As riquezas do hibisco

Consumidores são atraídos pelas muitas vantagens oferecidas pelo produto e organizações veem nele uma ótima oportunidade

EDITORIAPRODUTO
hibisco

A alimentação funcional tem sido algo bastante priorizado pelos consumidores. Cada vez mais, as pessoas se preocupam com aquilo que elas ingerem e com os benefícios que os produtos podem oferecer a elas. Um dos itens alimentícios que têm se destacado no mercado de alimentação é o hibisco, que é capaz de fornecer uma série de aspectos positivos para as pessoas.

Conforme explica Mozart da Silva Soccas, gerente de Desenvolvimento e Pesquisa de Produtos da Duas Rodas, “o hibisco, Hibiscus sabdariffa L. (Malvaceae), é uma importante planta medicinal e nutracêutica. Foi introduzida no Brasil através dos escravos e é conhecida popularmente como rosela, vinagreira, caruru azedo, jamaica, azedinha e quiabo roxo. Sua origem é incerta, mas há relatos de culturas antigas na Índia, Sudão e Malásia. Atualmente, é cultivada na Índia, Tailândia, Senegal, Egito, Estados Unidos, Panamá e México”, diz.
O profissional ressalta que o cultivo dessa espécie é feito por causa do interesse existente em suas flores, cálices, sementes e fibras, usados na alimentação de animais e também no preparo de alimentos e de bebidas, tendo objetivo culinário e medicinal. Ele também ressalta que, quando o assunto é a medicina tradicional, o hibisco é utilizado como diurético e também para o tratamentode desordens gastrointestinais, infecção hepática, febre e hipertensão.

“Dentre as substâncias bioativas mais estudadas atualmente no hibisco, podemos citar os flavonóides, que constituem o mais importante grupo de compostos fenólicos. Os principais compostos fenólicos encontrados no hibisco são as antocianinas, responsáveis pela coloração vermelha característica da flor. As principais classes de antocianinas encontradas nessa espécie são as cianidinas e delfinidinas glicosiladas, em grande parte responsáveis pelos efeitos antioxidantes relatados em estudos clínicos e pré-clinicos realizados com essa planta. Essa expressiva atividade antioxidante desempenhada pelo chá de hibisco exerce papel importante no processo de inibição de risco de doenças cardiovasculares e podem também atuar sobre o estresse oxidativo relacionado com doenças crônico-degenerativas.
Além dos compostos fenólicos, a flor de hibisco também contém vitamina B2 (riboflavina), que auxilia na saúde da pele, ossos e cabelos, vitamina B1 (tiamina) e vitamina B3 (niacina). Todas as vitaminas do complexo B ajudam na captação de energia nas células, principalmente ao auxiliar no metabolismo do oxigênio e da glicose. A flor também contém vitamina A, importante para a saúde da visão, sistema imunológico, pele e saúde óssea, e a vitamina C, que protege o organismo contra a baixa imunidade, doenças cardiovasculares, doenças relacionadas à visão e envelhecimento da pele.

Além da vitamina C (ácido ascórbico) o hibisco contém outros ácidos orgânicos como tartárico, málico, oxálico, hidroxicítrico e cítrico, os quais são responsáveis pela acidez característica do chá de hibisco. Dentre os minerais, a planta contém ferro, potássio, fósforo e cálcio. Contém ainda polissacarídeos, quantidades significativas de fibras alimentares e mucilagens, além de açúcares como glicose e frutose”, afirma ele.

Ainda de acordo com Soccas, há estudos que mostram que o hibisco pode atuar positivamente na perda de peso. “Pesquisas indicam que o chá de hibisco é capaz de reduzir a adipogênese. Esse processo consiste na maturação celular na qual as células pré-adipócitas se convertem em adipócitos maduros capazes de acumular gordura no corpo. Ao diminuir esse processo, o chá de hibisco contribui para que menos gordura fique acumulada na região do abdômen e nos quadris. Ainda não está claro qual é a substância presente na flor que é responsável por esse efeito, porém, acredita-se que a ação antioxidante dos flavonóides – antocianinas e quercetina contribuam para reduzir o depósito de gordura.
Além disso, o chá de hibisco tem efeito diurético, sendo um aliado na diminuição da retenção de líquidos. Estudos relatam que o flavonóide quercetina presente na planta é um dos nutrientes que ajudam a proporcionar essa ação. Também já foi evidenciado que o chá de hibisco age na aldosterona, hormônio secretado pelas suprarrenais que regulam o balanço eletrolítico do organismo favorecendo a ação diurética.

Outra ação descrita em estudos com chá de hibisco que podem favorecer o emagrecimento é a inibição da a-amilase por esse chá, bloqueando a absorção de açúcares e amido, favorecendo a perda de peso. Também foi evidenciado em testes pré-clínicos que o extrato etanólico de hibisco favorece a metabolização e excreção de gorduras. Todas essas ações em conjunto favorecem o emagrecimento”, diz.

Apesar de todos os benefícios que são encontrados no hibisco, o profissional afirma que estudos vêm sendo realizados para analisar os efeitos da bebida nos hormônios femininos. “De acordo com um estudo realizado em 2013, o chá de hibisco pode produzir efeitos sobre a musculatura uterina, relaxando-a e provocando complicações durante a gravidez. Resultados de pesquisas também indicam alterações no equilíbrio do estrogênio e progesterona, por isso, gestantes e mulheres que estão amamentando só devem consumi-lo sob orientação médica. E devido à falta de estudos clínicos da ingestão de chá de hibisco por crianças, também não é recomendado o consumo dessa bebida nessa faixa etária”, salienta.

Cotidiano

No dia a dia, a principal forma que o hibisco é consumido é por meio do preparo de chá, sendo que ele pode ser ingerido frio ou quente. Para fazê-lo, é necessário utilizar as flores (cálices) frescas ou, então, desidratadas. Na culinária, as flores são usadas também em bebidas fermentadas e até mesmo em sorvete, chocolate, tortas, pudins e vinhos. Para encontrar as flores desidratadas de hibisco, o consumidor deve se direcionar a casas que são especializadas em venda de produtos que são saudáveis e que são naturais.

“Atualmente, as pessoas estão muito mais atentas à qualidade dos alimentos que consomem e não buscam o consumo de um alimento apenas pelo fato de nutrir, mas uma nutrição aliada à saúde. A qualidade de vida moderna é afetada por inúmeros fatores. Dessa forma, a população deve conscientizar-se da importância de alimentos que melhoram o estado nutricional, contendo substâncias que auxiliam a promoção da saúde. E, de acordo com a composição do hibisco explorada anteriormente, essa planta se torna um bom exemplo de alimento funcional ou nutracêutico, em que os benefícios decorrentes do seu consumo contribuem para um melhor desempenho do organismo”, diz.

Empresas

Soccas afirma que a indústria deve estar sempre atenta àquilo que os consumidores almejam. E, para ele, o maior anseio das pessoas atualmente é ter uma alimentação que seja saudável e equilibrada, proporcionando os benefícios que são desejados. “O hibisco, por apresentar sabor agradável, pode ser apresentado ao consumidor em muitas formas de alimentos e bebidas industrializadas. Alguns exemplos são chás prontos para beber, chás em pó, refrescos, gelatinas, picolés, sorvetes, molhos, temperos, entre outros produtos industrializados que podem ser disponibilizados aos consumidores”, diz.

E a Duas Rodas se destaca muito em relação aos produtos que oferece. “A Duas Rodas, uma das principais indústrias produtoras de matérias-primas para alimentos e bebidas da América Latina, oferece uma extensa linha de extratos naturais padronizados em princípios ativos, incluindo o hibisco. Possuímos, neste caso, as versões líquidas e pós-padronizadas em antocianinas através de CLAE ou HPLC – Cromatografia Líquida de Alta Eficiência, que é uma metodologia reconhecida internacionalmente para a quantificação de substâncias fitoquímicas. Fortalecendo o campo de metodologia, vale lembrar que todo o portfólio da empresa é produzido de acordo com normas internacionais, garantindo qualidade integral dos ingredientes disponibilizados ao mercado.

Para a indústria de sorvetes, contamos com a linha Selecta Equilibrium, que dispõe de um preparado em pó para fabricação de gelados comestíveis (picolés), composta por extrato de hibisco, cranberry e frutas vermelhas e zero açúcar. Toda a coloração do picolé fabricado com esse preparado é oriunda do extrato de hibisco, sem adição de corantes. Além de sabor agradável e balanceado, o picolé de hibisco com frutas vermelhas entrega saudabilidade, tendo efeitos antioxidantes, diurético, acelera o metabolismo e auxilia na eliminação do inchaço e gordura corpórea.

Além disso, a Duas Rodas está sempre procurando atender às necessidades de consumidores finais e de profissionais da indústria alimentícia, atuando constantemente no desenvolvimento de produtos saudáveis e funcionais”, finaliza.

Lançamento

Recentemente, a marca Luminus apresentou ao mercado a sua linha de chás, chamada de Luminus Tea. O sabor hibisco é quem abre o portfólio da Luminus quando o assunto são os chás que já são prontos para beber, comercizalidos em embalagens de 200 ml e também de 1 litro.

O desenvolvimento da nova linha ficou por conta de nutricionistas, sendo que os itens possuem baixo teor de calorias e não contam com açúcar em sua composição.

Artigo anteriorChef Nadia Campeotto abrindo caminhos
Próximo artigoOs Estados Unidos, o Brasil e o mundo
A redação da Food Service News através deste canal, pauta assuntos de cunho financeiro e informativo, nossas matérias abordam novidades do mercado, tendências, dicas e oferecem entrevistas exclusivas. Além disso, a revista está sempre inovando e antecipando tendências, trazendo um conteúdo indispensável para quem deseja investir e saber mais sobre o segmento.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA