta.

O diretor diz que a Sadia avalia o plano em questão como “um avanço na indústria de alimentos por incentivar a melhoria nutricional nos alimentos industrializados, colaborando com a promoção da alimentação mais saudável”. Além disso, ele garante que a empresa “se adequou com facilidade ao plano e, inclusive, o transcendeu em alguns aspectos, uma vez que a Sadia tem como premissa oferecer alimentos de qualidade e sabor inquestionáveis sem deixar de se preocupar com a saúde de seus consumidores”.
Lacerda conta que uma das ações que facilitaram o destaque da Sadia em relação ao plano em questão foi o desenvolvimento de um substituto para o sódio por meio de uma tecnologia da BRF, conhecida internamente como HPA (Hidrolisado de Proteína Animal). O diretor partilha que a inovação foi fruto de oito anos de pesquisa dos profissionais do setor da área de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação da empresa. Ou seja, algo que já vinha sendo discutido dentro da Sadia antes mesmo do plano.

“Trata-se de um substituto do sal que começou a ser aplicado nos produtos da Sadia e que é produzido a partir de retalhos de cortes de carne da desossa, sem necessidade de aumentar os abates da companhia. É um extrato bem concentrado, na forma de pó, à base dos aminoácidos da carne, que passa por processos industriais de cozimento, filtragem, centrifugação, que vão purificando esse material. No fim, temos esse caldo de carne em forma sólida para aplicar nos produtos, com a propriedade de realçar seu sabor sem carregar sódio”, explica o diretor.

Por meio dessa substituição, a Sadia conseguiu reduzir 30% do sódio em mais de 50 itens de seu portfólio. “Quando iniciamos esse processo, a expectativa era que fossem retirados do nosso portfólio, no prazo de um ano, mais de 125 toneladas de sódio ou 315 toneladas de sal. O número final, após exatamente esse período, foi muito melhor que o imaginado. Foram retiradas no total 1.800 toneladas de sal dos produtos da Sadia, que equivalem a 75 caminhões basculantes, com capacidade de 16 metros cúbicos, de sal ou 112 ônibus empilhados”, detalha Lacerda.

Além de criar um substituto para o sódio, a Sadia também focou seus esforços em reduzir a quantidade de sódio em diversos alimentos que já produzia. “A linha de lasanha teve alteração em sua formulação, que resultou em redução expressiva de sódio a partir de uma mudança no processo de produção, que incluiu a etapa de refoga da carne do molho. A alteração de sabor foi percebida positivamente nos testes, inclusive com destaque para a nova combinação de aromas e sabores. Houve também alteração da fórmula com redução de sódio no escondidinho de carne seca e no filé de frango à parmegiana e redução de gordura no escondidinho de calabresa”, exemplifica o diretor.

Visionária

“É um compromisso continuar aperfeiçoando as nossas opções de alimentos e bebidas”, afirma Daniela Cachich, vice-presidente de marketing da PepsiCo Brasil

A PepsiCo, presente no Brasil desde 1953, também já investe em criar opções mais saudáveis para seus consumidores antes mesmo do “Plano Nacional para Redução do Sódio em Alimentos Processados”. A empresa, que é uma das principais companhias de alimentos e bebidas do país, trabalha o fator saudabilidade há mais de 10 anos. No entanto, considera que as novas regras reforçaram a sua posição visionária.
“A iniciativa reforçou o que a PepsiCo já vinha fazendo em termos de reduções de sal, açúcar e gorduras. A companhia iniciou essa jornada de transformação há mais de 10 anos e tem investido constantemente em criar opções mais saudáveis para seus consumidores. É um compromisso continuar aperfeiçoando as nossas opções de alimentos e bebidas, transformando nosso portfólio e oferecendo opções mais nutritivas e entregando para o consumidor a experiência que ele quer”, afirma Daniela Cachich, vice-presidente de marketing da PepsiCo Brasil.

Cachich conta que a PepsiCo já trabalha, de forma voluntária, em reduzir o sódio de seus produtos e atua no lançamento de itens mais saudáveis desde 2006, quando foi lançada uma agenda global que a empresa chama de “Performance com Propósito (PwP)”. “Em 2015, estabelecemos novas metas até 2025. Dentro do pilar produtos, as metas visam oferecer uma melhor nutrição em grande escala, continuando a desenvolver um portfólio mais amplo de opções de alimentos e bebidas e aumentando o acesso a opções saborosas e nutritivas”, esclarece a vice-presidente de marketing.

Conforme Cachich, devido à agenda PwP, foi conquistada a redução de sódio em 45% no salgadinho Cheetos, 15% em Doritos, 30% em Lay’s e 13% em Ruffles. “A PepsiCo também foi uma das primeiras empresas a retirar a gordura trans de seus produtos, eliminando totalmente seu uso em toda a linha de snacks. Além disso, lançou produtos como o Fandangos Integral – feito com farinha integral, zero gordura trans e zero colesterol, Kero Coco Kids e a linha eQilibri, que foi relançada com uma série de inovações, incluindo ingredientes como grãos, sementes de chia e tapioca e redução de até 46% do sódio em seu portfólio”, complementa.

Atualmente, o portfólio PepsiCo conta com quase 35 marcas, que estão divididas nas categorias aveia, lácteos, bebidas, snacks e biscoitos. Agora, passa por um processo de transformação, segundo prevê a agenda PwP da companhia. “Temos uma área que trabalha fortemente no levantamento de tendências de mercado e consumidores e traduzimos isso para o lançamento de novos produtos”, diz Cachich.

Outro recente investimento da PepsiCo para sair à frente foi a construção do R&D Center, seu primeiro centro de pesquisa e desenvolvimento no mundo especializado em alimentos elaborados com ingredientes originários da América do Sul, como mandioca, inhame e açaí. Inaugurado no ano passado em Sorocaba, no interior de São Paulo, o complexo de 4.500 metros quadrados teve investimento de US$ 25 milhões e tem como principal foco ser local de criação de soluções para as categorias snacks, cookies & crackers, lácteos, grãos e bebidas da empresa.

O R&D Center possui laboratório sensorial, cozinhas experimentais, um laboratório analítico multicategoria, uma planta piloto de snacks e nutrição, laboratórios de prototipagem parasnacks/lácteos/bebidas e um laboratório de empacotamento de classe mundial. Ao todo, são 79 cientistas de nutrição, engenharia de alimentos e outras áreas de especialização trabalhando em prol da oferta de produtos mais saudáveis.

Adaptada

Outra grande marca que vem conseguindo se ajustar às metas do “Plano Nacional para Redução do Sódio em Alimentos Processados” e conquistar bons resultados é a Nestlé.
De acordo com a assessoria de imprensa da Nestlé Brasil, globalmente, a organização já obteve uma redução de 10,5% na quantidade de sódio em alimentos e bebidas, o que corresponde a uma diminuição de 2.700 toneladas no comparativo entre 2016 e 2017. No Brasil, de 2014 a 2017, a companhia reduziu mais de 300 toneladas de sódio, além de 14 mil toneladas de açúcar e 5 mil de gorduras saturadas nos seus produtos.

A redução de níveis de sódio, açúcar e gorduras esteve no foco da Nestlé nos últimos anos por meio da reformulação dos seus produtos. Em 2017, por exemplo, foram feitas mudanças e lançamentos de itens que levavam em consideração demandas nutricionais específicas, como o lançamento de produtos sem glúten, sem lactose, com alto valor proteico, orgânicos, integrais, entre outros.

Em média e considerando o período de 2012 a 2016, conforme a empresa, mais de 8 mil produtos por ano foram renovados em todo o mundo. Além disso, para este ano, a expectativa é de que “cerca de um terço do portfólio da Nestlé seja trabalhado visando o avanço na qualidade nutricional e também refletindo um movimento global”, afirma o porta-voz.

Em março, a companhia lançou a linha de caldos Equilibrium, que apresenta uma redução de 31% de sódio, quando comparados à versão regular da marca. Com isso, essa é a atual opção de caldo com a menor quantidade de sódio do mercado brasileiro. Foi informado à nossa reportagem, ainda, que a “Nestlé vem empreendendo esforços em programas que estimulam mudanças nos hábitos de vida nas comunidades em que atua em busca de atingir a meta global de ajudar mais de 50 milhões de crianças a terem uma vida mais saudável até 2030”.

Para ajudar nessa grande tarefa, a empresa lançou, em abril, o programa “Nestlé por Crianças Mais Saudáveis”, plataforma de conscientização sobre a importância da alimentação saudável para a família. No Brasil, a plataforma reúne ideias, receitas e atividades divertidas para crianças dos 6 a 12 anos mudarem de hábitos brincando por meio de um aplicativo gratuito e intitulado de Nesplay, que está disponível para download por pais de todo o Brasil.

Já para apoiar a mudança também no âmbito educacional, a Fundação Nestlé lançou o “Prêmio Crianças Saudáveis” a fim de reconhecer e apoiar a implantação das dez melhores ideias que promovam alimentação equilibrada e prática de atividades físicas em escolas públicas de São Paulo e da Bahia. Esse projeto também contempla uma plataforma com conteúdo online de capacitação e inspiração para educadores.

Ainda segundo a assessoria da Nestlé Brasil, somente em 2017, a empresa lançou mais de mil novos produtos para atender às necessidades nutricionais das crianças e “pretende continuar alavancando sua capacidade de inovação líder do setor para melhorar seu portfólio de alimentos e bebidas em todo o mundo”. Para isso, conta com metas globais até 2020, que englobam a redução de sal em 10%, sendo que, desde 2005, a companhia reduziu o sal em mais de 20% de seus produtos.

Marina Fernie
“Atualmente, 39% do portfólio atende aos mais altos padrões nutricionais e 63% do portfólio já atende ao nosso target de sódio que é de 5g/dia (dados Globais USLP 2017)”, diz Marina Fernie, VP da categoria de alimentos da Unilever do Brasil

Padrões

Para a Unilever, segundo Marina Fernie, VP da categoria de alimentos da Unilever do Brasil, o mais importante é antecipar tendências e também entender as necessidades dos consumidores, transformando o portfólio da empresa por meio de inovações, com a criação de novas categorias e com a aquisição de novas marcas.
“Em linha com o Plano de Sustentabilidade da Unilever (USLP) – que tem entre suas metas “Melhorar a saúde e o bem-estar de mais de 1 bilhão de pessoas”-, temos o Plano de Nutrição Sustentável, que contempla ‘Cinco Compromissos de Nutrição Sustentável’ para transformar nossa visão em realidade”, destaca ela, que também detalha cada um deles.

“1. Bom para as Pessoas, Bom para o Planeta: oferecer alimentos nutritivos e cultivados de forma sustentável, melhorando a vida de pequenos produtores, distribuidores e vendedores, e atendendo a demanda dos consumidores para uma alimentação mais saudável;
2. Saúde & Bem-Estar: oferecer soluções que permitam às pessoas adotar dietas mais saudáveis, incluindo em seu dia a dia alimentos que atendam aos mais altos padrões nutricionais – com menos sal, gordura e açúcar e mais verduras, legumes, alimentos naturais, integrais e óleos saudáveis. Disponibilizar nas embalagens informações claras, de forma que a escolha mais saudável se torne também a mais fácil;
3. Fortificação Alimentar: oferecer alimentos fortificados para ajudar a combater as deficiências nutricionais;
4. Culinária Nutritiva: incentivar as pessoas a cozinharem refeições mais saborosas e nutritivas, com ingredientes variados, que se adequem aos seus estilos de vida e orçamento familiar;
5. Redução do Desperdício Alimentar: reduzir, desde o campo até a mesa do consumidor, o desperdício de alimentos e embalagens”, frisa.
A profissional relata, ainda, que uma grande reformulação está em andamento em todas as categorias de produtos da marca, que fez um progresso significativo no que diz respeito à redução de sal, gordura saturada, calorias e açúcar. “Atualmente, 39% do portfólio atende aos mais altos padrões nutricionais e 63% do portfólio já atende ao nosso target de sódio que é de 5g/dia (dados Globais USLP 2017). Além das iniciativas sinalizadas acima, é importante ressaltar que a Unilever faz parte do acordo de cooperação setorial com o Ministério da Saúde, através da ABIA, para redução de sódio no Brasil”, afirma.

“Em linha com o nosso compromisso de oferecer alimentos saborosos e ao mesmo tempo produzidos de forma sustentável, a Unilever anunciou, como oportunidade de negócios, a aquisição da companhia brasileira de alimentos naturais e orgânicos Mãe Terra, em 2017. A aquisição, além de fortalecer o portfólio de alimentos da Unilever, acelera a expansão nos segmentos de produtos naturais e orgânicos através da nossa expertise de marketing e operações, ampliando rapidamente a escala da Mãe Terra e com isso democratizando o consumo de alimentos saudáveis e nutritivos a um número ainda maior de pessoas”, ressalta Marina.

Para ela, diante da perspectiva desafiadora, os compromissos da Unilever ganham ainda mais relevância. “Para os próximos anos, a companhia continuará empenhada em produzir alimentos seguros, de alta qualidade, nutritivos e acessíveis para todos respeitando o meio ambiente, gerando menos desperdício e melhorando as condições de trabalho dos produtores rurais”, diz.

Mercado

Luís Spinelli
“A Marba também introduziu diversas inovações nos produtos, sempre pensando em melhorar a vida do consumidor”, afirma Luís Spinelli, diretor comercial da empresa

A Marba também é uma empresa que tem feito ações para reduzir o sódio dos alimentos e oferecer itens mais saudáveis. A empresa destaca que está alinhada ao mercado e que atende à legislação vigente. Além disso, segundo a marca, pensando nas novas demandas do seu público, entre as várias inovações que foram implementadas está a redução de sódio na linha de presuntos. O presunto cozido Marba, por exemplo, em sua receita anterior, tinha 464mg de sódio. Atuamente, caiu para 290mg, o que significa uma redução de 37%.

A Marba ressalta, ainda, que, dentro da tendência de redução de sódio e calorias, está o lançamento do Peito de Frango Defumado Marba. O item é produzido com partes íntegras do peito de frango e conta com um baixo teor de gordura, mantendo o sabor e o aroma, segundo a marca, com menos calorias, além da defumação artesanal.

“Trabalhamos incessantemente para atualizar nosso portfólio de produtos e alinhá-lo às demandas do público. A Marba também introduziu diversas inovações nos produtos, sempre pensando em melhorar a vida do consumidor”, afirma Luís Spinelli, diretor comercial da empresa, referindo-se à inserção da linha Premium no portfólio.

Portfólio

A Ajinomoto do Brasil conta com um portfólio amplo voltado à indústria alimentícia e ao setor de food service. A marca oferece uma série de soluções que auxiliam na redução de sal e sódio.

Ajinomoto do Brasil
“Estamos sempre alinhados às tendências e necessidades”, diz Miriam Higuchi, Gerente da Divisão Food Ingredients da Ajinomoto do Brasil

“Um dos produtos mais reconhecidos e utilizados no processo de redução de sódio dos alimentos industrializados é o AJI-NO-MOTO®, que possui apenas 30% do teor de sódio do sal de cozinha e proporciona o umami – conhecido como o quinto gosto básico do paladar –, que torna os alimentos muito mais saborosos. Também oferecemos diversas soluções aos nossos clientes, como o AJINOMOTO MAG, que confere umami sem o aporte de sódio, ou seja, é utilizado para formulações com restrição extrema ao sódio”, diz Miriam Higuchi, Gerente da Divisão Food Ingredients da Ajinomoto do Brasil.

Outra linha que é muito usada em conjunto com o AJI-NO-MOTO® é o AJITIDE® (nas versões IMP e I+G), que, conforme explica a profissional, atua potencializando o gosto umami e melhora ainda mais o sabor dos alimentos. “Esses produtos possuem forte sinergia com glutamato e possibilitam a redução de custo das formulações, além de auxiliar na redução de sódio. Entre os produtos oferecidos com essa função está o AJI-AROMA M-M100, que pode ser aplicado na formulação de macarrão instantâneo, por exemplo”, explica ela. “No caso de salsichas, linguiças, mortadelas, entre outros produtos cárneos, a redução de sódio implica na qualidade do produto, pois resulta em problemas de retenção de água, perda de fatiabilidade e textura característica. Para esses casos, indicamos ACTIVA®, preparação enzimática à base de transglutaminase que atua diretamente sobre esses parâmetros, conferindo mais elasticidade, firmeza e suculência”, ressalta Mirian.
Conforme frisa a profissional, os consumidores estão cada vez mais interessados na qualidade e nos benefícios nutricionais dos alimentos que eles ingerem. No entanto, destaca ela, o sabor ainda tem sido o fator motivador para o consumo. “A crescente tendência de alimentos saudáveis tem aumentado a demanda por produtos com menos sódio, indicando a necessidade de investir em soluções que possibilitem que os consumidores atinjam suas necessidades nutricionais, sem comprometer o sabor dos alimentos. Um dos principais compromissos da Ajinomoto é oferecer produtos e serviços que agregam valor aos seus clientes e consumidores. Por isso, estamos sempre alinhados às tendências e necessidades, oferecendo inclusive projetos customizados para melhorias de textura, sabor e redução de custos em processos de produção para o desenvolvimento de produtos com o perfil sensorial mais completo, resultando em opções mais saudáveis e saborosas”, afirma.
Mirian diz que a missão global da Ajinomoto é contribuir para a alimentação, bem-estar e uma vida melhor no futuro. “Dessa forma, continuaremos desenvolvendo soluções em ingredientes com foco em redução de sódio, que auxiliem na fabricação de alimentos mais saudáveis e saborosos”, salienta.

Abia
www.abia.org.br/vsn/
Sadia
www.sadia.com.br
Pepsico
www.pepsico.com.br
Nestlé
www.nestle.com.br
Unilever
www.unilever.com.br
Marba
www.marba.com.br
Ajinomoto do Brasil
www.ajinomoto.com.br

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA