Artemisia e Fundação Cargill selecionam negócios de impacto social focados em alimentação para serem acelerados

Artemisia Lab Alimentação, programa de aceleração de curto prazo, é destinado a empreendedores com soluções inovadoras em alimentação focadas nos desafios da população de baixa renda. As organizações correalizadoras – Artemisia e Fundação Cargill – vão selecionar até 15 negócios; os três com melhor desempenho ao longo do programa poderão receber um capital-semente de até R$ 20 mil. As inscrições estão abertas até 16 de julho pelo site www.artemisia.org.br/labalimentacao

O Brasil não integra o Mapa da Fome desde 2014, mas o cenário está longe de ser satisfatório: 2,4% da população do país está em situação de insegurança alimentar, ou seja, 5 milhões de pessoas. Do outro lado, 50% dos brasileiros sofrem com o sobrepeso – um resultado de hábitos alimentares que originam doenças como diabetes, hipertensão e problemas cardiovasculares. Para se ter uma ideia do impacto desses problemas no Sistema Único de Saúde, basta lembrar que são gastos R$ 458 milhões anualmente com o tratamento de problemas estreitamente associados à alimentação, de acordo com dados de 2017, do Ministério da Saúde. Uma combinação de fatores que envolve a alta taxa de desemprego, avanço da pobreza, redução do número de beneficiários de programas sociais e o congelamento dos gastos públicos têm agravado a vulnerabilidade da população da base da pirâmide. Nesse contexto, a alimentação é um dos temas críticos para o desenvolvimento socioeconômico do país e apresenta desafios em diferentes pontos da cadeia: da oferta até o consumo.

Para apoiar empreendedores de impacto social que estão atuando na redução dos problemas relacionados à alimentação da baixa renda brasileira, a Fundação Cargill e a Artemisia anunciam o Artemisia Lab Alimentação – programa de aceleração de curto prazo que vai selecionar até 15 negócios em estágio inicial para uma jornada de seis semanas. As inscrições estão abertas até 16 de julho pelo site www.artemisia.org.br/labalimentacao.

Para o Artemisia Lab Alimentação, as organizações estão em busca de empreendedores de todo o Brasil, que têm negócios de impacto social inovadores dentro da temática e que estejam alinhados aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável: Erradicação da Fome; Erradicação da Pobreza; Saúde de Qualidade; e Consumo e Produção Responsáveis. Dos negócios que serão selecionados, os que apresentarem melhor desempenho ao longo da aceleração poderão receber um capital-semente de até R$ 20 mil e mentorias extras. O programa conta com workshops presenciais e webinares (encontros online), tendo como base a metodologia exclusiva de aceleração da Artemisia, pioneira no apoio a negócios de impacto social no Brasil.

Segundo Maure Pessanha, diretora-executiva da Artemisia, a iniciativa de selecionar e acelerar negócios de impacto focados na melhoria da alimentação para a base da pirâmide aprofunda a parceria iniciada para a produção da Tese de Impacto Social em Alimentação.

“Com o mapeamento do setor, entendemos as lacunas nas quais os negócios de impacto social podem contribuir para a resolução dos diversos desafios que afetam toda a população, em especial a parcela de menor renda. Com o Artemisia Lab Alimentação damos um passo além, em direção da potencialização dos empreendedores e seus negócios, como podem trazer soluções inovadoras para os grandes desafios da temática. Na prática, a equipe da Artemisia compartilha com a Fundação Cargill a visão de que é preciso fomentar e apoiar essa nova geração de empreendedores para que possam se desenvolver e gerar o impacto social que precisamos em nosso país”, afirma.

“A Fundação Cargill tem o propósito de promover a alimentação saudável, segura, sustentável e acessível. Para isso, precisamos buscar uma diversidade de abordagens mais criativas e abrangentes; e contamos com os negócios quem tenham impacto e relevância social, alto poder de transformação, inovação e sustentabilidade”, explica Yuri Feres, diretor-presidente da Fundação Cargill.

Critérios de seleção e setores
Entre os principais critérios de seleção está o impacto social – negócios devem oferecer produtos ou serviços para a resolução de questões relacionadas à alimentação, voltados à melhoria da qualidade de vida da população de baixa renda. O empreendedor tem que ter intenção genuína de mudar o Brasil, com histórico de realizações e capacidade para atrair talentos e desenvolver uma equipe consistente. O negócio deve ter um modelo lucrativo e com potencial de escala. As startups já devem ter protótipos desenvolvidos (produto ou serviços), em fase de testes no mercado ou no início da fase de vendas. O potencial de inovação é um dos pontos relevantes da seleção.

Estão credenciados a participar empreendedores com soluções para acesso a frutas, verduras e legumes (permitem que pessoas que vivem em locais que não têm venda de frutas, verduras e legumes tenham meios de comprá-los a um valor acessível, podendo assim incorporá-los à rotina alimentar); produção próxima ao consumidor (aproximação do consumidor à produção pelo plantio para consumo próprio ou para venda, ampliando o acesso da população de baixa renda a alimentos frescos e saudáveis nos centros urbanos e áreas periféricas); acesso a refeições equilibradas (que ofereçam alternativas de refeições saudáveis e equilibradas para a população de menor renda de forma acessível geográfica e financeiramente); prevenção e nutrição\saúde (que incentivem hábitos saudáveis por meio do direcionamento para mudanças de rotina alimentar e suporte para a reeducação nutricional, com aproveitamento integral dos alimentos a um preço acessível); educação para uma alimentação saudável e equilibrada (que apoiem a capacitação de pessoas sobre nutrição e alimentação equilibrada e com a possibilidade de multiplicar esse conhecimento); armazenamento adequado para evitar perdas e desperdícios (que promovam o armazenamento correto dos alimentos para venda e consumo, diminuindo as perdas e o desperdício); e apoio à gestão pública (negócios que incrementem as soluções públicas existentes, qualificando sua atuação e gerando dados que aumentem a transparência e permitam promover melhorias contínuas).

Tese de impacto social em alimentação
Conduzida pela Artemisia e Fundação Cargill, a “Tese de Impacto Social em Alimentação” reúne informações relevantes sobre os desafios enfrentados na temática pela população de baixa renda no Brasil e pelo setor; e aponta quais são as oportunidades para o desenvolvimento de negócios de impacto social que possam contribuir de forma positiva à sociedade. Os negócios de impacto social são empresas que oferecem, de forma intencional, soluções escaláveis para problemas sociais da população de baixa renda, unindo lucro e impacto social.

Entre as oportunidades detectadas no estudo: acesso ao mercado; produtos e serviços financeiros adequados; ampliação da conectividade; insumos, ferramentas e maquinários adequados e de baixo custo; apoio e capacitação para melhor gestão e produtividade; acesso a alimentos in natura; produção próxima ao consumidor; acesso a refeições saudáveis; armazenamento de alimentos; prevenção & nutrição; e educação nutricional. O mapeamento traz, ainda, exemplos de negócios de impacto social que representam as principais inovações no setor. Acesse a íntegra do mapeamento pelo link: bit.ly/TeseAlimentação

ARTEMISIA
A Artemisia é uma organização sem fins lucrativos, pioneira na disseminação e no fomento de negócios de impacto social no Brasil. A organização apoia negócios voltados à população de baixa renda, que criam soluções para problemas socioambientais e provocam impacto social positivo por meio de sua atividade principal. Sua missão é identificar e potencializar empreendedores(as) e negócios de impacto social que sejam referência na construção de um Brasil mais ético e justo. A organização já acelerou mais de 100 negócios de impacto social no Brasil e capacitou outros 300 em seus diferentes programas. Fundada em 2004 pela Potencia Ventures, possui atuação nacional e escritório em São Paulo. www.artemisia.org.br

FUNDAÇÃO CARGILL
Há mais de 40 anos, a Fundação Cargill tem sido um agente transformador nas comunidades e causas em que atua. Seu foco de atuação está voltado à promoção da alimentação saudável, segura, sustentável e acessível, com iniciativas que vão desde o campo até o consumidor final. Em 2017, a Fundação Cargill desenvolveu e apoiou 45 projetos em 61 municípios, além de fomentar o trabalho de 51 comitês de voluntariado corporativo. Com a ajuda de 852 voluntários, a instituição beneficiou 51.554 pessoas. Mais informações: www.alimentacaoemfoco.org.br.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA